Heitor Villa-Lobos e a “Embaixada Artística Brasileira” na Argentina (1940)

Palavras-chave: Villa-Lobos, Argentina, Diplomacia, Estado Novo

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar a presença da “Embaixada Artística Brasileira” liderada por Heitor Villa-Lobos em Buenos Aires nos anos de 1940. Pretende-se demonstrar os diversos significados históricos atribuídos ao evento por meio da análise historiográfica dos periódicos produzidos no Brasil e na Argentina em relação à diplomacia cultural do Estado Novo (1937-1940). O texto tem como objetivo redimensionar o papel do compositor e de sua música para a política externa brasileira, valorizando o diálogo entre as fontes periódicas e aquelas referentes à produção musical de Villa-Lobos apresentada nos concertos na capital Argentina. A análise crítica das fontes fez emergir sobre a música de Villa-Lobos um conjunto de significados históricos que externaliza o papel de suas narrativas musicais para a política do Estado Novo no contexto da Segunda Guerra Mundial e do Pan-americanismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Loque Arcanjo, Universidade do Estado de Minas Gerais-UEMG

Doutor e mestre em História Social da Cultura e especialista em História da Cultura e da Arte pela UFMG. Pós-doutorado em andamento na Escola de Música do Depto de Música da UFMG na linha de pesquisa Música e Cultura. Pesquisador vinculado ao Grupo de Pesquisa PAMVILLA - Perspectivas Analíticas para a Música de Villa-Lobos da ECA/USP, ao Grupo de Pesquisa Portugal e Brasil na Época Moderna: política, sociedade, economia e cultura da FAFICH/UFMG, e ao Grupo de Pesquisa Educomuni - Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Educação e Comunicação do IED/ UNiBH Professor do Departamento de Teoria Musical na Universidade do Estado de Minas Gerais onde desenvolve pesquisa nas áreas de Música e História no Centro de Pesquisa da Escola de Música, leciona as disciplinas de Antropologia Cultural, Estética, Filosofia e Educação e História da música Brasileira.Coordena o Projeto intitulado Música, musicologia e História: diálogos sobre a música brasileira na correspondência de Francisco Curt Lange (1930-1945)-FAPEMIG., coordena, também, o Projeto intitulado A Música Colonial Mineira na Musicologia e na correspondência de Francisco Curt Lange (1944-1946)- PaPq. Professor no curso de História e de Pedagogia do Centro Universitário de Belo Horizonte (UNIBH) onde é coordenador do Laboratório Multidipliplinar do IED-Instituto de Educação, leciona as disciplinas de Introdução aos Estudos Históricos, Teoria da História, e Historiografia e Fundamentos Filosóficos e Sociológicos da Educação. Coordenador do projeto de pesquisa intitulado Olhares Sobre o Bairro Lagoinha:educação patrimonial, imagens, cotidiano e memórias-Fapemig. Linhas de Pesquisa: Educação, mídias e a cidade,:Bachianas Brasileiras: análise e contexto, História social da música brasileira, Historiografia da Música Brasileira Principais áreas de atuação: Educação, Historiografia e Teoria da História, Historia e Música, História da Arte e Educação e Patrimônio

Referências

ANDERSON, Benedict. Comunidades Imaginadas: Reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

ARCANJO, Loque. O ritmo da mistura e o compasso da História: o modernismo musical nas Bachianas Brasileiras de Heitor Villa-Lobos. Rio de Janeiro: E-papers, 2008.

ARCANJO, Loque. Francisco Curt Lange e modernismo musical no Brasil: Política e Redes Sociais entre os anos 1930 e 1940. e-hum - Revista Científica do Departamento de Ciências Humanas, Letras e Artes do UNI-BH, v. 3, p. 66-81, 2010a.

ARCANJO, Loque. As representações da nacionalidade nas Bachianas Brasileiras de Heitor Villa-Lobos. Revista Escritas (Goiânia), v. 2, p. 77-101, 2010b.

ARCANJO, Loque. Francisco Curt Lange e Mário de Andrade entre o Americanismo e o Nacionalismo musicais (1932-1944). Temporalidades. Belo Horizonte. v. 3, p. 35-57, 2011a.

ARCANJO, Loque. (Re)dimensionando as fronteiras do nacional: identidades musicais de Heitor Villa-Lobos entre o Americanismo e o Pan-americanismo. Relações Internacionais no Mundo Atual, Curitiba, v. 11, p. 115-141, 2011b.

ARCANJO, Loque. História da Música: Reflexões teórico-metodológicas. Modus: revista da Escola de Música da UEMG, v. 7, p. 3-13, 2012.

ARCANJO, Loque. Os sons de uma nação imaginada: as identidades musicais de Heitor Villa-Lobos. Belo Horizonte: Letramento, 2016.

ARCANJO, Loque. Um músico brasileiro em Nova York: o Pan-Americanismo na obra de Heitor Villa-Lobos (1939-1945). Rio de Janeiro: Estudos Políticos, v. 6, p. 467-486, 2016a.

ARCANJO, Loque. A correspondência entre Heitor Villa-Lobos e Francisco Curt Lange: nacionalismo e americanismo musicais entre os anos 1930 e 1940. In: III Simpósio Villa-Lobos, 2017, São Paulo. Anais do III Simpósio Villa-Lobos. São Paulo: ECA-USP, p. 120-134, 2017.

ARCANJO, Loque. Resenha do livro Villa-Lobos, um Compêndio: Novos Desafios Interpretativos. Revista Música (Online). São Paulo: ECA/USP, v. 18, p. 226-238, 2018.

ARCANJO, Loque. O dossiê Villa-Lobos e o Choros n. 10: modernismo, “plágio” e opinião pública em tempos de crise política no Brasil (1952-54). In: IV Simpósio Villa-Lobos, 2018, São Paulo. Anais do IV Simpósio Villa-Lobos. São Paulo: ECA/USP, p. 217-235, 2018.

ARCANJO, Loque. Heitor Villa-Lobos e o americanismo musical de Francisco Curt Lange. In: III Simpósio Nacional Villa-Lobos: análise musical, história e conexões 55º Festival Villa-Lobos, 2018, Rio de Janeiro. UFRJ: Anais do III Simpósio Nacional Villa-Lobos: análise musical, história e conexões 55º Festival Villa-Lobos. Rio de Janeiro: UFRJ, p. 60-72, 2017.

BAGGIO, Kátia G. A “outra” América: a América Latina na visão dos intelectuais brasileiros das primeiras décadas republicanas. Tese de doutorado em História. São Paulo: Departamento de História, FFLCH, Universidade de São Paulo, 1998.

BELCHIOR, Pedro, “Cuícas e pandeiros para Stokowski ouvir!”: o disco Native Brazilian Music e a Política da Boa Vizinhança. Revista de História, v. 1, 2020.

BELCHIOR, Pedro. O Maestro do Mundo: Heitor Villa-Lobos (1997-1959) e a Diplomacia Cultural Brasileira. Tese de Doutorado em História. Niterói: Programa de Pós-graduação em História. Universidade Federal Fluminense, 2019.

BELCHIOR, Pedro. Carmen Miranda e Heitor Villa-Lobos: a imprensa hegemônica e a defesa da difusão da música brasileira no exterior no Estado Novo. Guarulhos/SP: Anais ANPUH, 2018.

CHARTIER, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1990.

CAPELATO, Maria H. Propaganda política e controle dos meios de comunicação. Dulce Pandolfi (org.). Repensando o Estado Novo. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, p. 167-179, 1999.

CAPELATO, Maria H.; PRADO, Maria L. C. (org.). Intercâmbios políticos e mediações culturais nas Américas. Assis, SP; São Paulo: FCL-Assis-UNESP; LEHA-FFLCH-USP, e-book - site: www.fflch.usp.br/dh/leha, 2010. Acesso em 05/08/2019.

CHERÑAVSKY, Analía. Um maestro no gabinete: música e política no tempo de Villa-Lobos. 2003. Dissertação de Mestrado em História. Orientadora: Maria C. P. Cunha. Universidade Estadual de Campinas, 2003.

CONTIER, Arnaldo D. Modernismos e Brasilidade: música, utopia e tradição In: NOVAES, Adauto (org.). Tempo e História. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

CONTIER, Arnaldo D. Passarinhada do Brasil: canto orfeônico, educação e getulismo. Bauru: EDUSC, 1998.

CURT LANGE, Francisco. Boletim Latino-americano de Música. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, v. 6, 1946.

CURT LANGE, Francisco. Villa-Lobos y el Americanismo Musical. Revista Musical de Venezuela. Caracas, n. 25, 1988.

DARNTON, Robert. Jornalismo: toda notícia que couber a gente publica. In: O Beijo de Lamourette: mídia, cultura e revolução. São Paulo: Companhia das Letras, p. 70-97, 1990.

DUDEQUE, Norton. Villa-Lobos e a herança do estilo culto nas Bachianas Brasileiras. In: IV Simpósio Villa-Lobos, 2018, São Paulo. Anais do IV Simpósio Villa-Lobos. São Paulo: ECA USP, 2018. v. 1. p. 237-265.

DUTRA, Eliana R. de F. O Ardil Totalitário: imaginário político no Brasil dos anos 30. Rio de Janeiro: UFRJ; Belo Horizonte: UFMG, 1997.

GALINARI, Melliandro M. Estratégias político-discursivas do Estado Vargas: uma análise semiolinguística dos hinos de Villa-Lobos. Dissertação de mestrado. Belo Horizonte: UFMG, Departamento de Letras, 2004.

GEERTZ, Clifford [1926]. A Interpretação das Culturas. 1º ed., 13º reimpressão – Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GUÉRIOS, Paulo R. Villa-Lobos: o caminho sinuoso da predestinação. Rio de Janeiro: FGV, 2003.

GUÉRIOS, Paulo R. Heitor Villa-Lobos e o ambiente artístico parisiense: convertendo-se em um músico brasileiro. v. 9, n.1. Mana, abr. 2003a.

GINZBURG, Carlo. David, Marat: arte, política e religião. In: Medo, reverência e terror. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

GINZBURG, Carlo. Sinais: Raízes de um Paradigma Indiciário. In: Mitos, Emblemas e Sinais. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

HARTOG, François. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

JACQUES, Tatyana de A. O descobrimento do Brasil (1937): Villa-Lobos e Humberto Mauro nas dobras do tempo. Tese de Doutorado. UFSC, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Florianópolis, 2014.

JENKINS, Keith. A História repensada. Tradução de Mario Vilela. São Paulo, Contexto, 2001.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: PUC/RIO, 2006.

KOSELLECK, Reinhart. Crítica e crise: sobre a patogênese do mundo burguês. Rio de Janeiro: EDUERJ/Contraponto, 1999.

LAGO, Manoel A. C. O Círculo Veloso-Guerra e Darius Milhaud: Modernismo musical no Rio de Janeiro antes Semana. Rio de Janeiro: Reler, 2010.

LAGO, Manoel A. C. O Uirapurú e o Tédio de Alvorada: discussão em torno de um study-score. Palestra proferida no IX Simpósio Internacional de Musicologia, 2019. Goiânia: Universidade Federal de Goiás, 2019.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas: Unicamp, 2003.

LUCA, Tania R. de. História dos, nos e por meio dos periódicos. In: PINSKY, C. B. (org.). Fontes Históricas. São Paulo: Contexto, p. 111-153, 2005.

MARTINELLI, Leonardo. Visão do Paraíso? Villa-Lobos e a ideia de Brasil. S. Paulo: USP, Anais do Simpósio Internacional Villa-Lobos, p. 76-80, 2009.

MARTINS, Estevão R., História das Relações Internacionais. In: CARDOSO, Ciro F.; VAINFAS, Ronaldo. Novos Domínios da História. Rio de Janeiro: Elsevier, p. 73-95, 2012.

NAPOLITANO, Marcos. Fontes audiovisuais: a história depois do papel. In: PINSKY, C B. Fontes Históricas. São Paulo: Contexto, 2005.

NEPOMUCENO, Maria M. C. A missão cultural brasileira no Uruguai: a construção de um modelo de diplomacia cultural do Brasil na América Latina (1930-1945). Tese de Doutorado apresentada no Programa de Pós-Graduação em Integração da América Latina. São Paulo: USP, 2015.

NEPOMUCENO, Maria M. C. O Papel de Getúlio Vargas na elaboração de uma Diplomacia Cultural para a América Latina, após os anos 30. In: II Colóquio Pensar e Repensar a América Latina, 2016, São Paulo. II Simpósio Internacional Pensar e Repensar a América Latina; Anais. São Paulo: PROLAM-USP, 2016. v. 1. p. 1-13.

PEPPERCORN, Lisa M. Some aspects of Villa-Lobos principles of composition. Music Review, v. 4, n. 1, fev. 1943. In: Villa-Lobos: biografia ilustrada do mais importante compositor brasileiro. Rio de Janeiro: Ediouro, 2000.

PICCHI, Achille G. Villa-Lobos e a Canção de Câmera. In: Paulo de Tarso Salles e Norton Dudeque. (org.). Villa-Lobos um compendio: novos desafios interpretativos. Curitiba: Editora da UFPR, 2017, p. 193-220.

PIEDADE, Acácio T. C. Uma análise do Prelúdio da Bachianas Brasileiras N. 2 sob a perspectiva das tópicas, da retoricidade e da narratividade. In: Paulo de Tarso Salles; Norton Dudeque. (org.). Villa-Lobos, um Compêndio: Novos Desafios Interpretativos. Curitiba: Editora UFPR, 2017, p. 273-289.

RICOEUR, Paul. A Memória, a história, o esquecimento. Campinas: Unicamp, 2007.

RIPKE, Juliana. Tópicas afro-brasileiras em Villa-Lobos e outros compositores brasileiros: o canto de xangô. 53º Festival Villa-Lobos - I Simpósio Nacional Villa-Lobos, 2015, Rio de Janeiro. Anais I Simpósio Villa-Lobos: Obra, tempo e reflexos. Rio de Janeiro: Sarau agência de cultura brasileira e PPGM- UFRJ, 2016, v. 1, p. 157-171.

ROUSSO, Henry. O arquivo ou o indício de uma falta. Revista Estudos Históricos. Rio de Janeiro, n. 17, 1996.

SAHLINS, Marshall. Ilhas de história. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1990.

SALLES, Paulo de Tarso. Villa-Lobos: Processos composicionais. Campinas: Editora da Unicamp, 2009.

SALLES, Paulo de Tarso. Villa-Lobos e sua brasilidade: uma abordagem a partir da teoria das marcações (markedness) de Hatten. Revista Portuguesa de Musicologia (nova série), v. 4, p. 67-82, 2017.

SALLES, Paulo de Tarso e DUDEQUE, Norton (org.). Villa-Lobos, um Compêndio: Novos Desafios Interpretativos. Curitiba: Editora da UFPR, 2017.

SALLES, Paulo de Tarso. Os Quartetos de Cordas de Villa-Lobos: forma e função. São Paulo: Edusp, 2018.

SANTOS, Daniel Z. Narratividade e tópicas em Uirapuru (1917) de Heitor Villa-Lobos. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Música. Santa Catarina; UDESC, 2015.

SCHWARTZMAN, Simon (org.). Estado Novo: um auto-retrato (arquivo Gustavo Capanema). Brasília: CPDOC/FGV; Ed. Universidade de Brasília, 1983.

VELLOSO, Mônica P. História e modernismo. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

VOLPE, Maria A. Villa-Lobos e o imaginário edênico de Uirapuru. Brasiliana, Rio de Janeiro, revista da Academia Brasileira de Música, v. 29, p. 29-34, 2009.

WISNIK, José M. O coro dos contrários: a música em torno da Semana de 22. São Paulo: Duas Cidades, 1983.

Publicado
2020-07-05
Como Citar
Arcanjo, L. (2020). Heitor Villa-Lobos e a “Embaixada Artística Brasileira” na Argentina (1940). Revista Música, 20(1), 121-150. https://doi.org/10.11606/rm.v20i1.169940