Relíquias da existência de um intelectual

os mundos fraturados de Júlio de Mesquita Filho na “Era dos Extremos”

  • Francisco Adriano Leal Macêdo Universidade Federal do Piauí
Palavras-chave: Júlio de Mesquita FIlho, ontologia, autobiografia, memória, intelectuais

Resumo

Este artigo tem como mote localizar panoramicamente aspectos da trajetória de vida do jornalista Júlio de Mesquita Filho, proprietário do jornal “O Estado de São Paulo”, a partir de discurso proferido quando foi paraninfo de uma turma do curso de direito da Universidade de São Paulo em 1948 e um depoimento autobiográfico escrito na década de 1960. Os escritos aqui postos em análise fazem um esforço de reconstituição do itinerário intelectual e existencial do personagem, situando as questões que o mobilizaram mais intensamente. Esses enunciados constituem documentos necessários para a compreensão de como o sujeito que desejou tomar parte do debate intelectual em torno da consolidação da República brasileira e os modelos de sociedade adequados compreendia a si mesmo e seus propósitos. Para a intepretação das fontes e estabelecer as balizas de aclimatação, três noções centrais são caras, ainda que não evidenciadas textualmente: “estar no mundo” (Dasein), conceito desenvolvido por Paul Ricoeur a partir da filosofia de Heidegger; “escrita de si” (Self Writing), utilizando a apropriação da historiadora Ângela de Castro Gomes do conceito foucaltiano; por fim, a categoria de “cone da memória”, trabalhada por Ecléa Bosi a partir de estudos do filósofo Henri Bergson. Como balizas historiográficas, são centrais os estudos dos historiadores Nicolau Sevcenko e Eric J. Hobsbawm.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

FONTES
Ensaios
BENJAMIN, Walter. Experiência e pobreza. In: __________. Magia, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 2012.
MESQUITA FILHO, Júlio de. Dissidência republicana, reação democrática. In: ___________ Política e cultura. São Paulo: Martins Editora, 1969.
____________, Júlio de. Declínio de Rousseau. In: ___________ Política e cultura. São Paulo: Martins Editora, 1969.
MESQUITA FILHO, Júlio de. “O Estado de São Paulo” e a questão social. In: ___________ Política e cultura. São Paulo: Martins Editora, 1969.
Sites consultados:
FERREIRA. Marieta de Moraes. Júlio de Mesquita Filho. Verbete Biográfico. Disponível em: acessado em 02 de jul. de 2019.
BIBLIOGRAFIA
Monografias:
MACÊDO, Francisco Adriano Leal. Nação como retórica: a construção da ideia de Brasil por Júlio de Mesquita Filho (1932-1964). 2018. 115 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura Plena em História) – Universidade Federal do Piauí, Picos, 2018.
Livros e capítulos de livros:
BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: __________. Magia, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 2012.
____________. Experiência e pobreza. In: __________. Magia, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 2012.
BERGSON, Henri. Matéria e memória: ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. Tradução Paulo Neves. São Paulo: Martins Fontes, 1999.
___________. A evolução criadora. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 2005.
BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de Moraes (Coord.). Usos e abusos da história oral. São Paulo: FGV, 2006.
BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.
DARNTON, Robert. Boemia literária e revolução: o submundo das letras no antigo regime. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.
_________; GUATTARI, Félix. O que é a filosofia?. São Paulo: Editora 34, 2010.
ELIAS, Norbert. Mozart: sociologia de um gênio. Tradução: Sergio Goes de Paula. Rio de Janeiro: Zahar, 1995.
FREUD, Sigmund. O mal-estar na civilização. In: Os pensadores. São Paulo, Abril, 1978.
GOMES, Ângela de Castro. Escrita de si, escrita da História: a título de prólogo. In: GOMES, Ângela de Castro (Org.). Escrita de si, escrita da história. Rio de Janeiro: FGV, 2004. p. 07-23.
HARTOG, François. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Tradução: Andréa Souza de Menezes, Bruna Beffart, Camila Rocha de Moraes, Maria Cristina de Alencar Silva e Maria Helena Martins. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.
HOBSBAWM, Eric J. Tempos fraturados: Cultura e sociedade no século XX. Tradução Berilo Vargas. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.
__________. A Era dos Extremos: o breve século XX, 1914-1991. Tradução Marcos Santarrita. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.
RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Tradução de Alan François. Campinas-SP: Editora da Unicamp, 2007.
SEVCENKO, Nicolau. Orfeu extático na metrópole: São Paulo, sociedade e cultura nos frementes anos 20. São Paulo: companhia das letras, 1992.
___________. Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. São Paulo: Brasiliense, 1999.
TRAVERSO, Enzo. Usos políticos do passado, In: _________ O passado, modos de usar: história, memória e política. Lisboa: Edições Unipop, 2012.
Artigos de periódicos:
GOMES, Angela de Castro. Questão social e historiografia no Brasil do pós-1980: notas para debate. In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n.34, jul-dez, 2004.
Publicado
2019-12-30
Como Citar
Macêdo, F. (2019). Relíquias da existência de um intelectual. Intelligere, (8), 17. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9020.intelligere.2019.160994
Edição
Seção
Artigos