PINHEIROS: AS RESILIÊNCIAS DE UM SÍTIO URBANO

Palavras-chave: Bairro de Pinheiros, Largo da Batata, Resiliência social, Resiliência urbana, Topofilia

Resumo

O presente artigo tem como objetivo verificar se a área envoltória do que conhecemos hoje como Largo da Batata, no bairro de Pinheiros, é um ponto de resiliência social e urbana dentro da cidade de São Paulo. As análises das diversas ocupações do sítio urbano de Pinheiros, tradicional bairro paulistano, desde a sua ocupação oficial, em 1560, pelos padres jesuítas, pertencentes à Companhia de Jesus, até as ocupações informais de coletivos urbanos que dela se apropriaram a partir de 2014, são imprescindíveis para tal propósito. Através deles, traçam-se paralelos entre as políticas públicas e conectividades urbanas e movimentos sociais delas decorrentes. Da mesma forma, a abordagem de conceitos como topofilia, locus e genius loci são essenciais para a compreensão dos fenômenos de resiliência, apontados no decorrer desta explanação, ocasionados pelas diversas formas de apropriação deste sítio, considerado um dos mais antigos da cidade de São Paulo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Noemi Yolan Nagy Fritsch, Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

Arquiteta e urbanista pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAUUSP), especialista em Plantas Ornamentais pela Universidade Federal de Lavras (UFLA). Professora das disciplinas de paisagismo na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo do Ceunsp e Max Planck.

Referências

AMARAL, Antônio B. O bairro de Pinheiros. São Paulo: Secretaria de Educação e Cultura, 1985.

BUENO, Beatriz P. S. Dilatação dos confins: caminhos, vilas e cidades na formação da Capitania de São Paulo (1532-1822). São Paulo : Anais do Museu Paulista. v. 17. n.2. jul.-dez. 2009. Disponível em:<http://www.revistas.usp.br/anaismp/article/view/5522> Acesso em: 03 jun. 2018.

CARDINALE, Ino. Genius loci e Locus genii: storie ed espressioni di uno spazio, senza tempo: identità di un territorio: da ’U curtigghiu ’nt’a ’u Curtigghiu a Sagra del Signore della nave / Ino Cardinale.– Castellammare del Golfo: GAL, 2016. Disponível em: < htt´://www.cinisionline.it › Appuntamenti/> Acesso em 02 jun. 2018.

CARDOSO, Victor J. M. Santo André, a vila perdida na borda do campo. Instituto de Biociências, Rio Claro: UNESP, 2016. Disponível em: < http://ib.rc.unesp.br/Home/Departamentos47/Botanica/victorjose/santo-andre-a-vila-perdida.pdf/> Acesso em: 03 jun. 2018.

DICK, Maria V. P. A. A dinâmica dos nomes na cidade de São Paulo (1554-1897). São Paulo: Annablume, 1997.

FARIAS, José A. Resiliência: um bom conceito para o projeto e a reforma urbana? Artigo apresentado na XVII ENANPUR .São Paulo, 2017. Disponível em: < http://anpur.org.br/xviienanpur/principal/publicacoes/XVII.ENANPUR_Anais/ST_Sessoes_Tematicas/ST%2010/ST%2010.6/ST%2010.6-05.pdf/>. Acesso em: 31/05/2018.

FIGUEIREDO, Fernanda. Uma aldeia indígena urbana: um movimento de resistência visto sob a ótica de diferentes atores sociais. Dissertação de mestrado apresentada ao Departamento de Geografia – PUC-Rio. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: <https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/21127/21127_1.PDF/> Acesso em 31 maio 2018.

KATINSKY, Júlio R. Casas Bandeiristas: nascimento e reconhecimento da arte em São Paulo. São Paulo: IGEOG –USP, 1976.

KIMURA, Maria L. Y. Largo de Pinheiros. Trabalho de graduação interdisciplinar FAUUSP: São Paulo, 1975.

LIMA, Sheila C. S. Rebeldia no Planalto: a expulsão dos padres jesuítas da Vila de São Paulo de Piratininga no contexto da restauração (1627-1655). Dissertação de mestrado apresentado à Universidade Federal Fluminense, Departamento de História. Rio de Janeiro, 2006.MARX, Murilo. Cidade brasileira. São Paulo: Melhoramentos: EDUSP, 1980.

NAVARRETE, Gonzalo. São Paulo, da colônia ao caos. São Paulo, Folha Online, 29 out. 2002. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/sinapse/ult1063u183.shtml/> Acesso em 03 jun. 2018.

REALE, Abe. Brás, Pinheiros, Jardins: três bairros, três mundos. São Paulo: Pioneira/Edusp 1982.

REIS-ALVES, Luiz A. dos. O conceito de lugar. Arquitextos, São Paulo, ano 08, n. 087.10, Vitruvius, ago. 2007 Disponível em :<http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/08.087/225/> Acesso em 02 jun. 2018.

ROCHA FILHO, Gustavo. A pré-história de São Paulo: a descoberta do passado. 2017. Disponível em: <http://historiadesaopaulo.com.br/a-pre-historia-de-sao-paulo-a-descoberta-do-passado/>. Acesso em: 10 jun. 2018.

ROLNIK, Raquel. São Paulo. São Paulo: Publifolha, 2003 – (Folha explica).

ROSSI, Aldo. A arquitetura da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria do Meio Ambiente. O Rio Pinheiros / Secretaria do Meio Ambiente. São Paulo: SMA, 2002.

SILVA, Janice T. São Paulo: 1554-1880: discurso ideológico e organização espacial. São Paulo: Editora Moderna, 1984.

TOLEDO, Benedito L. A primeira ligação de São Paulo de Piratininga com o litoral. São Paulo: Estadão, 16 jul. 2016. Disponível em : <http://sao-paulo.estadao.com.br/blogs/edison-veiga/a-1a-ligacao-de-sao-paulo-de-piratininga-com-o-litoral/> Acesso em: 03 jun. 2018.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Departamento de Geografia. Pinheiros: aspectos geográficos de um bairro paulistano. São Paulo: Edusp, 1963.

ZANETTI, Valdir Z. A produção da forma urbana: Pinheiros, São Paulo (1890-1980). Dissertação de mestrado apresentado à FAUUSP: São Paulo, 1988.

Publicado
2019-05-07
Como Citar
Fritsch, N. Y. N. (2019). PINHEIROS: AS RESILIÊNCIAS DE UM SÍTIO URBANO. Revista LABVERDE, 9(2), 11-33. https://doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v9i2p11-33