Madeiras históricas em embarcações tradicionais do baixo rio São Francisco

Autores

  • João Carlos Ferreira de Melo Júnior Universidade da Região de Joinville
  • Cláudia Franca de Barros Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2017.125770

Palavras-chave:

Patrimônio cultural, Patrimônio naval, Anatomia da madeira, Recursos florestais, Velho Chico.

Resumo

Embarcações tradicionais estão diretamente ligadas à história do rio São Francisco e de suas comunidades ribeirinhas, sendo este um dos maiores rios navegáveis que permitiram a colonização da região Nordeste do Brasil. Este estudo objetivou conhecer as madeiras utilizadas na construção de embarcações do baixo rio São Francisco, gerando subsídios para melhor compreender as relações de uso de recursos florestais destinados à carpintaria naval tradicional. Foram estudadas quatro embarcações pertencentes ao acervo do Museu Nacional do Mar, São Francisco do Sul, Santa Catarina. A coleta das madeiras históricas foi realizada com auxílio de trado de incremento para posterior produção de lâminas histológicas e descrição anatômica. A identificação das madeiras foi realizada por comparação com coleção de referência. Foram identificadas onze espécies de madeiras usadas de forma mista na construção dos componentes das embarcações. São elas: Apuleia leiocarpa (Fabaceae), Astronium graveolens (Anacardiaceae), Brosimum gaudichaudii (Moraceae), Dalbergia nigra (Fabaceae), Hymenaea courbaril (Fabaceae), Manilkara dardanoi (Sapotaceae), Myracrodruon urundeuva (Anacardiaceae), Paubrasilia echinata (Fabaceae), Sextonia rubra (Lauraceae), Tabebuia aurea (Bignoniaceae) e Terminalia glabrencens (Combretaceae). O conhecimento sobre as madeiras e seu emprego tecnológico imprimem à construção de embarcações tradicionais um rico significado cultural que integra pessoas e árvores na paisagem do rio São Francisco

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Carlos Ferreira de Melo Júnior, Universidade da Região de Joinville

Pós-doutorado em Botânica pela Escola Nacional de Botânica
Tropical do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Coordenador do Laboratório de Anatomia e Ecologia
da Universidade da Região de Joinville.

Cláudia Franca de Barros, Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Doutorado em Ciências Biológicas (Biofísica) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pesquisadora do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

Referências

Almeida Jr., E.B. 2015. Manilkara in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponivel em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB14475. Acesso em: janeiro de 2017. Acesso em: janeiro de 2017.

Andreacci, F. & Melo Jr., J.C.F. 2011. Madeiras históricas do barroco mineiro: interfaces entre o patrimônio cultural material e a anatomia vegetal. Rodriguesia 62: 241-251.

Angyalossy, V.; Amano, E. & Alves, E. S. 2005. Madeiras utilizadas na fabricação de arcos para instrumentos de corda: aspectos anatômicos. Acta Botanica Brasilica 19(4): 819-834.

Arruda, D.M.; Schaefer, C.E.G.R. & Moraes, M.T.B. 2005. Relações entre Atributos do Solo e Vegetações da Região Ecotonal do Médio Rio São Francisco, Brasil. Revista Brasileira de Ciências do Solo 39:1524-1532.

Cabral, D.C. 2008. Floresta, política e trabalho: a exploração das madeiras-de-lei no Recôncavo da Guanabara (1760-1820). Revista Brasileira de História. 28 (55): 217-241.

Camelo Filho, J.V. 2005. A dinâmica política, econômica e social do rio São Francisco e do seu vale. Revista do Departamento de Geografia 17: 83-93.

Capretti, C.; Macchioni, N.; Pizzo, B.; Galotta, G.; Giachi, G. & Giampaola, D. 2008. The characterization of waterlogged archaeological wood: the three roman ships found in Naples (Italy). Archaeometry 50: 855–876.

Carvalho, P.E.R. 2003. Espécies arbóreas brasileiras. Colombo: Embrapa Florestas. 1039p.

Carvalho, A.M. 1997. A Synopsis of the Genus Dalbergia (Fabaceae: Dalbergieae) in Brazi. Brittonia 49 (1): 87-109.

CNCFLORA. Conselho nacional de conservação da flora. 2017. Lista vermelha. Disponível em: http://cncflora.jbrj.gov.br/. Acesso em: janeiro de 2017.

Couto, R.G. 1985. Embarcações típicas do Brasil. Salvador: Index Produções Culturais. 135 p.

Dias, M.H. 2010. A floresta mercantil: exploração madeireira na capitania de Ilhéus no século XVIII. Revista Brasileira de História 30(59): 193-214.

Détienne, P. & Jacquet, P. 1983. Atlas d´identification des bois de l´Amazonie et des régions voisines. Centre Téchnique Forestier Tropical, France. 640p.

Gasson P, Miller R, Stekel DJ, Whinder F & Zieminska K. 2010. Wood identification of Dalbergia nigra (CITES Appendix I) using quantitative wood anatomy, principal components analysis and naive Bayes classification. Annals of Botany 105: 45-56.

Giachi G, Lazzeri S, Lippi MM, Macchioni N & Paci S. 2003. The wood of “C”and “F” Roman ships found in the ancient harbor of Pisa (Tuscany, Italy): the utilization of different timbers and the probable geographical area which supplied them. Journal of Cultural Heritage 4: 269-283.

Godinho, H. P. & Godinho, A. L. (org.). 2033. Águas, peixes e pescadores do São Francisco das Minas Gerais. Belo Horizonte: PUC Minas. 468p.

Gonzaga, A.L. 2010. Análise especializada sobre madeiras utilizadas na carpintaria naval. Brasília: IPHAN. 98p.

Hutter, L.M. 1986. A madeira do Brasil na construção e reparo de embarcações. Revista do Instituto de Estatística Brasileira 26: 47-64.

IAWA Committee. 1989. List of microscopic features for hardwood identification. IAWA Bulletin 10: 219-332.

IPT. Instituto de Pesquisa Tecnológica do Estado de São Paulo. 2003. Madeiras: uso sustentável na construção civil. São Paulo: IPT. 59p.

Kohler, H.C. Aspectos geoecológicos da bacia hidrográfica do São Francisco (primeira aproximação na escala 1:1 000 000), p. 25-35. In: H. P. Godinho & A. L. Godinho (org.). Águas, peixes e pescadores do São Francisco das Minas Gerais. Belo Horizonte: PUC Minas, 2003. 468p.

Kraus, J.E. & Arduin, M. 1997. Manual básico de métodos em morfologia vegetal. Seropédica/RJ: Edur. 198p.

Lima, H.C. 2015. Apuleia in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponivel em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB22796. Acesso em: janeiro de 2017.

Lima, H.C. & Pinto, R.B. 2015. Hymenaea in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponivel em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB22972. Acesso em: janeiro de 2017.

Lima, H.C. 2017. Paubrasilia in Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB602728. Acesso em: janeiro de 2017.

Lohmann, L.G. 2017. Tabebuia in Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB114257. Acesso em: janeiro de 2017.

Lorenzi, H. 1992. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. v. 1. Nova Odessa: Plantarum. 352p.

Lorenzi, H. 2002. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. v. 2. Nova Odessa: Plantarum. 368p.

Mainieri, C. & Chimelo, J.P. 1989. Fichas de características das madeiras brasileiras. IPT, São Paulo.

Marquete, N. & Loiola, M.I.B. 2015. Combretaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponivel em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB6917. Acesso em: janeiro de 2017.

Melo Jr., J.C.F. 2012a. Aspectos Anatômicos de Madeiras Históricas do Período Colonial do Nordeste de Santa Catarina: elementos para conservação do patrimônio cultural. Revista Confluências Culturais 1: 70-84.

Melo Jr., J.C.F. 2012b. Anatomia de madeiras históricas: um olhar biológico sobre o patrimônio cultural. Univille, Joinville. 132p.

Melo Jr., J.C.F.; Gomes-Silva, E. & Ouriques, M.M. 2013. Aspectos anatômicos e etnobotânicos de artefatos zoomórficos em madeira Guarani-Mbyá do aldeamento Pindoty, Araquari/SC. Ciência e Cultura (Barretos) 9: 47-57.

Melo Jr., J.C.F.; Amorim, M. W. & Silveira, E. R. 2014. A xiloteca (coleção Joinvillea - JOIw) da Universidade da Região de Joinville. Rodriguésia 65: 1057-1060.

Melo Jr., J.C.F. & Boeger, M.R.T. 2015. The use of wood in cultural objects in 19th Century Southern Brazil. IAWA Journal 36 (1): 98-116.

Melo Jr., J.C.F. & Magalhaes, W.L.E. 2015. Antracologia de fogueiras paleoíndias do Brasil central: considerações tecnológicas e paleoetnobotânicas sobre o uso de recursos florestais no abrigo rupestre Lapa do Santo, Minas Gerais, Brasil. Antipoda Revista de Antropologia y Arqueologia 22: 137-161.

Montenegro, S.C.S.; Nordi, N. & Marques, J.G.W. 2001. Contexto cultural, ecológico e econômico da produção e ocupação dos espaços de pesca pelos pescadores de pitu (macrobrachium carcinus) em um trecho do Baixo São Francisco, Alagoas-Brasil. Interciencia 26 (11): 535-540.

Museu Nacional do Mar. 2008. Cadastramento de embarcações tradicionais brasileiras (litoral de Santa Catarina). Memorial descritivo.

Museu Nacional do Mar. 2010. Arrolamento do acervo museológico do Museu Nacional do Mar – fichas cadastrais. São Francisco do Sul: MNM. 316p.

Navios & Portos. 2011. História da marinha mercante brasileira. Disponível em http://www.navioseportos.com.br. Acesso em: novembro de 2016.

Paiva, J.G.A.; Fank-de-Carvalho, S.M.; Magalhães, M.P. & Graciano-Ribeiro, D. 2006. Verniz vitral incolor 500: uma alternativa de meio de montagem economicamente viável. Acta Botanica Brasilica 20: 257-264.

Paiva, M. P. 1982. Grandes represas do Brasil. Brasília: Editerra. 304p.

Pardal, P. 1979. Carrancas do São Francisco. Rio de Janeiro: Funarte. 32p.

Quinet, A., Baitello, J.B., Moraes, P.L.R. de, Assis, L. & Alves, F.M. 2015. Lauraceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponivel em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB84433. Acesso em: janeiro de 2017.

Romaniuc Neto, S., Carauta, J.P.P., Vianna Filho, M.D.M., Pereira, R.A.S., Ribeiro, J.E.L. da S., Machado, A.F.P., Santos, A. dos, Pelissari, G. & Pederneiras, L.C. 2015. Moraceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponivel em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB19772. Acesso em: janeiro de 2017.

Savidge RA. 2003. Tree growth and wood quality. In: JR Barnett & G Jeronimidis (ed.), Wood quality and its biological basis: 1--29. Blackwell Publishing, Oxford.

Silva, I.R.L. 2013. Vamos navegar! A construção artesanal de canoas na cidade de Pão de Açúcar: arte e tradicão pelas mãos dos mestres fazedores de canoas. III Seminário de estudos culturais, identidades e relações interétnicas. Anais do (…). Universidade Federal de Sergipe. 2013.

Silva-Luz, C.L. & Pirani, J.R. 2015. Anacardiaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponivel em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB4385. Acesso em: janeiro de 2017.

Souza, R.C.A. & Caldas, A.S. 2009. Viagem ao São Francisco. Salvador: Unifacs. 64 p.

Valencio, N.F.L.S.; Leme, A.A.; Martins, R.C.; Mendonça, S.A.T.; Gonçalves, J.C.; Mancuso, M.I.R.; Mendonça, I. & Feliz, S.A. 2003. A precarização do trabalho no território das águas: limitações atuais ao exercício da pesca profissional no alto-médio São Francisco, p. 423-446. In: H. P. Godinho & A. L. Godinho (org.). Águas, peixes e pescadores do São Francisco das Minas Gerais. Belo Horizonte: PUC Minas, 2003. 468p.

Wheeler, E.A. 2011. InsideWood - A web resource for hardwood anatomy. IAWA Journal 32 (2): 199–211.

Downloads

Publicado

2017-12-31

Como Citar

Melo Júnior, J. C. F. de, & Barros, C. F. de. (2017). Madeiras históricas em embarcações tradicionais do baixo rio São Francisco. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (28). https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2017.125770

Edição

Seção

Artigos