PLANEJAMENTO DE ESPAÇOS VERDES PARA MINIMIZAÇÃO DO ESCOAMENTO SUPERFICIAL DAS ÁGUAS PLUVIAIS

  • Marcela Minatel Locatelli Universidade de São Paulo. Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”
  • Patrícia Mara Sanches Universidade de São Paulo. Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”
  • Jefferson Lordello Polizel Universidade de São Paulo. Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”
  • Demóstenes Ferreira da Silva Filho Universidade de São Paulo. Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”
Palavras-chave: Arborização urbana, Sensoriamento remoto, Planejamento Urbano, Índice de vegetação, Escoamento superficial

Resumo

Dentre os diversos serviços ambientais fornecidos pelas áreas verdes urbanas, podemos destacar o aumento da permeabilidade do solo e interceptação da água da chuva, principalmente pelas copas das árvores. Dessa forma, reduzem a quantidade e a velocidade do escoamento superficial da água da chuva, e, consequentemente os riscos de alagamentos e a sobrecarga nos sistemas de drenagem. Este trabalho teve por objetivo a identificação de áreas prioritárias para implantação de espaços verdes na cidade de São Paulo, visando a diminuição do escoamento superficial das águas pluviais e minimização das enchentes a jusante. As condicionantes que auxiliaram nesta priorização foram a quantidade de vegetação, expressa pelo mapa de TVI (Transformed Vegetation Index), e a topografia, processadas em ambiente SIG (Sistemas de Informações Geográficas). Os dados obtidos foram sintetizados em um mapa que aponta as áreas prioritárias para arborização urbana. Os resultados mostram duas grandes manchas formadas por áreas prioritárias para arborização urbana, concentradas nas regiões centro-norte e centro-sul da área de estudo. Essas manchas devem receber maior atenção quanto à implementação de espaços verdes, principalmente através da arborização viária. Esses espaços verdes poderão conectar grandes fragmentos de vegetação da cidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcela Minatel Locatelli, Universidade de São Paulo. Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”
Engenheira Florestal, Mestranda em Recursos Florestais na Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” da Universidade de São Paulo, Piracicaba, SP.

Patrícia Mara Sanches, Universidade de São Paulo. Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”
Arquiteta e Urbanista, Mestre em Arquitetura e Urbanismo, Doutoranda em Recursos Florestais na Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” da Universidade de São Paulo, Piracicaba, SP.

Jefferson Lordello Polizel, Universidade de São Paulo. Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”
Doutor em Geografia Física pela Universidade de São Paulo, Técnico em Informática do Laboratório de Métodos Quantitativos, ESALQ/USP.

Demóstenes Ferreira da Silva Filho, Universidade de São Paulo. Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”
Engenheiro Agrônomo, Professor Livre docente da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” da Universidade de São Paulo, Piracicaba, SP.

Referências

ALVES, P.L. Capacidade de interceptação pelas árvores e suas influências no escoamento superficial urbano. 2015. 100p.Tese (Doutorado). Universidade Federal de Goiás, Programa de Pós Graduação em Ciências Ambientais. 2015

BARGOS, D. C.; MATIAS, L. F. Mapeamento e análise de áreas verdes urbanas em Paulínia (SP): estudo com a aplicação de geotecnologias. Soc. & Nat., Uberlândia, ano 24 n. 1, 143-156, 2012.

Brasil. Presidência da República. Parcelamento do solo urbano. Lei 6.766/79. Brasília, DF: Série Documentos Sociais, 1980.

COSTA, J. A. Uso de imagens de alta resolução para definição de corredores verdes na cidade de São Paulo. 2010. 114p. Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais) - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo, Piracicaba. 2010.

DUARTE, D. H. S; SERRA, G. G. Padrões de ocupação do solo e microclimas urbanos na região de clima tropical continental brasileira: correlações e proposta de um indicador. Ambiente Construído, v. 3, n. 2, p. 7-20, 2003.

FORMAN, R.T.T., GORDON, M. Landscape Ecology. John Wiley & Sons, New York. 1986.

HIJIOKA, Akemi. et. Al. Espaços livres e espacialidades da esfera pública: Uma proposição conceitual para o estudo de sistemas de espaços livres urbanos no país. Paisagem Ambiente: ensaios. n. 23, São Paulo, 2007, p. 116 – 123.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=355030. Acesso em: 06. set. 2016.

JACOBI, P. Cidade e meio ambiente: percepções e práticas em São Paulo. 2a ed., Annablume, 2006, 206p.

JESUS, S. C., BRAGA, R. Análise espacial das áreas verdes urbanas da Estância de Águas de São Pedro – SP. Revista Caminhos de Geografia, v. 18, n. 16, p. 207-224, 2005. ISSN 1678-6343.

MAGALHÃES. Análise dos espaços verdes remanescentes na mancha urbana conurbada de Belo Horizonte - MG apoiada por métricas de paisagem. 2013. 163p. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. 2013.

OLIVEIRA, C. H. Planejamento ambiental na Cidade de São Carlos (SP) com ênfase nas áreas públicas e áreas verdes: diagnóstico e propostas. 1996. 181p. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos. 1996.

SANCHES, P.M. De áreas degradadas a espaços vegetados. São Paulo: Ed. Senac, 2014.

SILVA FILHO, D. F. Aplicação de videogeografia aérea multiespectral na avaliação de floresta urbana. 2004. 88p. Tese (Doutorado em Agronomia) - Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Jaboticabal. 2004.

SILVA, L.F.; LIMA, A.M.L.P; SILVA FILHO, D.F.; COUTO, H.T.Z. Capacidade de interceptação pelas árvores e suas influências no escoamento superficial urbano. REVSBAU, Piracicaba – SP, v.4, n.3, p.32 – 48, 2009.

TORRES, E. M. Metodologia para macroplanejamento de áreas verdes urbanas. 2003. 68p. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal), Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. 2003.

Publicado
2017-09-11
Como Citar
Locatelli, M., Sanches, P., Polizel, J., & Silva Filho, D. (2017). PLANEJAMENTO DE ESPAÇOS VERDES PARA MINIMIZAÇÃO DO ESCOAMENTO SUPERFICIAL DAS ÁGUAS PLUVIAIS. Revista LABVERDE, 8(2), 75-89. https://doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v8i2p75-89