Patrimônio e inventário: a escolha do objeto

Autores

  • Claudia R. Plens Departamento de História, Escola de Filosofia, Letras e Ciencias Humanas, Universidade Federal de São Paulo
  • Gilberto da Silva Francisco Departamento de História, Escola de Filosofia, Letras e Ciencias Humanas, Universidade Federal de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2016.119008

Palavras-chave:

patrimônio, inventário patrimonial, políticas patrimoniais, legislação patrimonial, UNESCO

Resumo

Este artigo tem como premissa a discussão de como a sociedade do presente lida com as questões patrimoniais, desde a eleição dos objetos até as consequências das escolhas no saber e gerenciamento do patrimônio. Para tanto trata os conceitos patrimoniais para depois considerar seus usos, tanto para os tomadores de decisão sobre o patrimônio quanto para a população a quem, de fato, interessa a existência de medidas protetoras de patrimônio. Essa discussão nos dará a base para discutir o modo como a população lida com seus objetos e para a possibilidade de práticas de ações conjuntas com maior justiça e ética entre sociedade civil e órgãos governamentais no que diz respeito ao patrimônio da sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Anchieta, J. de; Viotti, H.A. (orgs.). 1984. Cartas correspondência ativa e passiva. Obras Completas, vol. 6. São Paulo: Edições Loyola.
Armelin, P.K. 2008. Patrimônio cultural & sistema penal. Curitiba: Juruá.
Assunção, P. 2003. O patrimônio. São Paulo: Edições Loyola.
Barreto, C. 2013. Corpo, Comunicação e Conhecimento: Reflexões para a socialização da herança arqueológica na Amazônia. Revista de Arqueologia (Sociedade de Arqueologia Brasileira. Impresso), v. 26: 112-29.
Bellotto, H.L. 2004. Arquivos permanentes: tratamento documental. Rio de Janeiro: Ed. FGV.
Cabannes, Y. 2007. Instrumentos de articulación entre presupuesto participativo y ordenamiento territorial. In: Martínez, J. R. et al. (org.). Algo esta pasando en Europa... Presupuestos participativos. V jornadas intenacionales. Sevilla del 14 al 16 de noviembre de 2007. Madrid: Instituto Universitario – IEPALA Rafael Burgaleta: 23-63.
Cardoso, L.D. 2006. A política educacional no município de Guarulhos/SP: gestão 2001-2004: da construção da rede municipal de educação ao projeto político-pedagógico. Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade
de Educação. Universidade Estadual de Campinas, 2006.
Cavalcanti, M.L.V. de C.; Fonseca, M.C.L. 2008. Patrimônio imaterial no Brasil. Legislação e políticas estaduais. Brasília: UNESCO, Educarte.
César, P. de A.B.; Stigliano, B.V. 2010. A viabilidade superestrutural do patrimônio: estudo do Museu da Língua Portuguesa. Cultur – Revista de Cultura e Turismo, ano 4, n. 1, janeiro.
Kohl, P.; Fawacett, C. 1995. Nationalism, Politics, and the practice of Archaeology. Cambridge: Cambridge University Press.
Larkham, P.J. 1995. Heritage as planned and conserved. Herbert, D.T. (ed.). Heritage, tourism and society. Mansell Publishing: 85-116.
Logan, W.S. 2007. Closing Pandora’s Box: human rights conundrums in cultural heritage protection’. Silverman H.;Ruggles, D.F. (eds.). Cultural Heritage and Human Rights. New York: Springer.
Menezes, R. 2006. Os sambas, as rodas, os bumbas, os meus e os bois. Princípios, ações e resultados da política de salvaguarda do patrimônio cultural imaterial no Brasil, 2003-2010. Brasília: IPHAN.
Mesentier, L.M. de. 2004. Intervenções em áreas urbanas patrimoniais: dilemas atuais. In: Lima, E.F.W.; Maleque, M.R. (eds.). Cultura, patrimônio e habitação: possibilidades e modelos. Rio de Janeiro: Viveiros de Castro Ed.: 49-59.
Meskel, L. 2010. Human rights and heritage etics. Anthropological Quarterly, 83 (4): 839-60.
Miranfa, M.P. de S. 2012. Tutela constitucional do patrimônio cultural brasileiro: o inventário como um novo instrumento de proteção. In: Rodrigues, J.E.R.; Miranda, M.P. de S. (orgs.). Estudos de direito do patrimônio
cultural. Belo Horizonte: Editora Forum.
Monticelli, G. 2010. Deixe estar: patrimônio, arqueologia e licenciamentos ambientais. Porto Alegre: EdPUCRS.
Nogueira, A.G.R. 2005. Por um inventário dos sentidos: Mário de Andrade e a concepção de patrimônio e inventário. São Paulo: Hucitec.
Nogueira, A.G.R. et al. 2012. Benfica em três tempos: patrimônio, inventário e memória local. In: Chuva, M.; Nogueira, A.G.R. (orgs.). Patrimônio cultural. Rio de Janeiro: Mauad X; FAPERJ.
Oliveira, O.A. de; Germano, J.W. 2003. Os caminhos do Rio Grande do Norte. UFRN, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
Prado, A.A.; Campos, A.; Duarte, A.L. 2004. História da cidade de São Paulo, vol. 1. São Paulo: Paz e Terra.
Prezia, B. 2001. Indígenas em São Paulo: ontem e hoje. São Paulo: Paulinas.
Prezia, B.; Hoonaert, E. 2000. Brasil Indígena – 500 Anos de resistência. São Paulo: FTD.
Rodrigues, J. et al. 2008. A Universidade Federal de São Paulo aos 75 Anos: ensaios sobre memória e história. São Paulo: Editora Fap-Unifesp.
Santos, B. de S. 1997. Por uma concepção multicultural de direitos humanos. Revista Crítica de Ciências Sociais, 48: 11-32.
Santos, C.J.F. dos. 2006. Identidade urbana e globalização: a formação dos múltiplos territórios em Guarulhos-SP. São Paulo: Annablume.
Santos, R. da C.C. 2011. O Meio Ambiente em Facetas. São Paulo: Baraúna.
Schneider, C.; Gauer, H. 2009. Revelando Farroupilha: inventário do patrimônio cultural material. Farroupilha: Prefeitura Municipal de Farroupilha. Schouten, F.F.J. Heritage as Historical Reality.
HERBERT, D.E. (ed.). 1995. Heritage, Tourism and Society. London: Mansell Publishing: 21-31.
Silva, M.B.R. 2007. Manual de preenchimento: inventário nacional de bens imóveis sítios urbanos tombados: NBI-SU. IPHAN, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.
Silva, M.B.N. da. 2009. História de São Paulo colonial. São Paulo: EdUNESP.
Silverman, H.; Ruggles, D.F. 2007. Cultural Heritage and Human Rights. New York: Springer.
Smith, L. 2006. Uses of Heritage. London: Routledge.
Smith, L.; Waterton, E. 2009. Taking Archaeology out of Heritage. Newcastle upon Tyne. Cambridge: Cambridge Scholars Publishing.
Teles, L.S. 1977. Manual do patrimônio histórico. Universidade de Caxias do Sul.
Todorov, T. 2000. Los abusos de la memoria. Barcelona: Paidós.
Trigger, B. 1994. “Paradigms in Sudan Archaeology”. The International Journal of African Historical Studies. Boston: Boston University African Studies Centre, Vol. 27, (2): 323-45.
Tunridge, J.E.; Ashworth, G.J. 1996. Dissonant Heritage: The Management of the Past as a Resource in Conflict. Chichester: Wille.
Choay, F. 2001. A alegoria do patrimônio. São Paulo: Estação Liberdade/UNESP. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948. Disponível na Biblioteca Virtual de Direitos Humanos da Universidade de São Paulo: www.direitoshumanos.usp.br
Falcão, J.A. 1999. Crônicas do Simpósio Internacional “Proteção dos bens culturais em situação de emergência”. In: Azevedo, C.A.M. et al. (1999) Sentimento, religião e política na época moderna. Lisboa: Universidade Católica Portuguesa. Centro de Estudos de História Religiosa, CEHR-UCP: 379-81.
Funari, P.P.A.; Domínguez, L. (orgs.). 2005. As cartas internacionais sobre o patrimônio. Textos didáticos n. 57, Campinas: Unicamp/ IFCH.
Gitahy, M.L.C.; Lira, J.T.C. De. 2007. Cidade: impasses e perspectivas. São Paulo: Annablume.
Graham, B.; Ashworth, G.J.; Tunbridge, J.E. 2000. A geography of heritage: Power, culture and economy. London: Arnold.
Harvey, D.C. 2001. Heritage pasts and heritage presents: Temporality, meaning and the scope of heritage studies. International Journal of Heritage Studies, Vol. 7, (4): 319-38.
Harvey, D.C. 2006. Landscape as Heritage and Recreational Resource. KAIN, R.J.P. (ed.). Landscapes of South-West England. England’s Landscapes’s Series, Vol. 3. London: Harper Collins, English Heritage: 207-28.
Iyengar, S. 2012. The Art of Choosing. London: Abbacus.

Downloads

Publicado

2016-08-13

Como Citar

Plens, C. R., & Francisco, G. da S. (2016). Patrimônio e inventário: a escolha do objeto. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (26), 10-26. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2016.119008

Edição

Seção

Dossiê