Arqueologia da Memória da região (território) de Guarulhos

Autores

  • Alexandre Pianelli Godoy Departamento de História, Escola de Filosofia, Letras e Ciencias Humanas, Universidade de São Paulo
  • Claudia R. Plens Departamento de História, Escola de Filosofia, Letras e Ciencias Humanas, Universidade Federal de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2016.119009

Palavras-chave:

Arqueologia Pública, História Oral Temática, Memória, Patrimônio

Resumo

O artigo em questão trata de uma experiência de ensino como pesquisa em Arqueologia Pública dentro do Projeto de Inventário do Patrimônio Arqueológico de Guarulhos desenvolvido entre 2012 e 2014. A Arqueologia Pública é um ramo da Arqueologia que, embora praticada de diferentes modos, visa à interlocução entre a academia e o público acerca dos dados da interpretação arqueológica em uma dimensão intercultural. Portanto, por meio do entrecruzamento entre Arqueologia Pública, história oral temática e memória, procuramos mostrar o modo como as lembranças e as recordações dos moradores da região de Guarulhos se relacionam com os vestígios arqueológicos na concepção e recepção do patrimônio cultural/território da cidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abreu, R.; Chagas, M. (Orgs.). 2002. Memória e Patrimônio: ensaios contemporâneos. Rio de Janeiro: Lamparina.
Azevedo, F.L.M. de; Catão, L.P.; Pires, J.R.F. (Orgs.). 2009. Cidadania, Memória e Patrimônio: as dimensões do museu no cenário atual. Belo Horizonte: Crisálida.
Cadernos do CEOM/Centro de Memória do Oeste de Santa Catarina. 2007. Educação patrimonial. Chapecó: Argos, 26.
Canclini, N.G. 2009. Diferentes, desiguais e desconectados: mapas da interculturalidade. Rio de Janeiro: UFRJ.
Choay, F. 2001. A alegoria do patrimônio. São Paulo: Estação Liberdade/UNESP.
Costa, C.M. 2008. “A escrita de clio nos temp(l) os da mnemósime: olhares sobre materiais pedagógicos produzidos pelos museus”. In: Educação em Revista. Belo Horizonte, n. 47: 217-240.
De Certeau, M. 1994. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes.
Funari, P.P. 2005. Fontes arqueológicas: os historiadores e a cultura material. In: Pinsky, Carla Bassanezi (Org.). Fontes históricas. São Paulo: Contexto.
Ginzburg, C. 1989. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras: 143-180.
Grinspum, D. 2000. Educação para o patrimônio: Museu de Arte e Escola. Responsabilidade compartilhada na formação de públicos. Tese de doutorado. Faculdade de Educação da USP (FEUSP). São Paulo.
Grunberg, E. 2007. Manual de atividades práticas de educação patrimonial. Brasília, DF: IPHAN.
Horta, M.L.P.; Grunberg, E.; Monteiro, A.Q. 1999. Guia básico de Educação Patrimonial. Brasília: IPHAN/Museu Imperial.
Huyssen, A. 2000. Seduzidos pela memória. Rio de Janeiro: Aeroplano.
Martins, A.L. 2009. Fontes para o patrimônio cultural: uma construção permanente. In: Pinsky, C.B.; Luca, T.R. (Orgs.). O historiador e suas fontes. São Paulo: Contexto: 281-308.
Meihy, J.C.S.B. 2005. Manual de História Oral. 5. ed. São Paulo: Loyola.
Murta, S.M.; Albano, C. (Orgs.). 2002. Interpretar o patrimônio: um exercício do olhar. Belo Horizonte: Ed. UFMG; Território Brasilis.
Perez, C.L.V.; Tavares, M.T.G.; Araujo, M. da S. (Orgs.). 2009. Memória e patrimônios: experiências em formação de professores. Rio de Janeiro: EdUERJ.
Portelli, A. 2001. História oral como gênero. In: Projeto História. São Paulo, n. 22: 9-36.
Portelli. 2010. Ensaios de história oral. São Paulo: Letra e Voz.
Ramos, F.R.L. 2004. A danação do objeto: o museu no Ensino de História. Chapecó: Argos.
Ricoeur, P. 2007. A memória, a história e o esquecimento. Campinas, SP: Editora da UNICAMP.
Santos, B.S. de. 1997. Por uma concepção multicultural de direitos humanos. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 48.
Silva, V.A. da. 2008. “Paulistas em movimento: bandeiras, monções e tropas”. In: Setúbal, M. A. (Coord.). Terra paulista: A formação do Estado de São Paulo, seus habitantes e os usos da terra. São Paulo: CENPEC/Imprensa
Oficial:. 55-101.
Soares, A.L.R.; Klamt, S.C. (Orgs.). 2007. Educação patrimonial: teoria e prática. Santa Maria: UFSM.
Todorov, T. 2000. Los abusos de la memoria. Barcelona: Paidós.
Urry, J. 2001. O olhar do turista: lazer e viagens nas sociedades contemporâneas. 3.edição. São Paulo: Studio Nobel: SESC.
Zanirato, S.H. 2009. Usos sociais do patrimônio cultural e natural. In: Patrimônio e Memória. UNESP – FCLAs – CEDAP, v. 5: 145-60.

Downloads

Publicado

2016-08-13

Como Citar

Godoy, A. P., & Plens, C. R. (2016). Arqueologia da Memória da região (território) de Guarulhos. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (26), 27-41. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2016.119009

Edição

Seção

Dossiê