Práticas sustentáveis temperadas por memórias e experiências

Autores

  • Monica Abdala Universidade Federal de Uberlândia. Instituto de História

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2596-3147.v1i1p159-171

Palavras-chave:

Tradições, Sustentabilidade, Memórias, Saberes femininos, Comida mineira

Resumo

A proposta deste artigo é apresentar uma reflexão sobre a experiência do Festival Igarapé Bem Temperado, entendendo-a como parte do mosaico de culturas e tradições de Minas Gerais, do Brasil e de um conjunto de movimentos para preservação do patrimônio cultural do estado. O reconhecimento de expressões locais, a valorização de experiências e saberes femininos relativos a conhecimentos ancestrais com foco na segurança alimentar, assim como a possibilidade tanto de resgatar identidades como de desenvolvimento econômico sustentável, constituem elementos centrais na análise. Trata-se também de investigar as diferentes formas pelas quais as tradições culinárias são ressignificadas, fazendo sentido para os grupos que as reafirmam, ao mesmo tempo  que são manipuladas no bojo da reconstrução permanente do “tradicional e típico” mineiro. Mário de Andrade, Eric Hobsbawm, Carlos Dória e Marcelo Bastos, entre outros autores foram chamados ao diálogo numa tentativa de compreender a dinâmica cultural e política desse jogo de identidades e tradições mineiras. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Monica Abdala, Universidade Federal de Uberlândia. Instituto de História

Doutora em Sociologia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Professora titular aposentada do Instituto de Ciências Sociais e docente do corpo permanente do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Uberlândia.

Referências

ABDALA, Mônica Chaves. Tradições bem temperadas. In: PIRES, Maria do Carmo; MAGALHÃES, Sônia Maria de (Orgs.). A cozinha brasileira e o patrimônio cultural: história, hospitalidade e turismo. Curitiba: Editora Prisma, 2018.
ABDALA, Mônica Chaves. Comida e gênero: reflexão sobre mulheres e cozinha em Minas Gerais. In: MAIA, Cláudia; PUGA, Vera Lúcia (Orgs.). História das mulheres e do gênero em Minas Gerais. Florianópolis: Editora Mulheres, 2015.
ABDALA, Mônica Chaves. Receita de mineiridade: a cozinha e a construção da imagem do mineiro. 2 ed. Uberlândia: Edufu, 2007.
AGUIAR, Letícia Cabral. De “comida de gente pobre” à gastronomia: a trajetória da “comida de quintal” através do festival Igarapé Bem Temperado. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2018.
ANDRADE, Mário de. O turista aprendiz. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 2002.
ARRUDA, Maria Arminda do N. Mitologia da mineiridade. O imaginário mineiro na vida política e cultural do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1990.
BASTOS, Marcelo Corrêa. Identidade caipira. In: DÓRIA, Carlos Alberto; BASTOS, Marcelo Corrêa. A culinária caipira da Paulistânia: a história e as receitas de um modo antigo de comer. São Paulo: Três Estrelas, 2018.
BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: T. A. Queiroz, 1983.
BYRD, Steven. Comida mineira: a “cultural patrimony” of Brazil. Global Food History, v. 4, n. 1, pp. 78-97, nov. 2017.
COLLAÇO, Janine Helfst Leicht. Restaurantes e trabalho entre famílias italianas: a variedade da experiência étnica. In: MACHADO, Maria Clara Tomaz; RAMOS, Alcides Freire (Orgs.). Nas veredas da história: itinerários e transversalidades da cultura. Uberlândia: Edufu, 2012.
COLLAÇO, Janine Helfst Leicht. Sabores e memórias: cozinha italiana e construção identitária em São Paulo. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2009.
DÓRIA, Carlos Alberto. Se verá que o Brasil não é longe daqui. In: DÓRIA, Carlos Alberto; BASTOS, Marcelo Corrêa. A culinária caipira da Paulistânia: a história e as receitas de um modo antigo de comer. São Paulo: Três Estrelas, 2018.
DÓRIA, Carlos Alberto; BASTOS, Marcelo Corrêa. A culinária caipira da Paulistânia: a história e as receitas de um modo antigo de comer. São Paulo: Três Estrelas, 2018.
FECAROTTA, Luiza. Obra faz investigação quase arqueológica da cozinha paulista. Folha de S. Paulo, São Paulo, 14 out. 2018.
FRIEIRO, Eduardo. Feijão, angu e couve. Ensaio sobre a comida dos mineiros. Belo Horizonte: Editora Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1982.
HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence (Orgs.). A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.
INSTITUTO do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Patrimônio cultural imaterial: para saber mais. 3. ed. Brasília: Iphan, 2012.
MACHADO, Maria Clara Tomaz. Cultura popular e desenvolvimentismo em Minas Gerais: caminhos cruzados de um mesmo tempo (1950-1985). Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 1998.
MENASCHE, Renata; SANTOS, Jaqueline Sgarbi. Valorização de produtos alimentares tradicionais: os usos das indicações geográficas no contexto brasileiro. Cuadernos de Desarrollo Rural, Bogotá, v. 12, n. 75, pp. 11-30, 2015. Disponível em: <http://dx.doi. org/10.11144/Javeriana.cdr12-75.vpat>. Acesso em: nov. 2017.
NUNES, Maria Lucia Clementino; NUNES, Marcia Clementino. História da arte da cozinha mineira por Dona Lucinha. São Paulo: Larousse do Brasil, 2010.
VELOSO, Mariza; MADEIRA, Angélica. Leituras brasileiras: itinerários no pensamento social e na literatura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

Downloads

Publicado

2019-03-28

Como Citar

Abdala, M. (2019). Práticas sustentáveis temperadas por memórias e experiências. Revista Ingesta, 1(1), 159-171. https://doi.org/10.11606/issn.2596-3147.v1i1p159-171

Edição

Seção

Artigos