A morfologia dos vasos Jê na produção de cauim de milho em Vereda III: uma proposição

Autores

  • Gilberto G. Gardiman Universidade Federal de Minas Gerais
  • Igor Morais Mariano Rodrigues Universidade Federal de Minas Gerais
  • Leandro M. Cascon Universidade de São Paulo. Museu de Arqueologia e Etnologia
  • Andrei Isnards Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2016.137288

Palavras-chave:

Arqueobotânica, Fermentação, Cauim de milho, Jê, Vasos cerâmicos.

Resumo

A análise arqueobotânica focada em grânulos de amido extraídos de vasos cerâmicos e um artefato lítico exumados em Vereda III, MG revelou a presença generalizada do milho (Zea mays sp). Um estudo prévio realizado com os artefatos havia detectado marcas de uso típicas da fermentação em alguns vasos, assim, levantou-se a possibilidade de que mais vasos teriam sido utilizados na produção de cauim de milho. Tratou-se de compreender a produção dessa bebida/alimento nas suas múltiplas possibilidades através de relatos históricos, etnografias, informações tecnológicas e testes com fermentação. Os efeitos tafonômicos das distintas etapas do processo sobre os grânulos de amido de milho foram pesquisados em literatura e através de testes. Faz-se aqui uma proposição quanto à morfologia dos vasos Jê utilizados na elaboração do cauim de milho, pensada a partir do cruzamento de 2 tipos de evidências: o estudo dos microvestígios contidos nos artefatos arqueológicos e as marcas de uso nos vasos. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gilberto G. Gardiman, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduação em Antropologia, habilitação Arqueologia-UFMG; Engenheiro de alimentos, Mestrado em Planificação em Alimentação e Nutrição



Igor Morais Mariano Rodrigues, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestre em Antropologia com concentração em Arqueologia pelo PPGAN-UFMG. Centro Especializado em Arqueologia Pré-Histórica do MHNJB-UFMG

Leandro M. Cascon, Universidade de São Paulo. Museu de Arqueologia e Etnologia

Bolsista FAPESP, doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Arqueologia do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo

Andrei Isnards, Universidade Federal de Minas Gerais

Cientista social com ênfase em Arqueologia. Mestrado
e doutorado em Arqueologia. Professor adjunto do Departamento
de Sociologia e Antropologia da UFMG; Centro
Especializado em Arqueologia Pré-Histórica do MHNJB-UFMG.

Referências

Arthur, J.W. 2002. Pottery Use-Alteration as an Indicator of Socioeconomic Status: An Ethnoarchaeological Study of the Gamo of Ethiopia. Journal of Archaeological Method and Theory 9 (4): 331-355.
Babot, M.P. 2003. Starch grain damage as an indicator of food processing. In: Hart, D.M., Wallis, L.A. (Orgs.), Phytoliths and starch research in the Australian-Pacific-Asia regions. Australian National University, Terra Australis.
Babot, M.P. 2007. Granos de almidón en contextos arqueológicos: posibilidades y perspectivas a partir de casos del noroeste argentino. In: Marconetto, B., Babot, P., Oliszewski, N. (orgs.). Paleoetnobotánica del cono Sur: Estudios de casos y propuestas metodológicas. Córdoba: Ferreyra Editor. 95-125pp.
Brochado, J.P. 1977. Alimentação na floresta tropical. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Caderno n° 2. Coil, J.; Korstanje, M.A.; Archera, S.; Hastorf, C. 2003. Laboratory goals and considerations for multiple microfossil extraction in archaeology. Journal of Archaeological Science, 30: 991-1008.
Freireyss, G.W. (1906). Viagem ao interior do Brasil nos anos de 1814-1815. Revista do Instituto Historico e Geographico de São Paulo XI: 158-228. Disponível em: http:// biblio.etnolinguistica.org/freireyss_1906_ viagem; Acessado em: 17/03/2015.
Gardiman, G.G. 2014. Vereda III: uma análise paleoetnobotânica. Monografia de graduação. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. Giovannetti, M.; Capparelli, A.; Pochettino,
M.L. 2008. La Arqueobotánica en Sudamérica. ¿Hacia un equilibrio de enfoques? Discusión en torno a las categorías clasificatorias y la práctica arqueobotánica y paleoetnobotánica. In: Archila, S., Giovannetti, M., Lema, V. (Eds.). Arqueobotánica y Teoria Arqueológica: discussiones desde Suramérica. Universidad de los Andes, Facultad de Ciencias Sociales, Departamento de Antropología, CESO, Ediciones Uniandes, Bogotá, 17-34.
Haslam, M. 2004. The decomposition of starch grains in soils: implications for archaeological residue analyses. Journal of Archaeological Sciences, 31: 1715-1734. Henry, A.G.; Hudson, H.F.;
Piperno, D.R. 2009 Changes in starch grain morphologies from cooking. Journal of Archaeological Sciences, 36: 915-922. Hoehne, F.C. 1937. Botânica e agricultura no Brasil do século XVI. Pesquisas e contribuições. Série 5a Brasiliana vol.71. Companhia Editora Nacional, São Paulo.
Juan-Tresserras, J. 1998. La cerveza pré-histórica: investigaciones arqueobotânicas y experimentales. In: Maya, J.L., Cuesta, F., López, J. (eds.) Genó: um poblado del Bronce Finalen el Bajo Segre (Lleida). Publicacions Universitat de Barcelona, Barcelona, 239-252. Lima, O.G. 1975. Pulque, balchê e pajauaru. Na etnologia das bebidas e dos alimentos fermentados. Universidade Federal de Pernambuco, Recife.
Neves, W.A.; Kipnis, R.; Araújo, A.; Piló, L.B.; Hubbe, M.O.; Gonçalves, D.; Gloria, P.T.; Hubbe, A.C.; Castro de Oliveira, E.;
Auti, J.P.V. (2004). Origens e microevolução do homem na América: uma abordagem paleoantropológica. Relatório. FAPESP, São Paulo.
Neumann, M.A. 2008. Ñande-Rekó. Diferentes jeitos de ser Guarani. Dissertação de mestra do. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.
Noelli, F.S; Brochado, J.P. 1998. O cauim e as beberagens da guarani e tupinambá: equipamentos, técnicas de preparação e consumo. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, 8: 117-128.
Rodrigues, 2011. Fora das grandes aldeias: A ocupação do recôndito sítio arqueológico Vereda III. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.
Spix, J.B.; Martius, C.F.P. 1824. Travels in Brazil in the years 1817-1820 (Lloyd, H.E., trad.). Longman, Hurst, Rees, Orme, Brown and Green: London. Disponível em: http:// www.etnolinguistica.org/biblio:spix-martius-1824-travels.
Vinton, S.D.; Perry, L.; Reinhard, K.J.; Santoro, C.M.; Teixeira-Santos, I. 2009. Impact of Empire Expansion on Household Diet: The Inka in Northern Chile’s Atacama Desert. PLoS ONE 4(11): e8069. doi: 10.1371/journal.pone.0008069.
Wied-Neuwied, M.P. 1942. Viagem ao Brasil nos anos de 1815 a 1817. Mendonça, Edgard S.; Figueiredo, Flavio P. (trads.). Brasiliana. Série 5a , vol.1. Disponível em: http://www. brasiliana.com.br/obras/viagem-ao-brasilnos-anos-de-1815-a-1817.

Downloads

Publicado

2016-12-24

Como Citar

Gardiman, G. G., Rodrigues, I. M. M., Cascon, L. M., & Isnards, A. (2016). A morfologia dos vasos Jê na produção de cauim de milho em Vereda III: uma proposição. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (27), 111-120. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2016.137288