Reflexões sobre a territorialidade Kaingang e a importância da intertrans- disciplinaridade.

Autores

  • Kimiye Tommasino Universidade Estadual de Londrina

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2016.137289

Palavras-chave:

Kaingang, Interdisciplinaridade, Antropologia, Territorialidade

Resumo

Este artigo tem como objetivo – a partir de muitas experiências de pesquisa e extensão com os Kaingang – tecer algumas considerações sobre as limitações do paradigma cartesiano que ainda impera nas universidades e mostrar que uma das formas de superá-las é adotar abordagens inter-trans-disciplinares. Tento demonstrar que esse recurso permite avançar nas análises sobre a complexificação das realidades vividas pelos Kaingang ao longo da história recente. Para isso recorto como exemplo as pesquisas sobre territórios e territorialidades kaingang no Paraná e em Santa Catarina. Por fim, tento mostrar que existem ainda aspectos importantes da realidade sociocultural e histórica desse povo que não têm sido tema de pesquisas específicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Baldus, H. 1979. Ensaios de Etnologia Brasileira. São Paulo: INL/MEC
Becker, I. 1976. O Índio Kaingang do Rio Grande do Sul. Instituto Anchietano de Pesquisas/ Unisinos. São Leopoldo.
Morin, E. 2002. Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios. Almeida, M.C., Carvalho, E.A. (Orgs.) – São Paulo: Cortez.
Mota, L.T. As guerras dos índios Kaingang: A história épica dos índios Kaingang no Paraná. Maringá: EDUEM, 1994.
Mota, L.T. 1998. O aço, a cruz e a terra: índios e brancos no Paraná provincial (1853-1889). Tese de doutoramento em História, UNESP-Assis.
Mota, L.T. 2002. (Org.). Diagnóstico Etno-ambiental da Terra Indígena Indígena Ivaí-PR. Programa Interdisciplinar de Estudos de Populações. Maringá: Laboratório de Arqueologia, Etnologia e Etno-História/ UEM.
Mota, L.T.; Novak, E.S. 2008. Os Kaingang do Vale do Rio Ivaí–PR: história e relações interculturais. EDUEM. Maringá.
Nimuendaju, C. 1993 [1913]. Etnografia e Indigenismo: sobre os Kaingáng, os Ofaié-Xavante e os Índios do Pará. Editora da UNICAMP. Campinas.
Pires, M.L.M. 1975. Guarani e Kaingang no Paraná: um estudo de relações intertribais.Dissertação de mestrado em Antropologia da UNB. Brasília.
Schaden, E. 1959. A Mitologia heróica de tribos indígenas do Brasil. Departamento de Imprensa Nacional. Rio de Janeiro.
Simonian, L.T.L. 1981. Terra de posseiro: um estudo sobre as políticas de terras indígenas. Dissertação de mestrado. UFRJ/Museu Nacional.
Tommasino, K. 1995. A História dos Kaingang da Bacia do Tibagi: uma sociedade Jê Meridional em movimento. Tese de doutoramento em Antropologia da USP. São Paulo.
Tommasino, K.; Cabral Jr., V.A. ; Capucci, J. 1998. Identificação das famílias kaingang residentes na cidade de Chapecó. FUNAI-DAF/ MJ, Brasília. Datilografado.
Tommasino, K.; Capucci, J.M.R. e Cabral Jr., V.A. Eleição de área para os Kaingang da Aldeia Kondá. Relatório II. FUNAI/MJ. Chapecó, agosto de 1999.
Tommasino, K.; Barros, V.E.N. e Quinteiro, C.T. Março de 2000. Os Guarani na bacia do Paranapanema. Parentesco, casamento e redes de sociabilidade étnica. Relatório Complementar e Preliminar Especialmente Elaborado para o IBAMA/Comissão de Licenciamento da UHE São Jerônimo. Londrina.
Wiesemann, U. 1978. Os dialetos da língua Kaingáng e Xokléng. Arquivos de Anatomia e Antropologia, 3: 197-217.

Downloads

Publicado

2016-12-24

Como Citar

Tommasino, K. (2016). Reflexões sobre a territorialidade Kaingang e a importância da intertrans- disciplinaridade. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (27), 121-134. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2016.137289