CÓRREGO PIRAJUSSARA: RESPIRAR PARA REVIVER

Palavras-chave: Destamponamento, Naturalização, Corredor Verde, Pirajussara, Cidade Sustentável

Resumo

O presente artigo trata da infraestrutura verde como uma ferramenta para aperfeiçoar a relação entre cidade e natureza e minimizar os efeitos da urbanização, motivando a resiliência dos ecossistemas urbanos. Este trabalho analisa a proposta de destamponamento dos córregos urbanos como contribuição aos projetos de corredores verdes, voltados a proporcionar maior sustentabilidade urbana. Mais especificamente foi estudado o caso do córrego Pirajussara, pertencente a bacia do rio Pinheiros, na cidade de São Paulo, tamponado na maior parte de sua extensão. A proposta de destamponamento, a exemplo de realizações em outros países, atinge a várzea do rio Pinheiros, junto ao corredor verde Ibirapuera-Villa Lobos, partindo da Cidade Universitária (CUASO), um dos núcleos do corredor Ibirapuera-Villa Lobos, aumentando a colaboração dos recursos hídricos no projeto de corredor verde. O trabalho foi parte da disciplina Desenho Ambiental, do programa de pós-graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. A incorporação do córrego destamponado ao corredor amplia a utilização do espaço verde pela população dos bairros do entorno e cria mais um espaço de resiliência urbana.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marli Aparecida Perim, Universidade de Taubaté

Arquiteta e Urbanista e Mestre em Ciências Ambientais pela Univesidade de Taubaté.

   

Referências

ÁGUAS CLARAS DO RIO PINHEIROS, Rio Pinheiros e seu território: conhecer para transformar. 1ª EDIÇÃO, SÃO PAULO, 2017.

BROCANELI, P. F.; STUENER, M. M. Renaturalização de rios e córregos no município de São Paulo. Exacta, v. 6, n. 1, São Paulo, p. 147-156, 2008.

FRANCO, M. A. R., Infraestrutura Verde em São Paulo: o caso do Corredor Verde Ibirapuera-Villa Lobos. Revista LABVERDE, São Paulo, v. 1, p. 135-154, set. 2010.

FRANCO, M. A. R. Desenho ambiental. Uma introdução à arquitetura da paisa­gem com o paradigma ecológico. São Paulo, Annablume, FAPESP, 2003.

FRANCO, M.A.R., Infraestrutura Verde para a Resiliên­cia Urbana às Mudanças Climáticas da cidade de São Paulo. Revista LABVERDE, São Paulo, v. 1, p. 92-115, set. 201.

GORSKI, M. C. B., Rios e cidades: ruptura e reconciliação. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2008.

GONÇALVES, F. M., Ibirapuera-Villa Lobos. Operação urbana consorciada Vila Sônia e a possibilidade de diálogo. Estudos Avançados 25 (71), 2011.

HERZOG, C. P. Cidades Para Todos: (re)aprendendo a conviver com a natureza. Rio de Janeiro: Inverde, 2013.

OSTROWSKY, M. S. B. Sistemática integrada para controle de inundações em sub-bacias hidrográficas urbanas, estudo de caso: a Bacia do Córrego Pirajussara sob o enfoque da integração de obras com ações de educação e percepção ambiental. Tese (Doutorado). FAU - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. São Paulo; 2000.

SÃO PAULO (Município) Plano Diretor Estratégico do Município de São Paulo: 2002- 2012. São Paulo, SENAC, Prefeitura Municipal, 2004.

SILVA, J. C. de A, da. Bacias Hidrográficas Urbanizadas. Renaturalização, Revitalização e Recuperação: estudo de caso da Bacia do Jaguaré. Tese de Doutorado, USP, 2007.

TRAVASSOS, L. R. F. C. Revelando rios. Novos paradigmas para a intervenção em fundos de vale na cidade de São Paulo. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental, Universidade de São Paulo, 243 p, 2010.

Publicado
2019-05-07
Como Citar
Perim, M. A. (2019). CÓRREGO PIRAJUSSARA: RESPIRAR PARA REVIVER. Revista LABVERDE, 9(2), 62-79. https://doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v9i2p62-79