Arqueologia na floresta: contribuição metodológica da pesquisa na Floresta Nacional Tapirapé-Aquiri – FLONATA, área do Salobo, Pará

Autores

  • Maura Imazio da Silveira Museu Paraense Emílio Goeldi. Coordenação de Ciências Humanas
  • Maria Christina Leal F. Rodrigues Pesquisadora autônoma.
  • Elisangela R. de Oliveira Universidade Federal de Rondônia. Departamento de Arqueologia
  • Louis-Martin Losier Pesquisador autônomo.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2015.114975

Palavras-chave:

Arqueologia em florestas, sudeste do Pará, metodologia de escavação, níveis naturais, Terra Preta Arqueológica.

Resumo

Este artigo apresenta a metodologia de salvamento arqueológico empregada no resgate de sítios localizados em área de floresta tropical situada no sudeste do estado do Pará, município de Marabá. A delimitação sistemática através de tradagens em malha com intervalos equidistantes entre 10 m e 1 m, aliada a escavações por níveis naturais nas áreas centrais e periféricas dos sítios arqueológicos, possibilitaram a observação de processos de continuidade e descontinuidade na ocupação dos assentamentos e da formação da Terra Preta Arqueológica, aqui relacionada a áreas de atividade dentro das aldeias. A metodologia aplicada demonstrou a viabilidade de pesquisas sistemáticas em áreas com densa cobertura vegetal, assim como a análise crítica de seus alcances e limites. Os 22 sítios arqueológicos pesquisados forneceram informações que auxiliaram no entendimento da história de ocupação desta área, iniciada há 6.000 anos. Essas informações abrangem dados sobre a implantação dos sítios na paisagem, tipologia funcional dos assentamentos (habitação e acampamento) e cronologias de ocupação (inter e intra-sítios). Este trabalho contribuirá ainda na construção do conhecimento da ocupação pré-história local e regional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Christina Leal F. Rodrigues, Pesquisadora autônoma.

Pesquisadora autônoma

Louis-Martin Losier, Pesquisador autônomo.

Pesquisador autônomo

Referências

Almeida, F.O. 2008. O complexo Tupi da Amazônia Oriental. Dissertação de mestrado. São Paulo: Museu de Arqueologia e Etnologia, USP.
Almeida, F.O. 2013. A tradição polícroma no alto rio Madeira. Tese de doutorado. São Paulo: Museu de Arqueologia e Etnologia, USP.
Almeida, F.O.; Garcia, L.G. 2008. Aspectos do espaço Tupinambá no leste Amazônico. Revista de Arqueologia, 21(2): 97-119.
Almeida, F.O.; Garcia, L.G. 2007. Pintura cerâmica Tupi do baixo Tocantins. In XIV Congresso da Sociedade de Arqueologia Brasileira: Arqueologia, etnicidade e território. Anais eletrônicos (CDROM). Florianópolis: SAB.
Aragão, R.C.; Luiz, J.G.; Lopes, P.R.C. 2010. Metodologia geofísica aplicada ao estudo arqueológico dos sítios Bittencourt e Jambuaçu, Estado do Pará. Revista Brasileira de Geofísica, 28(2): 249-263.
Araujo Costa, F. 1983. Projeto baixo Tocantins: salvamento arqueológico na região de Tucuruí (Pará). Dissertação de mestrado (Arqueologia). São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP.
Assessoria de Comunicação Social. 2009. Prefeitura municipal de Parauapebas - PA. Cidade - Geografia – Hidrografia. Parauapebas. Disponível em: http://www.parauapebas.
pa.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=90&Itemid=103. Acesso em: 10 de maio 2012.
Balée, W. 1989a. The culture of Amazonian forests. In Posey, D.; Blée, W. (eds.). Resource management in Amazonia: indigenous and folk strategies. New York: Botanical Garden Press. p. 1-21. (Series Advances in Economic Botany, v. 7).
Balée, W. 1989b Cultura na vegetação da Amazônia Brasileira. In Neves, W.A. (org.). Biologia e ecologia humana na Amazônia: avaliação e perspectiva(s). Belém: SCT/PR, CNPq, Museu Paraense Emílio Goeldi. p. 95-110.
Brandt Meio Ambiente. 1988. Documento integrado dos relatórios de zoneamento ambiental e monitoramento biológico da área de influência do Projeto Salobo (relatório não publicado). Belo Horizonte: Salobo Metais S.A.
Brandt Meio Ambiente. 2002a. Mapeamento das áreas potencialmente erodíveis. Atendimento
a condicionantes ambientais da licença prévia - condicionante 3. Belo Horizonte: Salobo Metais S.A.
Brandt Meio Ambiente. 2002b. Complementação do levantamento florístico. Atendimento a condicionantes ambientais da licença prévia - condicionante 4. Belo Horizonte: Salobo Metais S.A.
Brandt Meio Ambiente. 2003. Plano de Controle Ambiental (PCA), Programa A – Descrição do Empreendimento. Belo Horizonte: Salobo Metais S.A.
Brochado, J. P. 1991. Um modelo ecológico de difusão da cerâmica e da agricultura no leste da América do Sul. Clio (série Arqueológica), 4: 85-88.
Bueno, L. 2008. Relatório do Projeto indústrias líticas do Projeto Salobo: caracterização e análise (relatório não publicado). Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Burrough, P. A. 1986. Principles of geographical information systems for land resource assessment. Oxford: Clarendon Press.
Caldarelli, S. B.; Araujo Costa, F.; Kern, D. C. 2005. Assentamentos a céu aberto de caça-dores-coletores datados da transição Pleistoceno final / Holoceno inicial no Sudeste do Pará. Revista de Arqueologia, 18: 95-108.
Caromano, C. F. 2010. Fogo no mundo das águas: antracologia no sítio Hatarara, Amazônia Central. Dissertação de mestrado (Arqueologia). Rio de Janeiro: Museu Nacional, UFRJ.
Caromano, C. F. 2012. Arqueobotânica no sudeste do Pará: primeiros resultados de análises de macro restos botânicos recuperados no âmbito do PSA Salobo. In Seminário do Programa de Capacitação Institucional do Museu Paraense Emílio Goeldi, 4. Dinamização das pesquisas estratégicas sobre a Amazônia. Anais eletrônicos CD-ROM). Belém: MPEG. p. 17-29.
Cascon, L. M. 2010. Alimentação na Floresta Tropical: um estudo de caso no sítio Hatahara, Amazônia Central, com base em microvestígios botânicos. Dissertação de mestrado (Arqueologia). Rio de Janiero: Museu Nacional, UFRJ.
Cascon, L. M. 2012. O estudo de microvestígios botânicos no âmbito do Projeto Salobo, sudeste do Pará. In Seminário do Programa de Capacitação Institucional do Museu Paraense Emílio Goeldi, 4. Dinamização das pesquisas estratégicas sobre a Amazônia. Anais eletrônicos (CD-ROM). Belém: MPEG. p. 95-109.
Clement, C. R. 2006. Domesticação de paisagens e plantas amazônicas - a interação de etnobotânica, genética molecular e arqueologia. In Morcote Ríos, G.; Mora, S.; Franky, C. (eds.). Pueblos y paisajes antiguos de la selva Amazónica. Bogotá: Universidad Nacional de Colombia; Taraxacum. p. 97-112.
Companhia Vale do Rio Doce 1981. Projeto Ferro Carajás (não publicado). Belém. 134 p.
Coudreau, H. 1980. Viagem à Itaboca e ao Itacaiúnas. (Coleção Reconquista do Brasil, vol. 60). Tradução Eugênio Amado. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp. Figueiredo, N. 1965. A cerâmica arqueológica do rio Itacaiúnas. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi (Nova Série Antropologia), 27:. 1-17.
Frikel, P. 1963. Notas sobre a situação atual dos índios Xikrín no rio Caiteté. Revista do Museu Paulista, 14: 145-158.
Frikel, P. 1968. Os Xikrín. Equipamento e técnicas de subsistência. Publicações Avulsas n. 7. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Garcia, L. L. 2012. Arqueologia na região dos interflúvios Xingu-Tocantins: a ocupação Tupi no Cateté. Dissertação de mestrado. São Paulo: Museu de Arqueologia e Etnologia, USP.
Garcia, L.G.; Almeida, F. O. 2007. Técnica de manufatura: um caso de estudo observado entre sítios Tupi do sudeste do Pará. In XIV Congresso da Sociedade de Arqueologia Brasileira: Arqueologia, etnicidade e território. Anais eletrônicos (CDROM). Florianópolis: SAB.
Giannini, I. V. 1991. A ave resgatada: a impossibilidade da leveza do ser. Dissertação de mestrado (Arquelogia). São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP.
Gomes, D. M. C. 2002 Cerâmica arqueológica da Amazônia: vasilhas da coleção tapajônica MAE – USP. São Paulo: Edusp: FAPESP: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. 355 p.
Gomes, D. M. C. 2008. Cotidiano e poder na Amazônia pré-colonial. São Paulo: Edusp FAPESP.
Gomes, D. M. C; Luiz, J. G. 2013. Contextos domésticos no sítio arqueológico do Porto, Santarém, Brasil, identificados com o auxílio da geofísica por meio do método GPR Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, (Ciências Humanas), 8 (3):. 639-656.
Gordon, C. 2001. Nossas utopias não são as deles: os Mebengokre (Kayapó) e o mundo dos brancos. Revista Sexta-Feira, 6: 123-136.
Gordon, C. 2003. Folhas pálidas: a incorporação Xikrin (Mebêngôkre) do dinheiro e das mercadorias. Tese de Doutorado (Antropologia). Rio de Janeiro: Museu Nacional, UFRJ.
Guapindaia, V. 1993. Fontes históricas e arqueológicas sobre os Tapajó de Santarém. A coleção Frederico Barata do Museu Paraense Emílio Goeldi. Dissertação de mestrado. Recife: Departamento de História, UFPE.
Guapindaia, V. 2008. Além da margem do rio – a ocupação Konduri e Pocó na região de Porto Trombetas, PA. Tese de doutorado. São Paulo: Museu de Arqueologia e Etnologia, USP.
Hilbert, K. 1989. Relatório de viagem do Salvamento Arqueológico em Carajás (PA). Sítio PA-AT-69: Gruta do Gavião (não publicado) Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Hilbert, K. 1993 Organização e uso de espaço de grupos caçadores-coletores pré-históricos na Gruta do Gavião, Serra dos Carajás (PA) (relatório não públicado). Porto Alegre: Pontíficia Universidade Católica do Rio Grande do
Sul, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas.
Hilbert, K.; Barreto, M. 1988. Relatório de viagem do projeto arqueológico de levantamento de sítios pré- cerâmicos no rio Maracá – AP (não publicado). Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi. 31 p.
IBAMA. VALE. STCP. EMAB. 2006. Plano de Manejo para uso múltiplo da Floresta Nacional do Tapirapé-Aquiri. Capítulo 1: Aspectos Gerais. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/imgs-unidades-coservacao/flona_tapirape-aquiri.pdf. Acesso em: 10 de maio 2012.
IBGE. 1974. Folha Belém SA-22: vegetação. Rio de Janeiro: Projeto RADAMBRASIL / DNPM. (Levantamento de Recursos Naturais, v. 5).
Joukowsky, M. 1980. A complete manual of field archaeology. Tools and techniques of field work for archaeologists. New Jersey: Prentice-Hall.
Kämpf, N.; Kern, D. C. 2005. O solo como registro da ocupação humana pré-histórica na Amazônia. Tópicos em Ciência do solo, 6: 277-320. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo.
Kern, D. C. 1997. Geoquímica e pedogeoquímica de sítios arqueológicos com Terra Preta na Floresta Nacional de Caxiuanã. Revista de Arqueologia, 10: 165-169.
Kern, D. C.; Costa, J. A.; Silveira, M. I.; Oliveira, E. R.; Frazão, F. J. L.; Berredo, J. F.; Costa, M. L.; Kämpf, Pedo-geochemical signatures of archeological sites in the Tapirapé-Aquiri National Forest in Marabá, Amazonia, Brazil. Geoarqueology, 30 (5):430-451.
Kern, D. C.; Frazão, F. J. L.; Costa, M. L.; Frazão, E.; Jardim, M. A. 1999. A influência das palmeiras como fontes de elementos químicos em sítios arqueológicos com terra preta. In Simpósio de Geologia da Amazônia, 6. Anais. Manaus: Sociedade Brasileira de Geografia. p. 347-350.
Kern, D. C.; Kämpf, N. 2008. Les Terres Noires des Indiens en Amazonie. In Walter, A.; Mollard, E. (Org.). Agricultures singulieres du monde. Montpellier : s/ed. p. 274-278.
Kern, D. C.; Marques, F. L. T.; Maurity, C. W.; Atzingen, N. 1992. O potencial espeleoarqueológico da região de São Geraldo do Araguaia – PA. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi (Antropologia), 8 (2): 157-183.
Keyeux, G.; Usaquén, W. 2006. Rutas migratorias hacia sur America y poblamiento de las cuencas de los ríos Amazonas y Orinoco, deducidas a partir de estudios geneticos moleculares. In Morcote Ríos, G.; Mora, S.;
Franky, C. (Ed.). Pueblos y paisajes antiguos de la selva Amazónica. Bogotá: Universidad Nacional de Colombia; Taraxacum. p. 49-62.
Kipnis, R.; Caldarelli, S. B.; Oliveira, W. C. 2005. Contribuição para a cronologia da colonização amazônica e suas implicações teóricas. Revista de Arqueologia, 18: 81-93.
Lima, H. P. 2008. História das caretas: a tradição Borda Incisa na Amazônia Central. Tese de doutorado. São Paulo: Museu de Arqueologia e Etnologia, USP.
Lopes, D. F.; Silveira, M., I.; Magalhães, M. 1988. Levantamento arqueológico. In Relatório final do projeto Estudo e preservação de recursos humanos e naturais da área do Projeto “Ferro Carajás”, vol. 1 (não publicado). Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Machado, J. S. 2005. Montículos artificiais na Amazônia Central: um estudo de caso do sítio Hatahara. Dissertação de mestrado. São Paulo: Museu de Arqueologia e Etnologia, USP.
Magalhães, M. P. 1993. O tempo arqueológico. (Coleção Eduardo Galvão). Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Magalhães, M. P. 1994. Relatório da excursão arqueológica realizada em Carajás em maio / junho de 1994. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Magalhães, M. P. 1995a. Relatório da excursão arqueológica realizada em Carajás em agosto de 1995 (Etapa 3) . Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Magalhães, M. P. 1995b. Arqueologia de Carajás. A presença pré-histórica do homem na Amazônia. Rio de Janeiro: Companhia Vale do Rio Doce.
Magalhães, M. P. 2001. Relatório da prospecção arqueológica na área da mineração Serra do Sossego. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Magalhães, M. P. 2005. A phýsis da origem: o sentido da história na Amazônia. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi. 351 p.
Meggers, B. 2009. Inferindo comportamento locacional e social a partir de sequências seriadas. In: MEGGERS, Betty (Org.). Arqueologia interpretativa. O método quantitativo para estabelecimento de sequências cerâmicas: estudos de caso. Porto Nacional: Unitins. p. 17-34.
Meggers, B.; Evans, C. 1961. An experimental formulation of horizon styles in the tropical forest area of South America. In Lothrop, S. (Ed.). Essays in pre-Columbian art and archaeology. Cambridge: Harvard University Press. p. 372-388.
Meggers, B.; Evans, C. 1970. Como interpretar a linguagem da cerâmica: manual para arqueólogos. Washington C: Smithsonian Institution Press.
Meggers, B.; Evans, C. 1973. A reconstituição da pré-história Amazônica: algumas considerações teóricas. In Simões, M. F. (Ed.). O Museu Goeldi no ano do Sesquicentenário. Belém: Conselho Nacional de Pesquisas,
Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia: Museu Paraense Emílio Goeldi. p. 51-69. (Publicações avulsas, n. 20).
Meggers, B.; Miller, E. Th. 2006. Evidencia arqueológica para el comportamiento social y habitacional en la Amazonía Prehistórica. In Ríos, G. M.; Camargo, S. M.; Calvo, C. F. (Ed.). Pueblos y paisajes antiguos en la selva tropical. Bogotá: Universidad Nacional de Colombia. p. 325-348.
Miller, E. Th. 2009. Pesquisas arqueológicas no Pantanal do Guaporé-RO, Brasil: a seqüência seriada da cerâmica da Fase Bacabal. In Meggers, B. (Org.). Arqueologia interpretativa. O método quantitativo para estabelecimento desequências cerâmicas: estudos de caso. Porto Nacional: Unitins. p. 103-117.
Miller, E. Th. 2013. Algumas culturas ceramistas, do Noroeste do Pantanal do Guaporé à encosta e Altiplano Sudoeste do Chapadão dos Parecis. Origem, difusão/migração e adaptação – do Noroeste da América do Sul ao Brasil. Revista Brasileira de Linguística Antropológica, 5 (2): 335-383.
Miller, E. Th. (Org.). 1992. Arqueologia nos empreendimentos hidrelétricos da Eletronorte: resultados preliminares. Brasília: Centrais Elétricas do Norte do Brasil S.A.
Mora, S. 2006. Tiempo y paisaje en el estudio de las primeras comunidades del Noroeste Amazónico. In Ríos, G. M.; Mora, S.; Franky, C. (Ed.). Pueblos y paisajes antiguos de la selva Amazónica. Bogotá: Universidad Nacional de Colombia; Taraxacum. p. 81-95.
Moraes, C. P. 2006. Arqueologia na Amazônia Central vista de uma perspectiva da região do lago do Limão. Dissertação de mestrado. São Paulo: Museu de Arqueologia e Etnologia, USP.
Moraes, C. P. 2013. Amazônia ano 1000: territorialidade e conflito no tempo das chefias regionais. Tese de Doutorado. São Paulo: Museu de Arqueologia e Etnologia, USP.
MUNSELL Color Company. 1964. Munsell soil color charts. Baltimore.
Oliveira, E.; Bueno, L. R.; Silveira, M. I. 2008. Terceiro relatório de atividades laboratoriais referentes aos Projetos Prospecção e Salvamento arqueológico na área do Projeto Salobo – PA. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Oliveira, E. R.; Silveira, M. I. 2011. Nem só em potes se transforma o barro. Os rostos de argila do sudeste paraense. In Lima, J. (Org.). Educação Patrimonial e Arqueologia na Floresta. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi. p. 37-50.
Oliveira, E. R.; Silveira, M. I. 2010a . Pesquisa arqueológica na área do Projeto Salobo / PA. In workshop terra preta arqueológica (TPA / TPN), 1., 2010, Belém. Costa, M. L.; Kern, D. C.; Silva, U. (Org.). Livro de resumos do Workshop Terra preta Arqueológica (TPA/TPN). Belém. p. 36-43.
Oliveira, E. R.; Silveira, M. I. 2010b. Rostos do passado. In: Gorayeb, I. (Coord.). Amazônia 2. Belém: RM GRAPH, Jornal O Liberal, Apoio VALE. p. 376.
Oliveira, E. R.; Silveira, M. I. 2009a . A face da cerâmica Tupiguarani no sudeste paraense. In: Simpósio Arqueologia Tupi (Guarani) Na Amazônia I: Estudos Regionais no Congresso da Sociedade de Arqueologia Brasileira. XV Congresso da SAB, Belém. Caderno de resumos, p. 14.
Oliveira, E. R.; Silveira, M. I. 2009b. Bitoquinha: la nueva cara de la tradición Tupiguarani en la Amazonía Oriental brasileña. In: Congreso Internacional de Americanistas. Los pueblos americanos: cambios y continuidades, Memorias 53 Ciudad de México.
Oliveira, W. C. 2007. Caçadores coletores na Amazônia: eles existem. Dissertação de mestrado. São Paulo: Museu de Arqueologia e Etnologia, USP.
Paiva, K. 2010. Arqueologia Tupi no Sudeste do Pará: o sítio Ourilândia 1. Monografia de especialização (Programa de Pós-Graduação Lato Sensu em Arqueologia). Belém: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, UFPA.
Pereira, E. (Coord.). 2001. Relatório Final do Levantamento arqueológico na área da UHE Belo Monte, rio Xingu (PA). Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi. 3 vol.
Pereira, E. (Coord.). 2003a. Relatório de campo do Programa de arqueologia preventiva na área da mineração Serra do Sossego - PA. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Pereira, E. (Coord.). 2003b. Relatório de laboratório do Programa de arqueologia preventiva na área da mineração Serra do Sossego - PA. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Pereira, E.; Silveira, M.I.; Rodrigues, M.C.L.F.; Araujo Costa, C. J.; Machado, C.L. 2008. A tradição Tupiguarani na Amazônia. In: Prous, A.; Lima, T.A. (Ed.). Os ceramistas Tupiguarani. Belo Horizonte: Sigma. p. 49-66.
Piperno, D.; Pearsall, D. 1998. The origins of agriculture in the Lowland Neotropics. San Diego: Academic Press.
Prous, A. 1992. Arqueologia Brasileira. Brasília: Universidade de Brasília. 605 p.
Py-Daniel, A. R. 2009. Arqueologia da morte no sítio hatahara durante a fase paredão. Dissertação de mestrado. São Paulo: Museu de Arqueologia e Etnologia, USP.
Renfrew, C.; Bahn, P.2004. Archaeology: theories, methods and practice. 4. ed. London: Thames and Hudson. 656 p.
Rodet, J.; Duarte-Talim, D.; Silveira, M.I.; Oliveira, E.R.; Costa, M.L. 2014. The Production of beads and lithic pendants in the Salobo river basin, Pará, Brazil. In: Mansur, M.E.; Lima, M.A.; Maigrot, Y. (Eds). Proceeddings of the XVI World Congress Uispp (Florianópolis, 410 September 2011, Session XXXV). Traceology Today: Methodological Issues in the Old World and the Americas. BAR International Series 2643. Achaeopress. p. 61-68.
Rolim, S. G.; Couto, H. T.Z.; Jesus, R. M.; Franca, J.T. 2006. Modelos volumétricos para a Floresta Nacional do Tapirapé-Aquirí, Serra dos Carajás (PA). Acta Amazonica, 36(1): 107-114.
Roosevelt, A.C. 1980. Parmana: prehistoric maize and manioc subsistence along the Amazon and Orinoco. New York: Academic Press.
Roosevelt, A.C. 1991. Moundbuilders of the Amazon: geophysical archaeology on Marajó Island, Brazil. San Diego: Academic Press.
Roosevelt, A.C. 1997. The excavations at Corozal, Venezuela: stratigraphy and ceramic seriation. New Haven: Department of Anthropology and the Peabody Museum Yale University. (Yale University publications in Anthropology, n. 83).
Roosevelt, A.C..; Costa, M.L. Machado, C.L.; Michab, M.; Mercier, N.; Valladas, H.; Feathers, J.; Barnett, W.; Silveira, M.I.; Henderson, A.; Silva, J.; Chernoff, B.; Reese, D. S.; Holman, J. A.; Toth, N.; Schick, K. 1996. Paleoindian cave dwellers in the Amazon: the peopling of the Americas. Science, 272(5260): 373-384.
Roosevelt, A.C.; Houseley, R. A.; Imazio da Silveira, M.; Maranca, S.; Johnson, R. 1991. Eighth millennium pottery from a prehistoric shell midden in the Brazilian Amazon. Science, 254: 1621-1624.
Shepard, G.H.; Ramirez, H. 2011. Made in Brazil: human dispersal of the Brazil nut (Bertholletia excelsa, Lecythidaceae) in Ancient Amazonia. Economic Botany, 65: 44-65.
Silva, F.A. 2000. As tecnologias e seus significados: um estudo da cerâmica dos Asuriní do Xingu e da cestaria dos Kayapó-Xikrin sob uma perspectiva etnoarqueológica. Tese de doutorado. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP.
Silva, F.A. 2007. O significado da variabilidade artefatual: a cerâmica dos Asurini do Xingu e a plumária dos Kayapó-Xikrin do Cateté. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi - Ciências Humanas, 2 (1): 91-103.
Silva, M.F. 1989. Aspectos ecológicos da vegetação que cresce sobre canga hematítica em Carajás – PA. Tese de doutorado. Manaus: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, FUA.
Silveira, M.I. 1994. Estudo sobre estratégias de subsistência de caçadores coletores pré-históricos do sítio Gruta do Gavião, Carajás (Pará). Dissertação de mestrado (Arqueologia). São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e
Ciências Humanas, USP.
Silveira, M.I.; Araujo Costa, C.J. 2004. Primeiro relatório de atividades laboratoriais referentes ao projeto Prospecção arqueológica na área do Projeto Salobo – PA. Análise tipológica do material cerâmico e lítico proveniente das prospecções arqueológicas de 2003. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Silveira, M.I.; Lopes, D.F.F. 2002a. Relatório do Diagnóstico Arqueológico na área do Projeto Salobo, município de Marabá / PA. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Silveira, M.I.; Lopes, D.F.F.; Magalhães, M.P. 1985. Salvamento arqueológico em Carajás (PA). In: II Congresso da Sociedade de Arqueologia Brasileira, Caderno de Resumos. Goiania: SAB.
Silveira, M.I.; Machado, C.L.. 2005. Quinto relatório do Projeto de Prospecção Arqueológica na área do Projeto Salobo/PA (áreas da Barragem de rejeitos do igarapé Mirim, dos Diques de contenção de finos I e II no rio Cinzento, da Estrada planejada entre Alojamento das Empreiteiras e Dique de Contenção de Finos II, Estrada planejada entre os Diques de Contenção de Finos I e II, da Pilha de minério temporário, da Pilha de minério marginal, da Pilha de estéril, do Transportador de correia de longa distancia e Usina e Administração). Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Silveira, M.I.; Machado, C.L.; Rodrigues, M.C.L. 2003a. Primeiro Relatório do Projeto de prospecção arqueológica na área do Projeto Salobo – PA (área da ponte e dos alojamentos das empreiteiras). Relatório de Pesquisa não publicado. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Silveira, M.I.; Machado, C.L.; Rodrigues, M.C.L. 2003b. Segundo Relatório do Projeto de Prospecção na área do Projeto Salobo/PA (área da Barragem de finos, dos Alojamentos da SMSA e do Estacionamento de visitantes). Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Silveira, M.I.; Machado, C.L.; Rodrigues, M.C.L. 2004. Terceiro Relatório do Projeto de Prospecção Arqueológica na área do Projeto Salobo/PA (área da “Usina” e estrada de acesso, estrada de acesso aos Alojamentos das empreiteiras e duplicação da estrada de acesso ao projeto). Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Silveira, M.I.; Machado, C.L.; Rodrigues, M.C.L. 2005. Quarto Relatório do Projeto de Prospecção Arqueológica na área do Projeto Salobo/PA (áreas da barragem de rejeitos do igarapé Mirim, área da “usina” e estrada de acesso, área da administração, área entre administração e usina, estrada entre administração e fábrica/depósito de explosivos, estrada entre administração e portaria industrial, estrada entre administração e captação de água bruta e Linha de Transmissão). Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Silveira, M.I.; Machado, C.L.; Rodrigues, M.C.L. 2006. Relatório Final do Projeto Prospecção Arqueológica na área do Projeto Salobo/PA. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Silveira, M.I..; Oliveira, E.R. 2007. Segundo relatório de atividades laboratoriais referentes aos projetos Prospecção e Salvamento arqueológico na área do Projeto Salobo – PA. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Silveira, M.I..; Oliveira, E.R. 2011a Lições que vêm da pré-história. In: Gorayeb, I. (Org.). Amazônia Sustentável. Belém: RM GRAPH: Jornal O Liberal: Apoio VALE. p. 25-27.
Silveira, M.I..; Oliveira, E.R. 2011b Vestígios em forma de animais. In: Gorayeb, I. (Org.). Amazônia Sustentável. Belém: RM GRAPH: Jornal O Liberal: Apoio VALE. p. 28.
Silveira, M.I..; Oliveira, E.R. 2011c. Histórias do passado em uma floresta no sudeste do Pará. In: Lima, Janice (Org.). Educação Patrimonial e Arqueologia na Floresta. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi. p. 21-36.
Silveira, M.I..; Oliveira, E.R.; Rodrigues, M.C.L.F. 2008a. Sexto Relatório do Projeto Salvamento Arqueológico na área do Projeto Salobo/PA (sítios Abraham, Orlando e Edinaldo, ocorrências Castanheira, Nascente e Cinzento).
Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Silveira, M.I..; Oliveira, E.R.; Rodrigues, M.C.L.F. 2008b. Sétimo Relatório do Projeto Salvamento Arqueológico na área do Projeto Salobo/PA (sítio arqueológico Cachorro Cego e ocorrência Nei). Belém: Museu Paraense
Emílio Goeldi.
Silveira, M.I..; Rodrigues, M.C.L.F. 2004. Projeto Salvamento Arqueológico na área do Projeto Salobo/PA. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Silveira, M.I..; Rodrigues, M.C.L.F. 2005. Primeiro Relatório do Projeto Salvamento Arqueológico na área do Projeto Salobo/PA (Sítios Barfi e Bitoca 2). Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Silveira, M.I..; Rodrigues, M.C.L.F . 2006a. Segundo relatório do Projeto Salvamento Arqueológico na área do Projeto Salobo/PA (Sítios Dique BF2 e Bitoca 1). Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Silveira, M.I..; Rodrigues, M.C.L.F . 2006b. Terceiro Relatório do Projeto Salvamento Arqueológico na área do Projeto Salobo/PA (Sítios Pau Preto, P32, 4 Alfa e Araras). Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Silveira, M.I..; Rodrigues, M.C.L.F. 2007a. Quarto Relatório do Projeto Salvamento Arqueológico na área do Projeto Salobo/PA (sítios Mirim, Marinaldo, Reginaldo, Cachoeira do Borges e Perdido do Mirim). Belém: Museu
Paraense Emílio Goeldi.
Silveira, M.I..; Rodrigues, M.C.L.F . 2007b. Quinto Relatório do Projeto Salvamento Arqueológico na área do Projeto Salobo/PA (sítios Alex, Sequeiro, Marcos). Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Silveira, M.I..; Rodrigues, M.C.L.F.; Machado, C.L.; Oliveira, E.R.; Losier, L.M. 2009 Prospecção arqueológica em áreas de floresta – contribuição metodológica da pesquisa na área do Projeto Salobo (Pará). Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, 19: 155-178.
Silveira, M.I..; Rodrigues, M.C.L.F.; Oliveira, E.R. 2009. Relatório final do Projeto Salvamento Arqueológico na área do Projeto Salobo/PA. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi. 2 v.
Silveira, M.I..; Rodrigues, M.C.L.F.; Oliveira, E.R.; Losier, L.M. 2008. Sequencia cronológica de ocupação na área do Salobo (Pará). Revista de Arqueologia, 21(1): 61-84.
Silveira, M.I.; Oliveira, E.R.; Rodet, M.J.; Kern. D.; Barbosa, D. 2009. Relatório Final de Atividades Laboratoriais referentes aos Projetos Prospecção e Salvamento arqueológico na área do Projeto Salobo – PA. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.
Simões, M.F. 1972. Índice das fases arqueológicas brasileiras 1950-1971. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi. p. 1-75. (Publicações Avulsas, n. 18).
Simões, M.F. 1973. A pesquisa arqueológica na Amazônia Legal brasileira. Dédalo, 17/18: 11-23.
Simões, M.F. 1981. As pesquisas arqueológicas no Museu Paraense Emílio Goeldi (1870-1981). Supl. Acta Amazonica, 11(1): 149-165.
Simões, M.F. 1986. Salvamento arqueológico. In: Almeida JR., J. M. G. (Org.). Carajás: desafio político, ecologia e desenvolvimento. Brasília: São Paulo: CNPq: Editora Brasiliense. p. 535-559.
Simões, M.F.; (Ed.) 1969a. Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas 2. Resultados preliminares do segundo ano (1966-1967). Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi. 147 p. + il. (Publicações avulsas, n. 10).
Simões, M.F.; (Ed.) 1969b. Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas 3. Resultados preliminares do terceiro ano (1967-1968). Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi. 168 p. + il. (Publicações avulsas, n. 13).
Simões, M.F.; (Ed.) 1974. Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas 5. Resultados preliminares do quinto ano (1969-1970). Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi. 188 p. + il. (Publicações avulsas, n. 26).
Simões, M.F.; Araujo Costa, F. 1987. Pesquisas arqueológicas no baixo rio Tocantins (Pará). Revista de Arqueologia, 4 (1): 11-27.
Simões, M.F.; Corrêa, C.G.; Machado, A.L. 1973. Achados arqueológicos no baixo rio Fresco (Pará). O Museu Goeldi no ano do sesquicentenário. Publicações Avulsas do Museu Paraense Emílio Goeldi, 20: 113-142.
Smith, N. 1995. Human-Induced landscape changes in Amazonia and implications for development. In: Turner II, B.; Sal, A.; Bernáldez, F.; DiCastri, F. (Ed.). Global land use change. A perspective from the Columbian Encounter. Madrid: Consejo Superior de Investigaciones Cientificas.
Sousa, E.S. 2009. O potencial interpretativo dos artefatos cerâmicos: a tradição Tupiguarani na Amazônia. Dissertação de mestrado. Belém: PPGCS, Universidade Federal do Pará.
Tamanaha, E.K. 2012. Ocupação Polícroma no baixo e médio rio Solimões, estado do Amazonas. Dissertação de mestrado. São Paulo: Museu de Arqueologia e Etnologia, USP.
Tizuka, M.M. 2013. Geoarqueologia e Paleoidrologia da planície aluvial Holocênica do alto rio Madeira entre Porto Velho e Abunã-RO. Dissertação de mestrado: Rio Claro: Instituto de Geociências e Ciências Exatas, UNESP.
Turner, T. 1993. Da cosmologia à história: resistência, adaptação e consciência social entre os Kayapó. In: Viveiros de Castro, Eduardo; Cunha, M.C. (Org.). Amazônia: etnologia e história indígena. São Paulo: NHII-USP: FAPESP. p. 43-66.
Turner, T. 1998. Os Mebengokre Kayapó: história e mudança social, de comunidades autônomas para a coexistência interétnica. In: Cunha, M.C. (Org.). História dos índios no Brasil. 2. ed. São Paulo: Companhia das
Letras: FAPESP: SMC. p. 311-338.
Vidal, L.B. 1977. Morte e vida de uma sociedade indígena brasileira. São Paulo: Hucitec/ Edusp.
Vidal, L.B. 1983. O espaço habitado entre os Kaiapó-Xikrin (Jê) e os Parakanã (Tupi), do médio Tocantins, Pará. In: Novaes, S. C. (Org.). Habitações indígenas. São Paulo: Nobel: EDUSP. p. 77-102.
Vidal, L.B. 1986. A questão indígena. In: Almeida JR., J.M.G. (Org.). Carajás: desafio político, ecologia e desenvolvimento. Brasília: CNPq; São Paulo: Brasiliense. p. 222-264.

Downloads

Publicado

2015-12-20

Como Citar

Silveira, M. I. da, Rodrigues, M. C. L. F., Oliveira, E. R. de, & Losier, L.-M. (2015). Arqueologia na floresta: contribuição metodológica da pesquisa na Floresta Nacional Tapirapé-Aquiri – FLONATA, área do Salobo, Pará. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (25), 133-167. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2015.114975

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)