Sixxen e música eletroacústica: o diálogo entre instrumento microtonal e aparatos eletroeletrônicos no repertório pós-Pléiades

  • Ronan Gil de Morais Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás (IFG)
  • Lucas Davi de Araújo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás (IFG)
Palavras-chave: Sixxen, Música eletroacústica, Percussão, Música eletroacústica mista

Resumo

O presente trabalho apresenta um estudo sobre a utilização e desenvolvimento do Sixxen, instrumento de percussão concebido por Iannis Xenakis em 1978 e estreado em 1979, em interação com música eletroacústica e aparatos eletroeletrônicos. Para isso, procurou-se observar, por meio de ampla pesquisa bibliográfica e documental (gravações, partituras, entre outros), de que maneira(s) o Sixxen foi utilizado em associação com esses aparatos, ilustrando o caminho do desenvolvimento de seu repertório e catalogando as obras específicas. O presente trabalho vem assim possibilitar a reflexão sobre o que já foi realizado na interação com este instrumento (instrumento este relativamente recente no rol de criações da luteria moderna) e mostrar as possibilidades composicionais ainda possíveis de aplicação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ronan Gil de Morais, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás (IFG)

É professor de percussão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás (IFG). Possui graduação em Percussão pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP-2009), onde atuou junto ao Grupo Piap por quatro anos e obteve o Prêmio de Excelência em Pesquisa por seu trabalho de conclusão de curso ("Repertório brasileiro para vibrafone solo"). É mestre em Composition et Interprétation Musicale pela Universidade de Strasbourg (2011), onde apresentou dissertação sobre o repertório para percussão e música eletroacústica mista sob orientação de Emmanuel Séjourné e Alessandro Arbo. Cursou a Especialização em teclados de percussão no Conservatoire de Strasbourg (França) sob orientação de M. Séjourné (com menção honrosa 'Très bien'). Atuou como professor (chargé de cours/percussioniste accompagnateur) no Conservatoire de Strasbourg e professor de percussão na Ecole de Musique de Souffelweyersheim. Com o Grupo Piap apresentou-se em todo o Brasil, nos EUA e Canadá (durante a Turnê Norte-Americana 2010) e participou de concertos com o Duo Katia e Marielle Labèque. Integrou as mais diversas formações de câmara: Accroche Note, Ensemble Vertebrae, Texture Ensemble da Milano, Babel Trio, DUALpha, DuAnphibios com concertos na França, Itália, Luxemburgo e Espanha. Estreou obras de Flo Menezes, Stefano Gervasoni, David Hernandez Ramos, Fernando Iazzetta, Jacopo Costa, Patricia Goberna, Marisa Rezende, José Manoel Gatica, Nicolas Tzortis, Franck Christoph Yeznikian, Vito Žuraj, André Bandeira, dentre outros. Lhe foram dedicadas obras de Roberto Victorio e Ivan Chiarelli. Gravou CDs com o Ensemble Accroche Note, Grupo Piap, GPC e Euterpe, bem como o cd e dvd da II Bienal de música contemporânea de Mato Grosso. Compôs obras para percussão e eletrônica. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em percussão, atuando principalmente nos seguintes temas: percussão, música contemporânea, história da percussão, música eletroacústica mista e percussão, música de câmara.

Publicado
2018-09-05
Como Citar
Morais, R. G., & Araújo, L. D. (2018). Sixxen e música eletroacústica: o diálogo entre instrumento microtonal e aparatos eletroeletrônicos no repertório pós-Pléiades. Revista Música, 18(2), 8-29. https://doi.org/10.11606/rm.v18i2.147530
Seção
Artigos