Valores Inscritos na Canção Popular

Autores

  • Luiz Tatit Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/rm.v6i1/2.59125

Resumo

O poder de persuasão e de interpretação da canção popular, tão analisado em seus entornos antropo-culturais e mercadológicos, possui também uma face estético-gramatical inscrita no próprio ato de composição. Produzir canções significa produzir compatibilidades entre textos e melodias - aos quais se agregam recursos musicais de toda ordem - de modo a configurar um sentido coeso. Como ocorre em geral com as linguagens estéticas, ou sistemas semi-simbólicos, a canção também se investe contra a famigerada arbitrariedade do signo saussuriano, buscando uma remotivação das relações entre plano da expressão e plano do conteúdo em suas respectivas progressões discursivas. Tentativa legítima de obter em processo o que não possui em sistema. Ao mesmo tempo que a compatibilidade entre texto e melodia é apreendida sem qualquer esforço pelo ouvinte, sua explicação em termos descritivos exige um meticuloso trabalho de abstração, que compreende a identificação das categorias comuns responsáveis pela articulação dos conteúdos do texto e dos segmentos melódico-musicais. Felizmente, a fruição do ouvinte não depende de análise.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Tatit, Universidade de São Paulo

Professor no Departamento de Lingüística da FFLCH da Universidade de São Paulo

Downloads

Publicado

1995-12-23

Como Citar

Tatit, L. (1995). Valores Inscritos na Canção Popular. Revista Música, 6(1-2), 190-202. https://doi.org/10.11606/rm.v6i1/2.59125

Edição

Seção

Artigos