CORREDOR DE INFRAESTRUTURA VERDE: ROTA CICLOVIÁRIA COMO CONEXÃO ENTRE PARQUE DO POVO – IBIRAPUERA

  • Cintia Miua Maruyama Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo
  • Laís Padilha Leite Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo
  • Lívia Borges Dualibe de Deus Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo
Palavras-chave: Infraestrutura Verde, ciclovia, melhores práticas de manejo das águas da chuva, arborização, segurança viária

Resumo

A Infraestrutura Verde é uma alternativa para cidades com urbanização tradicional, dentre todos os benefícios, essa abordagem de planejamento trata da inserção de transportes modais não motorizados. A hipótese da presente pesquisa baseou-se na possibilidade de implantação da Infraestrutura Verde, no município de São Paulo, em uma rota cicloviária que interligasse os Parque do Povo ao Ibirapuera com as devidas adequações. Tratou-se de um trabalho quali-quantitativo onde se identificou a infraestrutura existente e foram elaboradas propostas baseadas nos conceitos estudados. O método da pesquisa discorreu sobre parâmetros de segurança viária com contagem veicular e diferença da velocidade entre automóvel e bicicleta. Dentre os resultados, destacou-se a necessidade de melhoria da arborização, implantação de ciclovias em trechos onde há ciclofaixa operacional, introdução de canteiros pluviais e biovaletas. Concluiu-se ainda ser desejável expandir as larguras de calçadas e ciclovias existentes de várias vias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cintia Miua Maruyama, Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

Docente assistente das engenharias do Centro de Estudos do Mar da Universidade  Federal do Paraná. 

Doutoranda do programa de pós-graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, em Paisagem e Ambiente. Estuda projeto de Infraestrutura verde na Mobilidade urbana. 

Mestre em Engenharia Urbana pela Universidade Estadual do Paraná

Arquiteta e Urbanista pela Faculdade e Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo

Laís Padilha Leite, Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo
Arquiteta e urbanista pela UEMA, aluna especial da Pós – Graduação da FAU USP
Lívia Borges Dualibe de Deus, Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo
Arquiteta e urbanista pela UEMA, aluna especial da Pós – Graduação da FAU USP

Referências

AHERN, J.; PELLEGRINO, P.; BECKER, N. Infraestrutura verde desempenho, estética, custos e método. In: Lucia Maria Sá Antunes Costa; Denise Barcellos Pinheiro Machado (org.). Conectividade e resiliência: estratégias de projeto para a metrópole. Rio de Janeiro. Rio Books: PROURB, 2012.

ANTP – Associação Nacional de Transportes Públicos. Transporte Cicloviário. Volume 7 – Série Cadernos Técnicos. 2007

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050 – Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro, 2004.

CITY OF PORTLAND. Stormwater Management Manual. August, 2016. Disponível em: < https://www.portlandoregon.gov/bes/64040 >. Acesso em: 07/03/17

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO – CET. Boletim Técnico nº 31. Pesquisa e Levantamentos de Tráfego. São Paulo, 184p., 1982.

CORMIER, Nathaniel S; PELLEGRINO, Renato M. Infraestrutura verde: uma estratégia paisagística para a água urbana. Paisagem e Ambiente: ensaios, São Paulo, v. 25, p. 127-142, 2008.

GEIPOT – Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes. Manual de Planejamento Cicloviário. Brasília, 2001.

GONDIM, Monica Fiuza. Ciclovias. Caderno de desenho, Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: <http://www.solucoesparacidades.com.br/wpcontent/uploads/2010/01/24%20%20BRASIL_Caderno%20de%20Desenho_Ciclovias.pdf>. Acesso em: 11 nov. 2016.

HERZOG, C. P. Infraestrutura verde: sustentabilidade e resiliência para a paisagem urbana. Revista Labverde nº 1, pp. 92 – 115, 2010.

­­_______________. Seção IV: Ambiente construído. Infra-estrutura verde para cidades mais sustentáveis. Secretaria do Ambiente. 2010.

MARUYAMA, C. M. Análise de eixos viários na perspectiva do uso da bicicleta: o caso de Chapecó – SC. 2013. 172 f. Dissertacão (Mestrado em engenharia urbana) – Universidade Estadual de Maringá, Santa Catarina, 2013.

MARUYAMA, C.M.; SIMÕES, F. A. Arborização urbana e transporte cicloviário: o caso de Chapecó, SC. Revista dos Transportes Públicos - ANTP, ano 36, 2º quadrimestre, 2014.

MASCARÓ, J. L. Loteamentos Urbanos. 2º ed. Porto Alegre: Masquatro Editora, 2005.

MINISTÉRIO DAS CIDADES. Coleção bicicleta Brasil: Programa Brasileiro de Mobilidade por Bicicleta. Ministério das Cidades: Brasília, 2007.

MOURA, N. C. B. Biorretenção tecnologia ambiental urbana para o manejo das águas da chuva. [s.l.] Tese (doutorado). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, 2013.

PORTLAND, city. Stormwater Management Manual. 502p. 2016. Disponível em <https://www.portlandoregon.gov/bes/64040>

SKANSI, M.M. et al. Warming and wetting signals emerging from analysis of changes in climate extreme indices over South America. Global and Planetary Change, v. 100, p. 295- 307, 2013.

SORTON, A.; WASH, T. Bicycle stress level as a tool to evaluate urban and suburban bicycle compatibility. Transportation Research Record, 1438, p. 17-24, 1994.

SUZUKI, Carlos Yukio; AZEVEDO, Angela Martins; KABBACH, Felipe Issa Kabbach Júnior. Drenagem subsuperficial de pavimentos. Conceitos e dimensionamento. Oficina de Textos. São Paulo, 2014. 1º edição.

TUCCI, C.E.M; ORSINI, L. F. Águas urbanas no Brasil: cenário atual e desenvolvimento sustentável. In: Brasil. Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental. Gestão do território e manejo integrado das águas urbanas. Brasília: Ministério das Cidades, 2005.

Publicado
2017-07-11
Como Citar
Maruyama, C., Leite, L., & Deus, L. (2017). CORREDOR DE INFRAESTRUTURA VERDE: ROTA CICLOVIÁRIA COMO CONEXÃO ENTRE PARQUE DO POVO – IBIRAPUERA. Revista LABVERDE, 8(1), 65-90. https://doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v8i1p65-90