MORFOLOGIA URBANA E CORREDORES DE VENTILAÇÃO COMO SUBSÍDIO À RESILIÊNCIA URBANA

  • Rafael Gonçalves Santos Universidade de Lisboa. Instituto de Geografia e Ordenamento do Território, Centro de Estudos Geográficos
  • Alessandra Rodrigues Prata-Shimomura Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo
  • Ezequiel Correia Universidade de Lisboa. Instituto de Geografia e Ordenamento do Território, Centro de Estudos Geográficos
  • Maria de Assunção Ribeiro Franco Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo
  • António Saraiva Lopes Universidade de Lisboa. Instituto de Geografia e Ordenamento do Território, Centro de Estudos Geográficos
Palavras-chave: Morfologia Urbana, Rugosidade, Porosidade, Fator H/W, Corredores de Ventilação

Resumo

Este artigo apresenta a análise de corredores de ventilação para um trecho da cidade de São Paulo. Este trecho é parte integrante do projeto de Infraestrutura Verde que contempla quatro parques da cidade de São Paulo: Parque Estadual da Cantareira, Parque Dr. Fernando Costa (Água Branca), Parque do Ibirapuera, e Parque Tenente Siqueira Campos (Trianon); formando um retângulo com configurações urbanas diferenciadas no eixo norte-sul. Este eixo percorre áreas da cidade ao longo de avenidas importantes, que interligam os quatro parques, a qual recebeu o nome de “Trilha Norte-Sul”. O objetivo, aqui, é a elaboração de cartografias de classificação morfológica utilizando variáveis que descrevem a morfologia urbana. É apresentado, também, um método simplificado de análise e mapeamento dos corredores de ventilação, cujos resultados poderão servir de insumo tanto para orientações climáticas ao planejamento urbano como para intervenções urbanísticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Gonçalves Santos, Universidade de Lisboa. Instituto de Geografia e Ordenamento do Território, Centro de Estudos Geográficos
Doutorando em Geografia e Investigador - Centro de Estudos Geográficos, CEG/Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa IGOT-ULisboa
Alessandra Rodrigues Prata-Shimomura, Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo
Arquiteta, Profa. Dra. em Tecnologia da Arquitetura pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo – SP.
Ezequiel Correia, Universidade de Lisboa. Instituto de Geografia e Ordenamento do Território, Centro de Estudos Geográficos

Professor e Investigador - Centro de Estudos Geográficos, CEG/Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa IGOT-ULisboa

Maria de Assunção Ribeiro Franco, Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo
Professora Titular do Depto. De Projeto pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo – SP
António Saraiva Lopes, Universidade de Lisboa. Instituto de Geografia e Ordenamento do Território, Centro de Estudos Geográficos
Professor e Investigador - Centro de Estudos Geográficos, CEG/Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa IGOT-ULisboa

Referências

ALCOFORADO, M. J.; ANDRADE, H., LOPES, A.; VASCONCELOS, J.; VIEIRA, R. Orientações climáticas para o ordenamento em Lisboa. Área de Investigação de Geo-Ecologia, Relatório n.º 4, Centro de Estudos Geográficos, Lisboa, 81 p, 2005.

ANDRADE, H. O clima urbano – natureza, escalas de análise e aplicabilidade. Finisterra – Revista Portuguesa de Geografia, Lisboa. XL (80): p. 67-91, 2005.

BENEDICT, Marc A.; MCMAHON, Edward T. Green Infrastructure: Linking Landscapes and Communities, Washington, Island Press, 2006.

CAVALHEIRO, F.; DEL PICCHIA, P. C. D. Áreas Verdes: conceitos, objetos e diretrizes para o planejamento. Vitória/ES, Anais I e II... Congresso Brasileiro Sobre Arborização Urbana. p. 29-35, 1992.

CORREIA, E.; LOPES, A.; MARQUES, D. An automatic GIS procedure to calculate urban densities to use in Urban Climatic Maps. In: 9th International Conference on Urban Climate 12th Symposium on the Urban Environment, Tolouse – France, 2015.

DAVENPORT, A. G.; GRIMMOND, C. S. B.; OKE, T. R.; WIERINGA, J. Estimating the roughness of cities and sheltered country. In: Proceedings of the 12th conference on applied climatology. Boston: American Meteorological Society. p. 96-9, 2000.

FARIA, J. R. G. Caracterização do vento na camada intra-urbana da cidade de Bauru-SP. Anais do XI Congresso Brasileiro de Meteorologia, Rio de Janeiro. SBMet. p. 3967–3976, 2000.

FARIÑA, T. J. La ciudad y el medio natural. Madrid: Akal, 1998.

FRANCO, M. A. R. Infraestrutura Verde em São Paulo: o caso do Corredor Verde Ibirapuera-Villa Lobos. Revista LabVerde, Departamento de Projeto – FAUUSP, n.1, 2010, http://dx.doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v0i1p135-154.

GÁL, T.; UNGER, J. Detection of ventilation paths using high-resolution roughness parameter mapping in a large urban area. Building and Environment. p.198-206, 2009.

GRIMMOND, C.; OKE, T. R. Heat storage in urban areas, local-scale observations and evaluation of a simple model. Applied Meteorology. v. 38, p. 922-940, 1999.

GROMKE, C. RUCK, B. Pollutant concentrations in street canyons of different aspect ratio with avenues of trees for various wind directions. Bound. Layer Meteorol. 144, p. 41-64, 2012.

LOMBARDO, M. A.; SILVA FILHO, D.; FRUEHAUF. A. L.; PAVAN, D. C. O Uso de Geotecnologias na Análise da Ilha de Calor, Índice de Vegetação e Uso da Terra. Revista Geonorte. v.1, p. 520-529, 2012.

LOPES, A. Modificações no Clima de Lisboa como consequência do crescimento urbano, vento, ilha de Calor de superfície e balanço energético. Dissertação de Doutoramento em Geografia Física. Lisboa. 375p, 2003.

LOPES, A. Sobreaquecimento das cidades. Causas e medidas para a mitigação da ilha de calor de Lisboa. Territorium. p.15: 39-52, 2009.

LOPES, A.; LOPES, S.; MATZARAKIS, A.; ALCOFORADO, M. J. The influence of the summer sea breeze on thermal comfort in Funchal (Madeira). A contribution to tourism and urban planning. Meteorologische Zeitschrift. p. 553-564, 2011.

MARTINS, T. A. de L.; BONHOMME, M.; ADOLPHE, L. Análise do impacto da morfologia urbana na demanda estimada de energia das edificações: um estudo de caso na cidade de Maceió, AL. Ambiente Construído, Porto Alegre. v. 13, n. 4, p. 213-233, 2013.

MATZARAKIS, A.; MAYER, H. Mapping of urban air paths for planning in Munchen. Wiss Ber Inst. Meteorol. Klimaforsch. Univ. Karlsruhe. p. 16, 13-22, 1992.

NG, W. Y.; CHAU, C. K. Evaluating the role of vegetation on the ventilation performance in isolated deep street canyons. Int. J. Environ. Pollut. p. 50, 98-110, 2012.

OKE, T. R. Boundary layer climates. Routledge, London. 1987.

OKE, T. R. The urban energy balance. Progress in Physical Geography. p. 471-508, 1988.

OKE, T. R. The heat island of the urban boundary layer: characteristics, causes and effects. Wind Climate in Cities. p. 81-107, 1995.

PARLOW, E. Net radiation of urban areas. Future trends in remote sensing. MCR Lab. Balkema Roterdã. p. 221-226, 1998.

PRATA SHIMOMURA, A. R.; FROTA, BARROS, A.; CELANI, G. Modelos Físicos na Análise de Ventilação Urbana: o uso de Túnel de Vento. Fórum Patrimônio : Ambiente Construído e Patrimônio Sustentável (UFMG. Online), v. 3, p. 2, 2009.

PRATA SHIMOMURA, A. R.; LOPES, A. S. ; CORREIA, E. . Urban Climatic Map Studies in Brazil: Campinas. In: Edward Ng; Chao Ren. (Org.). The Urban Climatic Map: A Methodology for Sustainable Urban Planning. New York, NY: Taylor & Francis Group. v.1, p. 1-528, 2015.

RATTI, C.; DI SABATINO, S.; BITTER, R. Urban texture analysis with image processing techniques: wind and dispersion. Theor. and Appl. Climatol. p. 84, 77-99, 2006.

SALAT, S. Les et les formes. Sur L’urbanisme durable. 1. ed. Paris: CSTB, v. 1, 2011.

SÃO PAULO (Município), Secretaria Municipal de Planejamento Urbano /Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente. Atlas. MDC - Mapa Digital da Cidade de São Paulo. Disponível em: <http://downloadfolhasscm.prefeitura.sp.gov.br>. Acesso em 10, dez. 2016.

SÃO PAULO (Município), Secretaria Municipal de Planejamento Urbano /Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente. Atlas Ambiental do Município de São Paulo. São Paulo, 2002.

SCHERER, D.; FEHRENBACH, K.; BEHA, H. D.; PARLOW, E. Improved concepts and methods in analysis and evaluation of the urban climate for optimizing urban planning processes. Atmospheric Environment, p. 33: 4185-4193, 1999.

TARIFA, J. R.; AZEVEDO, T.R. (Org.). Os climas na cidade de São Paulo: teoria e prática. São Paulo: Pró-Reitoria de Cultura e Extensão. Universidade de São Paulo: Laboratório de Climatologia. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 199p, 2001.

VOS, P. E.; MAIHEU, B.; VANKERKOM, J.; JANSSEN, S. Improving local air quality in cities: to tree or not to tree? Environ. Pollut. p. 183, 113-122, 2013.

WONG, M. S.; NICHOL, J. E.; TO, P.H.; WANG, J. A simple method for designation of urban ventilation corridors and its application to urban heat island analysis. Building and Environment. p. 45(8), 1880–1889, 2010. doi:10.1016/j.buildenv.2010.02.019.

Publicado
2017-09-11
Como Citar
Santos, R., Prata-Shimomura, A., Correia, E., Franco, M., & Lopes, A. (2017). MORFOLOGIA URBANA E CORREDORES DE VENTILAÇÃO COMO SUBSÍDIO À RESILIÊNCIA URBANA. Revista LABVERDE, 8(2), 12-37. https://doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v8i2p12-37

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 > >>