Hiperosteose porosa em crânios de índios e mulatos do Sudeste brasileiro: correlação entre as lesões na calvária e na órbita.

Autores

  • Marüia Carvalho de Mello e Alvim Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Instituto de Filosofia e Ciências Sociais
  • Dorath Pinto Uchôa Universidade de São Paulo. Museu de Arqueologia e Etnologia

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.1996.109259

Palavras-chave:

Cribra orbitalia e lesões na calvária - índios e mulatos.

Resumo

A pesquisa da hiperosteose em crânios de índios e mulatos do Sudeste brasileiro, feita pelas autoras, correlaciona as lesões na cálvaria e na órbita. O trabalho soma-se aos inúmeros estudos publicados por anatomistas, antropólogos físicos, médicos e paleopatologistas que consideram a hiperosteose porosa como marcador de estresse biológico, decorrente de anemias de origens várias. A análise macroscópica da hiperosteose na órbita e na calvária foi feita numa amostra de 409 indivíduos (141 índios e 268 mulatos), distribuídos em grupos de idade e sexo. A correlação entre as lesões nos dois grupos, distintos e distanciados do pontos de vista racial, cultural e temporal, foi feita sob perspectivas antropológicas. Considerou-se também, na produção desta patologia, a complexa interação dos fatores biossocial e ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

1996-12-12

Como Citar

Alvim, M. C. de M. e, & Uchôa, D. P. (1996). Hiperosteose porosa em crânios de índios e mulatos do Sudeste brasileiro: correlação entre as lesões na calvária e na órbita. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (6), 155-168. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.1996.109259

Edição

Seção

Artigos