TIPOS DE VEGETAÇÃO PARA MEDIDAS COMPENSATÓRIAS DE CONTROLE PLUVIAL NA FONTE EM ZONAS SUBTROPICAIS

  • Bárbara Klóss Teixeira Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Escola Politécnica http://orcid.org/0000-0003-2838-8986
  • André de Souza Silva Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Escola Politécnica
Palavras-chave: Vegetação, Drenagem Urbana, Espécies, Infraestrutura Verde

Resumo

Este artigo apresenta algumas das espécies de plantas mais adequadas para três tipos de sistemas de drenagem urbana, são eles: canteiros pluviais, contenções vegetadas e biovaletas. A definição das espécies sugeridas para o plantio foi baseada nos seguintes fatores: espécies nativas, forma e floração das plantas, resistência e baixa manutenção. Para os jardins de chuva se destacam as espécies do biotipo macrófitas aquáticas anfíbias pois apresentam uma maior resistência a períodos de alagamentos e secas. As valetas ecológicas buscam a permeabilidade e purificação das águas visto que os recursos hídricos retornam para o meio ambiente. Já no âmbito das contenções busca-se a característica de resistência, buscando a estabilidade dos taludes, raízes abundantes cumprem essa função, remetendo as espécies trepadeiras, gramíneas e arbustos. Verifica-se assim, a importância das técnicas da infraestrutura verde que podem evitar inconvenientes futuros, relacionados à densidade urbana, e ainda contribuir com a composição de ambientes sustentáveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bárbara Klóss Teixeira, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Escola Politécnica

Arquiteta e Urbanista graduada pela UCS (2012) e Mestranda em Arquitetura e Urbanismo com ênfase em Cidades pela UNISINOS. Atua nas áreas de Urbanismo, Paisagismo e Arquitetura.

André de Souza Silva, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Escola Politécnica

Arquiteto e Urbanista (UNISINOS), Mestre e Doutor em Planejamento Urbano e Regional (UFRGS) e docente nos Cursos de Graduação e Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo  – Escola Politécnica – UNISINOS. Líder do Grupo de Pesquisa Cidades Preditivas – sistema de informações de desempenho urbano, atua na área da modelagem, mensuração e simulação da configuração espacial urbana. 

CV: http://lattes.cnpq.br/5188382125743201

Referências

ALMEIDA, G. W. Aspectos Ecológicos da comunidade de macrófitas aquáticas na represa do funil, MG – Perspectiva para o manejo. Tese apresentada à Universidade Federal de Lavras no curso de pós-graduação em ecologia aplicada para o título de doutor. Lavras. 2012.

ALMEIDA, R. A.; OLIVEIRA, L. F. C.; KLIEMANN, H. J. Eficiência de espécies vegetais na purificação de esgoto sanitário. Goiânia-GO, Brasil. Pesq Agropec Trop 37(1): 1-9, mar. 2007. Disponível em: <https://cvcarlosjorgeferreira.files.wordpress.com/2012/04/trab-final-geoambiente1.pdf >. Acesso em 31 de jan de 2017.

BARGOS, D. C; MATIAS, L. F. Áreas verdes urbanas: um estudo de revisão e proposta conceitual Piracicaba, SP. Soc. Bras. de Arborização Urbana REVSBAU, v.6, n.3, p.172-188, 2011.

BERTONI, J; NETO, F. L. Conservação do solo. São Paulo: Ícone. 1990. 355 p.

BONZI, R. S. Andar sobre a água: a aplicação da Infraestrutura Verde em áreas densamente urbanizadas. Dissertação apresentada à Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo para obtenção do título de Mestre em Arquitetura e Urbanismo. São Paulo. 2015.

BUCKUP, G. B. Biodiversidade dos campos de Cima da Serra. Porto Alegre: Libretos, 2008. 196 p.

CORMIER, N. S.; PELLEGRINO, P. R. M. Infraestrutura verde: uma estratégia paisagística para a água urbana. Paisagem Ambiente: ensaios. n. 25. São Paulo. p.125 – 142. 2008. Disponível em:

DIAS, P. F; FILHO, S. T. C; ARONOVICH, S; SOUTO, S. M; SCHIMIDT, L. T. Avaliação de vinte oito cultivares de alfafa em Paty do Alferes, Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Agronomia. v:36. n° ½. 29-36 p. 2002.

ELY, V. H. M. B.; CASTRO, J.; GOULART, V. D.; ZOCCOLI, A.; KOELZER, M. P.; JUNIOR, O. A. W. Desenho Universal aplicado ao Paisagismo. Florianópolis. Universidade Federal de Santa Catarina. 210. 110 p.

ESTEVES, F. A.; CAMARGO, A. F. M. Sobre o papel das macrófitas aquáticas na estocagem e ciclagem de nutrientes. Acta Limnologica Brasileira. São Carlos. v.1. p 273-298.1986.

FUNDAÇÃO ZOOBOTÂNICA DO RIO GRANDE DO SUL. Guia do Jardim Botânico de Porto Alegre. 2. ed. Porto Alegre. 2008. 100p.

GALINDO, I. C. L.; RIBEIRO, M; SANTOS M. F. A. V.; LIMA, J. F. W. F.; FERREIRA, R. F. A. L. Relações solo-vegetação em áreas sob processo de desertificação no município de Jataúba/PE. R. Bras. Ci. Solo, 32:1283-1296, 2008.

GIACOMELI, D. C. Caracterização da arborização viária e sua influência no microclima urbano na escala do pedestre. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana da Universidade Federal de São Carlos, como parte dos requisitos para a obtenção do título de Mestre em Engenharia Urbana. São Carlos. 2013. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/paam/article/download/105962/111750>. Acesso em: 08 de dez de 2016.

JACOBS, J. Morte e vida de grandes cidades. Tradução Carlos S. Mendes Rosa. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil, vol. 1, 3. ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 1992. 351p.

LORENZI, H.; SOUZA, H. M. Plantas ornamentais do Brasil. Arbustivas, herbáceas e trepadeiras. 3.ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2001. 1088p

MAGALHÃES, A. F. Avaliação do desempenho de técnicas de bioengenharia na proteção e conservação da cobertura final de taludes em aterros de disposição de resíduos sólidos urbanos: estudo de caso para o aterro sanitário de belo horizonte, MG. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Universidade Federal de Minas Gerais, como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Belo Horizonte. 2005.

MAGALHÃES, L. M.; CRISPIM, A. A. Vale a pena plantar e manter árvores e florestas na cidade ciência? Ciência Hoje. v. 33. 2003.

MARCHI, M.; BARBIERI, R. L. Cores e formas no bioma pampa: gramíneas ornamentais nativas. Editoras técnicas – Brasília, DF: Embrapa, 2015

MASCARÓ, J. L. Loteamentos Urbanos. Masquatro Editora. Porto Alegre. 2010. 210p.

MASCARÓ, J. L.; MASCARÓ, L. Vegetação Urbana. UFRGS. Porto Alegre. 2010. 242p.

MCHARG, I. L. Proyectar com la naturaleza. México. Gustavo Gili S.A. 2000.

MEDEIROS. C. F. Paisagem e Drenagem Urbana: estratégias de infraestrutura verde para a revitalização do centro histórico tombado de Laguna/SC. Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Santa Catarina, como um dos requisitos para obtenção do título de Mestre em Arquitetura e Urbanismo. Florianópolis. 2015.

MELLO FILHO, L. E. Arborização urbana. Encontro Nacional sobre Arborização Urbana, I, 1985. Porto Alegre. Anais... Porto Alegre, 1985. p. 45-49.

MYERS, N.; MITTERMEIER, R. A.; MITTERMEIER, C. G.; FONSECA, G. A. B. E KENT, J. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature 403: 853-858. 2000.

PELLEGRINO, P. R. M. Pode-se planejar a paisagem? Paisagem e Ambiente: ensaios São Paulo: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, n°13, dez de 2000. P. 159-180.

POTT V. J.; POTT A. Potencial de uso de plantas aquáticas na despoluição da água. Campo Grande. Embrapa. 2002. 25 p.

RIZZINI, C. T.; MORS, W. B. Botânica econômica brasileira. Rio de Janeiro: Ambito Cultural Edições, 1995. 248p.

ROMERO, M. A. B. Princípios Bioclimáticos para o desenho Urbano. UNB. 2001. 128p.

SEOANE, C. E. S. Conservação da diversidade Florestal. Anais VIII Semana de Estudos Florestais. Irati, PR. 2006.pg 110. 23 a 27 de outubro de 2006.

SOBRAL, M.; JARENKOW, J. A.; BRACK, P., IRGANG, B.; LAROCCA, J; RODRIGUES, R. S. Flora arbórea e arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. São Carlos. Editora Rima. 2006. 350 p.

SOUSA, A. S.; GOULART, S. V; ARAÚJO, V. M. D. Vegetação como atenuador do clima local: critérios para a escolha de espécies vegetais para instituição de ensino em um clima quente-úmido. XV ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO. Nov. 2014. Maceió.

STUMPF, E. R. T.; BARBIERI, R. L. Cores e formas no Bioma Pampa: plantas ornamentais nativas. Pelotas. Embrapa Clima Temperado. 2009. 276p.

STUMPF, E. R. T.; SILVA P; ROMAGNOLI, I. D.; FISCHER, S. Z.; MARIOT, M. P. Espécies nativas que podem substituir as exóticas no paisagismo. Ornamental Horticulture. V. 21, N.2, 2015, p. 165-17.

THOMAZ, S. M. e BINI, L. M. Ecologia e manejo de macrófitas aquáticas em reservatórios. Acta Limnologia Brasiliensia. Maringá: EDUEM. v. 10. 103-116 p. 1998. Disponível em: <http://www.ablimno.org.br/acta/pdf/acta_limnologica_contents1001E_files/Artigo%209_10(1).pdf>. Acesso em: 08 de dez de 2016.

VARGAS, H. C.; PELLEGRINO, P. R. M. Estratégias para uma infraestrutura verde. Manole. 2017. 317p.

VASCONCELLOS, A. A. Infraestrutura verde: Aplicada ao planejamento da ocupação urbana. Appris. 2015. 229 p.

Publicado
2019-05-07
Como Citar
Teixeira, B. K., & Silva, A. de S. (2019). TIPOS DE VEGETAÇÃO PARA MEDIDAS COMPENSATÓRIAS DE CONTROLE PLUVIAL NA FONTE EM ZONAS SUBTROPICAIS. Revista LABVERDE, 9(2), 103-127. https://doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v9i2p103-127