Estudos de Arte Rupestre no Sertão Alagoano: o sítio Cosmezinho (CZ)

Autores

  • Carolina Machado Guedes Universidade de São Paulo. Museu de Arqueologia e Etnologia, Programa de pós-graduação em arqueologia

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2015.114979

Palavras-chave:

Arte rupestre, sertão alagoano, conservação, unidades não- -figurativas.

Resumo

No ano de 2008 a empresa Zanettini Arqueologia em interação com o IPHAN-AL iniciou um trabalho de identificação, registro e avaliação de sítios rupestres no sertão alagoano, objetivando a proposição de estratégias devotadas à fiscalização, conservação e uso público qualificado desses recursos culturais pelas populações da região. Deste trabalho originou o programa de diagnósticos de sítios rupestres no município de Pão de Açúcar, avaliando seus estados de conservação e propondo formas de uso qualificado desses locais. Além dos diagnósticos elaborados a partir das avaliações feitas sobre esses sítios, os dados coletados dentro desse programa forneceram rica documentação para pesquisas posteriores, focando principalmente no registro sistemático dos sítios e painéis rupestres. Esses sítios do sertão alagoano guardam uma notável arte, marcando e caracterizando essa área da região, pela qualidade, variedade formal, temática e técnicas aplicadas nas construções dos painéis. O objetivo desse trabalho é expor os métodos e as análises realizadas dentro desse programa, sobre o sítio de pinturas não-figurativas, o sítio Cosmezinho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Álvarez, A.M. 2010. Los signos rupestres del paleolítico: La Cueva de El Castillo (Puente Viesgo, Cantabria). Cantabria. S.l.: Gea Patrimonio.
Baeta, A.M. 1989. Levantamento e Documentação de Grafismos Rupestres no Carste de Lagoa Santa. Belo Horizonte: Setor de Arqueologia MHN/UFMG- FAPEMIG. Relatório (não publicado).
Calderón, V. 1983. Estudos de Arqueologia e Etnologia. Salvador: UFBA.
Cavalheiro, A.C.M. 2004. Pinturas rupestres nos Campos Gerais. Dissertação de mestrado (Arqueologia). São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP.
Consens, M. 1984. La Arqueología como Fundamento de la Utilización de Técnicas y Métodos en los Procesos de Investigación del Arte Rupestre. Revista do CEPA, 12 (14): 13-47.
Consens, M. 1985. Comentarios Acerca de un Enfoque Arqueológico para Investigar en Arte Rupestre. In. Aldunate, C., Berenguer, J. y Castro, V. (Eds). Estudios en Arte Rupestre. Santiago de Chile: Museo Chileno de
Arte Precolombino, p. 3-11.
Guedes, C.M. 2014. A semántica dos signos em arte rupestre: Estruturas da Cognição. Tese de doutorado. São Paulo: Museu de Arqueologia e Etnologia, USP.
Hodder, I. 1982. Art, decoration and style. I,
Hodder, I. The present past: an introduction to anthropology for archaeologists. London: Batsford, p. 173-195.
Renfrew, C.; Zubrow, E.B. 1994. The ancient mind: elements of cognitive archaeology. Cambridge: Cambridge University Press.
Sauvet, G. 1993a. La composition et l’espace orné. In: Groupe de Refléxion sur l‘Art Pariétal Paléolithique – L’art Pariétal Paléolithique. Techniques et méthodes d’études. Paris : Éditions du C.T.H.S., p. 297-309.
Sauvet, G. 1993b. Le problème de la détermination. In: Groupe de Refléxion sur l‘Art Pariétal Paléolithique – L’art Pariétal Paléolithique. Techniques et méthodes d’études. Paris : Éditions du C.T.H.S., p. 83-86.
Vialou, D. 1998. Problématique de l’interprétation de l’art paléolithique. Rivista di Scienze Preishiriche, XLIX, p. 267-281.
Vialou, D. 1999. L’art paléolithique. In: Otte, M. La Prehistoire. Paris/Bruxelles: DeBoeck Université, p. 213-289.
Vialou, D. 2009. L’image du sens, en préhistoire. In : L’Anthropologie 113. Pp. 464-477.
Zanettini Arqueologia. 2007. Programa de Diagnóstico e Ações Emergenciais em Sítios Rupestres, municípios de Olho D´Água do Casado e Delmiro Gouveia, Alagoas. Relatório Final apresentado à 17ª Superintendência Regional do IPHAN (não publicado).
Zanettini Arqueologia. 2009. Programa de mapeamento, cadastro e conservação dos sítios de arte rupestre do Baixo São Francisco – Etapa 1. Pão-de-Açúcar. Relatório Final apresentado á 17q superintendência Regional do IPHAN (não publicado).

Downloads

Publicado

2015-12-20

Como Citar

Guedes, C. M. (2015). Estudos de Arte Rupestre no Sertão Alagoano: o sítio Cosmezinho (CZ). Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (25), 215-230. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2015.114979

Edição

Seção

Artigos