Metamorfoses temáticas, conceituais e emblemáticas: a construção de um método epistemológico histórico morfológico

  • Maurício de Carvalho Ramos Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Departamento de Filosofia
Palavras-chave: epistemologia histórica - história morfológica – emblemas - cultura científica da química - Ginzburg.

Resumo

Proponho a construção de um método epistemológico histórico sob uma perspectiva morfológica. Isso envolve a elaboração de um processo genético racional de conceitualização no qual problemas, temas e conceitos se organizam como expressões históricas crescentemente mais objetivas e determinadas. Tais expressões devem se articular gerando um contínuo de metamorfoses de um conceito ou núcleo conceitual capaz de conferir inteligibilidade a unidades da cultura científica sem restrições de amplitude espacial, temporal e conceitual. A ligação dos componentes morfológico e histórico que proponho se baseia nos resultados obtidos e no método utilizado por Carlo Ginzburg em Mitos, emblemas e sinais, especialmente no ensaio O alto e o baixo: o tema do conhecimento proibido nos séculos XVI e XVII. Após apresentar uma caracterização dos componentes mínimos do método epistemológico histórico, passarei a incorporar-lhe elementos da morfologia histórica de Ginzburg por meio de um diálogo em que procuro perceber como o autor procedeu metodicamente e conceitualmente em sua investigação. Por fim, através do estudo preliminar de um emblema alquímico em que Hermes é a figura central, farei um experimento morfológico de aplicação do referido procedimento ao âmbito da cultura científica da química.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2015-12-31
Como Citar
Ramos, M. (2015). Metamorfoses temáticas, conceituais e emblemáticas: a construção de um método epistemológico histórico morfológico. Intelligere, 1(1), 82-115. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9020.intelligere.2015.108490