A Notação Gregoriana: Gênese e Significado

Autores

  • Lorenzo Mammì Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/rm.v10i0.61749

Resumo

A interação contínua entre composição, notação e interpretação parece ser uma característica própria da música ocidental, a partir da era cristã. Tanto a notação musical antiga quanto a maior parte das notações extra-européias utilizam notações alfabéticas, em analogia com a escrita. Os manuscritos musicais gregorianos a partir do século VIII, e os bizantinos, que remontam mais ou menos ao mesmo período, são os primeiros exemplos de notações baseadas sobre critérios totalmente diferentes, que
não encontram paralelos imediatos fora da esfera musical. É
necessario então analisar a natureza desses critérios, e sua
funcionalidade em relação aos princípios musicais correntes na época.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lorenzo Mammì, Universidade de São Paulo

Musicólogo e Professor Doutor do Departamento de Música da ECA/USP

Downloads

Publicado

1999-12-06

Como Citar

Mammì, L. (1999). A Notação Gregoriana: Gênese e Significado. Revista Música, 10, 21-50. https://doi.org/10.11606/rm.v10i0.61749

Edição

Seção

Artigos