Memória, História e Poder: A Sacralização do Nacional e do Popular na Música (1920-50)

Autores

  • Arnaldo Daraya Contier Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/rm.v2i1.55016

Resumo

A antinomia musica nacional/música universal tornou-se o ponto nodal das principais polêmicas afloradas entre compositores, historiadores, críticos, intérpretes, durante as décadas de 20 a 50. Esses intelectuais agregavam as noções de "música revolucionária", "arte engajada","música independente" à temática sobre o "nacional" e o internacional" no campo artístico. Este trabalho objetiva analisar alguns documentos produzidos pelos autores dessa época - de 1920 a 50.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arnaldo Daraya Contier, Universidade de São Paulo

Professor de História Contemporânea junto ao Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

Downloads

Publicado

1991-05-01

Como Citar

Contier, A. D. (1991). Memória, História e Poder: A Sacralização do Nacional e do Popular na Música (1920-50). Revista Música, 2(1), 05-36. https://doi.org/10.11606/rm.v2i1.55016

Edição

Seção

Artigos