Incorporando relações

aproximações antropológicas sobre comida e risco

Autores

  • Lis Furlani Blanco Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2596-3147.v1i1p101-123

Palavras-chave:

Comida, Risco, Política, Materialidade, Farinata

Resumo

O objetivo deste artigo é tratar das relações entre “comida” e “risco” a partir do pressuposto de que a comida carrega com ela, para além de simbolismo, materialidades que são incorporadas, literalmente, através do ato de ingestão. Este texto, além da ambição de contribuir com uma revisão teórica sobre a temática da alimentação na Antropologia, pretende propor uma abordagem metodológica sobre comida que vá mais além de sua definição como linguagem, ou como mediador social, compreendendo-a enquanto objeto promulgador de realidade. A maneira como definimos comida definiria não só a materialidade daqueles que a incorporam, mas as próprias relações que estes estabelecem com o mundo, e o “risco” seria o recorte pelo qual podemos entender como um objeto é definido como comida em um contexto que é muitas vezes concebido como a antítese da cultura: o contexto da pobreza extrema. Para tanto, articularei a discussão mais atual sobre o projeto da “farinata”, do ex-prefeito João Doria Júnior, em relação a cenas etnográficas resultantes de minha pesquisa de campo, em 2013, na cidade de São Paulo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lis Furlani Blanco, Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas

Bacharel e licenciada (2011) em Ciências Sociais e mestra (2015) em Antropologia Social pela Universidade Estadual de Campinas. Foi pesquisadora visitante no Odela, UB, Espanha. Doutoranda em Antropologia Social pela Unicamp e bolsista Fapesp, desenvolve pesquisas acerca de temas da Antropologia da Alimentação e Antropologia Política. Atualmente é pesquisadora visitante na Universidade da Califórnia, Berkeley.

Referências

APARICI, Eva Zafra; GARCÍA, Araceli Muñoz; LARREA-KILLINGER, Cristina. ¿Sabemos lo que comemos?: Percepciones sobre el riesgo alimentario en cataluña, España. Salud colectiva, Universidad Nacional de Lanús, Buenos Aires, v. 12, n. 4, pp. 505-518, 2016.
APPADURAI, Arjun. Introdução: Mercadorias e a política de valor. In: APPADURAI, Arjun (Org.). A vida social das coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói: Eduff, 2008.
ARCHETTI, Eduardo. Guinea Pigs: food, symbol and conflict of knowledge in Ecuador. Nova York: Berg Publishers, 1997.
BLANCO, Lis Furlani. Vida Podre: a trajetória de uma classificação. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2015.
BLANCO, Lis Furlani. A comida como direito: alguns apontamentos sobre o direito humano a alimentação adequada a partir da trajetória do programa Fome Zero. Alabastro (Revista Eletrônica dos Discentes da Escola de Sociologia e Política da FESPSP), São Paulo, ano 5, v. 1, n. 9, pp. 13-30, 2017a.
BLANCO, Lis Furlani. Que feira é essa? A construção da comida como objeto a partir da experiência da Xepa. Fome de Saber – Observatório Brasileiro de Hábitos Alimentares, Rio de Janeiro, 5 jul. 2017b. Disponível em: <http://obha.fiocruz.br/index.php/category/fome-de-saber/feiras-populares>. Acesso em 11 jan. 2019.
BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Trad. Mariza Corrêa. Campinas: Papirus, 1996.
BRILLAT-SAVARIN, Jean-Anthelme. A fisiologia do gosto. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.
BROWN, Lester, Who will feed China? World Watch, Washington, v. 7, n. 5, pp. 10-19, set./out. 1994.
BUTLER, Judith. Bodies that Matter: On the discursive limits of sex. Nova York/Londres: Routledge, 1993.
ÇAGLAR, Ayse S. McKebap: Döner kebap and the social positioning struggle of German Turks. In: LENTZ, Carola (Org.). Changing food habits. Amsterdã: Harwood Academic Publishers, 1999.
CASTRO, Eduardo Viveiros de. “Transformação” na antropologia, transformação da “antropologia”. Mana, Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, abr. 2012.
CAZES-VALETTE, Geneviève. La Vache Folle. Cultures, Nourritures. Internationale de l’Imaginaire, Arles, n. 7, pp. 205-233, 1997.
COE, Sophie. America’s first cuisines. Austin: University of Texas Press, 1994.
CONTRERAS, Jesús. A modernidade alimentar: entre a superabundância e a insegurança. História: Questões & Debates, Curitiba, n. 54, pp. 19-45, jan./jun. 2011.
CONTRERAS, Jesús; GRACIA, Mabel. Alimentação, sociedade e cultura. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2011.
COUNIHAN, Carole; KAPLAN, Steven L. (Orgs.). Food and gender. Amsterdã: Harwood Academic Publishers, 1998.
DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. 1730: devir-intenso, devir-animal, devir- imperceptível. In: DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix (Orgs.). Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia (v. 4). São Paulo: Editora 34, 1997, pp. 11-113.
DOHERTY, Jacob. Infrastructures of disposability: waste, belonging, and the politics of a clean Kampala. Stanford University: Department of Anthropology, 2016.
DÓRIA, Carlos Alberto. A “gastronomização” da reflexão cultural. Ilustríssima/Folha de S. Paulo, São Paulo, 7 dez. 2014. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2014/12/1557749-a-gastronomizacao-da- reflexao-cultural.shtml>. Acesso em 11 jan. 2019.
DOUGLAS, Mary. Pureza e perigo. São Paulo: Perspectiva, 1976.
DOUGLAS, Mary. Risk and Blame: essays in cultural theory. Londres: Routledge, 1992.
DOUGLAS, Mary. Food in the social order. Londres: Routledge, 2003.
DUMONT, Louis Homo hierarchicus: o sistema das castas e suas implicações. São Paulo: Edusp, 1997.
DURKHEIM, Émile; MAUSS, Marcel. Algumas formas primitivas de classificação: contribuição para o estudo das representações coletivas. In: MAUSS, Marcel. Ensaios de sociologia. São Paulo: Editora Perspectiva, 1981.
FIRTH, Raymond. We, the tikopia. Londres: G. Allen & Unwin, 1936.
FIRTH, Raymond. Malay fishermen. Londres: Routledge & Kegan Paul, 1966 [1946].
FIRTH, Rosemary. House keeping among malay peasants. School of Economics Monographs in Social Anthropology. Londres: Athlone Press, 1966 [1943].
FISCHLER, Claude. El (h)omnivoro. Barcelona: Anagrama, 1995.
FONSECA, Alexandre Brasil; SOUZA, Thaís Salema Nogueira de; FROZI, Daniela Sanches; PEREIRA, Rosangela Alves. Modernidade alimentar e consumo de alimentos: contribuições sócio-antropológicas para a pesquisa em nutrição. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 9, pp. 3853-3862, set. 2011.
FRANGELLA, Simone. Corpos urbanos errantes: uma etnografia da corporalidade de moradores de rua em São Paulo. São Paulo: Anablume/Fapesp, 2009.
FREITAS, Maria do Carmo S. Agonia da fome. Rio de Janeiro/Salvador: Editora Fiocruz/Edufba, 2003.
GARCÍA, Kátia. Alimentación, nutrición y pobreza: el caso de um grupo de trabajadores de la basura de la ciudad de México. Monografia de Conclusão de Curso (Licenciatura em Nutrição Humana) – Divisão de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Autônoma Metropolitana. Cidade do México, 2009.
GEERTZ, Clifford. Transição para A humanidade. In: GEERTZ, Clifford; ENGELS, Friedrich; BAUMAN, Zygmunt; LEONTIEV, Aleixei; MARCARIAM, Eduardo. O papel da cultura nas ciências sociais. Porto Alegre: Editorial Villa Martha, 1980, pp. 21-36.
GELL, Alfred. Art and agency: an anthropological theory. Oxford: Clarendon, 1998.
GOODY, Jack, Cooking, cuisine and class. Cambridge: Cambridge University Press, 1982.
GRACIA-ARNAIZ, Mabel. Maneras de comer hoy: comprender la modernidad alimentaria desde y mas allá de las normas. Revista Internacional de Sociología, Córdoba, n. 40. pp. 159-182, jan./abr. 2005.
HENARE, Amiria; HOLBRAAD, Martin; WASTELL, Sari (Ed.). Thinking through things: theorising artefacts ethnographically. Londres: Routledge, 2007.
HUBERT, Annie. Introduction. In: HUBERT, Annie. Corps de femme sous influence: questionner les normes. Paris: Les Cahiers de l’Ocha, 2004.
KOPYTOFF, Igor. A biografia cultural das coisas. In: Appadurai, Arjun. A vida social das coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói: Eduff, 2008.
LAHLOU, Saadi. Penser manger: alimentation et représentations sociales. Paris: PUF, 1998.
LATOUR, Bruno. Reflexão sobre o culto moderno dos deuses fe(i)tiches. Bauru: Edusc, 2002.
LENTZ, Carola (Org.). Changing food habits. Amsterdã: Harwood Academic Publishers, 1999.
LÉVI-STRAUSS, Claude. The Culinary Triangle. In: VAN ESTERIK, Penny; COUNIHAN, Carole (Ed.). Food and culture. Londres: Routledge, 1997.
MACHADO, Carmen Janaína; MENASCHE, Renata. “Pobre não tem hábito alimentar, pobre tem fome”: reflexões sobre consumo e políticas públicas. In: COLLAÇO, Janine Helfst; BARBOSA, Filipe Augusto Couto; ROIM, Talita Prado Barbosa (Orgs.). Cidades e consumo alimentar. Goiânia: Editora da Imprensa Universitária Digital, 2017.
MACIEL, Maria Eunice; GOMBERG, Estélio (Org.). Temas em alimentação e cultura. São Cristóvão: Editora UFS, 2007.
MALINOSWKI, Bronislaw. Argonauts of the Western Pacific. Nova York: Dutton, 1922.
MALINOSWKI, Bronislaw. Coral gardens and their magic. Bloomington: Indiana University Press, 1965 [1935].
MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.
MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2003.
MENASCHE, Renata. Risco à mesa: alimentos transgênicos, no meu prato não? Campos – Revista de Antropologia, v. 5, n. 1, pp. 111-129, 2004.
MERLEAU-PONTY, Maurice. De Mauss a Claude Lévi-Strauss. In: Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1980, pp. 193-206.
MILLÁN, Amado. “Malo para comer, bueno para pensar”: crisis en la cadena socioalimentaria. In: GRACIA-ARNAIZ, Mabel (Coord.). Somos lo que comemos: estudios de alimentación y cultura en España. Barcelona: Ariel, 2002.
MILLER, Daniel. Trecos, troços e coisas: estudos antropológicos sobre a cultura material. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.
MINTZ, Sidney. Comida e antropologia: uma breve revisão. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 16, n. 47, pp. 31-41, out. 2001.
MOL, Annemarie. The Body Multiple: Ontology in Medical Practice. Durham: Duke University Press, 2002.
MOL, Annemarie. Política ontológica: algumas ideias e várias perguntas. In: NUNES, João Arriscado; ROQUE, Ricardo (Ed.). Objectos impuros: experiências em estudos sociais da ciência. Porto: Edições Afrontamento, 2008.
OHNUKI-TIERNEY, Emiko. Rice as self: Japanese identities through time. Princeton: Princeton University Press, 1993.
POLLAN, Michael. Cozinhar: uma história natural da transformação. Trad. Cláudio Figueiredo. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2014.
POULAIN, Jean-Pierre. Sociologies de l’alimentation. Les Mangeurs l’espace social alimentaire. Paris: Presses Universitaires de France, 2003.
POULAIN, Jean-Pierre. Sociologias da alimentação: os comedores e o espaço social alimentar. Florianópolis: EdUFSC, 2004.
PRINS, Baukje; MEIJER, Irene Costera. Como os corpos se tornam matéria: entrevista com Judith Butler. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, pp. 155-167, 2002.
RIBEIRO, Magda dos Santos. Por uma biografia das coisas: a vida social da marca Havaianas e a invenção da brasilidade. Etnográfica, Lisboa, v. 17, n. 2, pp. 341-367, 2013.
RICHARDS, Audrey. Land, labour and diet in Northern Rodhesia. Oxford: Oxford University Press, 1951 [1939].
RICHARDS, Audrey. Hunger and work in a savage tribe: a functional study of nutrition among the Southern Bantu. Londres: Routledge, 2005 [1932].
RUI, Taniele. Corpos abjetos: etnografia em cenários de uso e comércio de crack. Tese (Doutorado em Antropologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2012.
SALAMAN, Redcliffe. The history and social influence of the potato. Cambridge: Cambridge University Press, 1970 [1949].
SANTOS, Ligia Amparo. O corpo, o comer e a comida. Salvador: Edufba, 2008.
STOLLER, Paul. The taste of ethnographic things. Filadélfia: University of Pennsylvania Press, 1990.
VAN ESTERIK, Penny; COUNIHAN, Carole (Ed.). Food and culture. Londres: Routledge, 1997.
WISSLER, Clark. The American Indian. Nova York: D. C. McMurtrie, 1927.
WRANGHAM, Richard. Catching fire: how cooking made us human. Nova York: Basic Books, 2009.

Downloads

Publicado

2019-03-28

Como Citar

Blanco, L. F. (2019). Incorporando relações: aproximações antropológicas sobre comida e risco. Revista Ingesta, 1(1), 101-123. https://doi.org/10.11606/issn.2596-3147.v1i1p101-123

Edição

Seção

Artigos