Pontas bifaciais no Brasil Meridional: caracterização estatística das formas e suas implicações culturais

Autores

  • Mercedes Okumura Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo.
  • Astolfo Araujo Araujo Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2013.106842

Palavras-chave:

Líticos, Morfometria geométrica, Tradição Umbu

Resumo

A Tradição Umbu, distribuída na porção sul e sudeste do Brasil, caracteriza-se pela presença de pontas bifaciais e apresenta datas desde 12.700 anos AP até o período histórico. Essa tradição é problemática por conta de sua ampla distribuição geográfica e cronológica. Este trabalho visa contribuir para a caracterização da variabilidade morfológica das pontas através de análises quantitativas. Os resultados mostram que os grupos de São Paulo manufaturavam pontas distintas daquelas dos grupos mais meridionais (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul). Haveria, portanto, uma identidade regional compartilhada exclusivamente por alguns grupos paulistas (ao menos no que diz respeito às pontas). É possível que a Tradição Umbu seja mais restrita, tanto em termos cronológicos quanto em termos regionais, do que se propõe atualmente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mercedes Okumura, Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo.

Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo.

Astolfo Araujo Araujo, Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo.

Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo.

Downloads

Publicado

2013-12-26

Como Citar

Okumura, M., & Araujo, A. A. (2013). Pontas bifaciais no Brasil Meridional: caracterização estatística das formas e suas implicações culturais. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (23), 111-127. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2013.106842

Edição

Seção

Artigos