Espaço Profano e Espaço Sagrado na Música Luso-Brasileira do Século XVIII

Autores

  • Ruy Vieira Nery Universidade de Évora

DOI:

https://doi.org/10.11606/rm.v11i0.55095

Resumo

O presente artigo pretende propor como linhas gerais de reflexão histórica
para a abordagem da realidade musical luso-brasileira do Antigo Regime que, dadas as limitações do processo de laicização e de emergência da sociedade civil no Portugal e no Brasil setecentistas: 1. Na vida musical em todo o espaço lusófono o espaço profano tem menos peso do que nos outros países, e dentro dele o espaço privado sobrepõe-se de longe ao espaço público; 2. O espaço religioso continua a assegurar uma acumulação de práticas e funções sociais e artísticas muito mais amplo do que sucederia em outros países europeus e nas respectivas colónias; 3. Esta acumulação tem antecedentes históricos profundos que remontam já à prática do vilancico religioso dos séculos XVI e XVII;4. Como conseqüência destes factores, a própria natureza estética, estilística e técnico-musical da música sacra luso-brasileira do século XVIII acumula características "sacras" e "profanas"; 5. Nenhuma destas características pode ou deve ser lida como indicador de um factor de "atraso" em função de uma suposta bitola única da evolução musical européia; 6. A partilha de tendências estéticas à escala européia por parte da Música luso-brasileira do Antigo Regime deve procurar-se na análise da própria música e não no carácter profano ou religioso dos seus contextos de execução.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ruy Vieira Nery, Universidade de Évora

Professor da Universidade de Évora

Downloads

Publicado

2006-12-17

Como Citar

Nery, R. V. (2006). Espaço Profano e Espaço Sagrado na Música Luso-Brasileira do Século XVIII. Revista Música, 11, 11-28. https://doi.org/10.11606/rm.v11i0.55095

Edição

Seção

Artigos