EQUIPAMENTOS URBANOS E RESILIÊNCIA NO BAIXO PINHEIROS

  • Juliana Monticelli Universidade de Sorocaba
Palavras-chave: Resiliência Urbana, Sustentabilidade, Operação Urbana Faria Lima, Equipamentos comunitários, Baixo Pinheiros

Resumo

Resiliência urbana é um conceito que se refere à capacidade de regeneração de uma determinada região frente a eventos externos. Atualmente, nas cidades brasileiras, como ocorre na cidade de São Paulo, as Operações Urbanas Consorciadas são as formas de realizar intervenções urbanísticas. Estas operações são projetos complexos que abrangem grandes áreas da cidade, transformando significativamente a paisagem e a dinâmica de quem habita o local. Este artigo tem como objetivo analisar os recentes projetos de intervenção urbana na região de Pinheiros, com enfoque nos equipamentos comunitários que surgiram após a implantação da Operação Urbana Faria Lima. O recorte do artigo será na região hoje chamada Baixo Pinheiros, trecho que vem sendo enxergado atualmente como um polo de renovação, vitalidade e resiliência em São Paulo. Entender como se dá esta dinâmica entre mudança e regeneração de uma dada região é importante para pensarmos como a partir de intervenções urbanas mais amplas, dando enfoque aos espaços públicos, aliadas a inciativas locais e parcerias público/privado é possível tornar nossas cidades mais sustentáveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Monticelli, Universidade de Sorocaba

Arquiteta Paisagista, Mestre em Comunicação e Cultura, professora de Paisagismo na Universidade de Sorocaba

Referências

ALEX, Sun. Projeto da praça: convívio e exclusão no espaço público. 2. ed. São Paulo: SENAC, 2011.

BONZI, Ramón Stock. Do abandono a um novo valor no projeto e na apropriação da paisagem. Labverde, São Paulo, n 7, p. 194-2017, dez 2013.

BRÍGIDO, N. M; HIRAO, H. A praça Victor Civita e o Desenvolvimento Sustentável: uma avaliação do uso, apropriação e imaginário. Disponível em: http://revista.fct. unesp.br/index.php/topos/article/view/2281/2086.

CARLOS, Ana Fani A. Espaço-tempo na metrópole: a fragmentação da vida cotidiana. São Paulo: Contexto, 2001.

DEL RIO, Vicente. Desenho urbano contemporâneo no Brasil. Rio de Janeiro. LTC 2013

FRANCO, Maria de Assunção Ribeiro. Desenho Ambiental, uma introdução a arquitetura da paisagem com o paradigma ecológico. Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo, São Paulo, 1997.

________. Planejamento ambiental para a cidade sustentável. Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, São Paulo, 2000.

________. Infraestrutura verde em São Paulo: o caso do Corredor Verde Ibirapuera-Villa Lobos. Labverde, São Paulo, n. 1, p.134-154, out. 2010.

GEHL, Jan; GEMZØE, Lars. Novos espaços públicos urbanos. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 2002.

GEHL, Jan. Cidades para pessoas. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 2015

JACOBS, Jane. Morte e vida de grandes cidades. São Paulo: Martins Fontes, 2001

LOTUFO, José Otávio. Projeto Sustentável: resiliência Urbana para o Bairro de Pompéia. Tese de Doutorado, 2016.

LYNCH, Kevin. A imagem da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

Mascarenhas, Luisa Prado. Reconversão Urbana do largo da Batata: Revalorização e novos conteúdos da Centralidade de Pinheiros. Dissertação de mestrado, 2014

NEWMAN, Peter; BEATLEY,Timothy; BOYER, Heather. Resilient Cities: Responding to Peak Oil and Climate Change. Washington, DC, Island Press,2009.

SPIRN, Anne W. O Jardim de Granito. São Paulo: Edusp, 1995.

TARDIN, Raquel. Espaços livres: sistema e projeto territorial. Rio de Janeiro: 7 letras, 2008.

Sites

http://www.cardimpaisagismo.com.br/portfolio/largo-das-araucarias/#lightbox-gallery-bGlnaHRib3g=/49/

http://largodabatata.com.br/a-batata-precisa-de-voce/

https://www.arcoweb.com.br/finestra/arquitetura/miguel-juliano-sesc-pinheiros-10-03-2005

http://www1.folha.uol.com.br/saopaulo/2017/03/1865324-chegada-de-mais-bares-e-restaurantes-renova-o-baixo-pinheiros.shtml

Publicado
2019-05-07
Como Citar
Monticelli, J. (2019). EQUIPAMENTOS URBANOS E RESILIÊNCIA NO BAIXO PINHEIROS. Revista LABVERDE, 9(2), 81-101. https://doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v9i2p81-101