Estratégias de assentamento: uma análise sobre o sítio arqueológico Rincão dos Albinos, Planalto de Santa Catarina – Brasil

Autores

  • Raul Viana Novasco Instituto Anchietano de Pesquisas. Uiversidade do Vale do Rio dos Sinos
  • Pedro Ignácio Schmitz Instituto Anchietano de Pesquisas.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2016.137347

Palavras-chave:

Arqueologia, Paisagem, Casas subterrâneas, Jê Meridional, Rincão dos Albinos

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo apresentar uma proposta de interpretação sobre o processo de formação do sítio arqueológico Rincão dos Albinos, elaborada a partir de resultados obtidos através de escavações arqueológicas e análises cartográficas. O referido sítio arqueológico está localizado no município de São José do Cerrito, planalto sul de Santa Catarina, e é composto por 107 casas subterrâneas de dimensões diversas, agrupadas em dois núcleos principais, ocupando uma área total de aproximadamente 6 hectares. Através das escavações arqueológicas, principalmente a partir de dados estratigráficos e cronológicos, foram obtidas informações parciais a respeito do processo de formação do sítio que, conforme sugerem as datas obtidas, tem início há 1.400 anos AP e se estende até 800 anos AP. No decorrer desta ocupação, estratégias de assentamento e uso do espaço foram desenvolvidas e, por meio de levantamentos topográficos, foi possível identificar elementos que nos permitem inferir a existência de variáveis que interferiram nas escolhas feitas pelos construtores das casas subterrâneas, em relação a sua localização e dispersão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Beber, M.V. 2004. O Sistema de assentamento
dos grupos ceramistas do planalto sul-brasileiro:
o caso da Tradição Taquara/Itararé. Tese
(Doutorado em História), São Leopoldo,
Universidade do Vale do Rio dos Sinos
(UNISINOS).
Beber, M.V. 2013. Sítios arqueológicos do
município de São José do Cerrito, SC. Um
panorama. Pesquisas(Antropologia), 70: 43-64.
Binford, L.R. 1962. Archaeology as anthropology. American Antiquity, 28 (2): 217-225.
Binford, L.R. 1982. The archaeology of place. Journal of Anthropological Archaeology, 1 (1): 5-31.
Chang, K.C. 1968. Settlement archeology. California: Palo Alto.
Copé, S.M. 2015. A gênese das paisagens culturais do planalto sul brasileiro. Revista de
Estudos Avançados, 29 (83): 149-171.
Corteletti, R.; Dickau, R.; De Blasis, P.; Iriarte,
J. 2015. Revisiting the economy and mobility of Southern proto-Jê (Taquara-Itararé)
groups in the Southern Brazilian highlands:
starch grain and phytoliths analyses from
the Bonin site, Urubici, Brazil. Journal of
Archaeological Science, 58: 46-61.
Feder, K. 1997. Site survey. In: Hester, T.;
Shafer, H.; Feder, K. (Eds.) Field methods
in Archaeology. Mountain View: Mayfield
Publishing Company, p. 41-68.
Iriarte, J.; Copé, S.M.; Fradley, M.; Lockhart,
J.J.; Gillam, J.C. 2013. Sacred landscapes of
the Southern Brazilian highlands: understanding the Southern proto-Jê mound and
enclosure complexes. Journal of Anthropological Archaeology, 32: 74-96.
Mergen, N.M. 2016. Complexidade na arqueologia
do Jê Meridional: a contribuição de São José do
Cerrito. Dissertação (Mestrado em História), São Leopoldo, Universidade do Vale do
Rio dos Sinos (UNISINOS).
Reis, M.J. 2007. A problemática arqueológica das
estruturas subterrâneas no planalto catarinense.
Erechim: Habilis.
Rogge, J.H.; Schmitz, P.I. 2009. Pesquisas
arqueológicas em São Marcos, RS. Pesquisas
(Antropologia), 67: 23-132.
Schmitz, P.I.; Novasco, R.V. 2011. Arqueologia
no Planalto: o uso do SIG na aplicação de
análises espaciais dos sítios arqueológicos
da localidade de Boa Parada, município
de São José do Cerrito. Revista do Museu de
Arqueologia e Etnografia, 21: 167-183.
Schmitz, P.I.; Rogge, J.H.; Rosa, A.O.; Beber,
M.V.; Mauhs, J.; Arnt, F. 2002. O projeto
Vacaria: casas subterrâneas no Planalto
Rio-grandense. Pesquisas (Antropologia), 58:
11-105.
Schmitz, P.I.; Rogge, J.H.; Novasco, R.V.;
Mergen, N.; Ferrasso, S. 2013. Rincão dos
Albinos: um grande sítio Jê Meridional.
Pesquisas (Antropologia), 70: 65-131.
Schmitz, P.I.; Rogge, J.H.; Novasco, R.V.;
Beber, M.V.; Ferrasso, S.; Perondi, V.;
Mergen, N.M. 2016ª. De volta a Boa
Parada, lugar de casas subterrâneas, ‘aterros
plataforma’ e ‘danceiros’. Pesquisas (Antropologia), 72: 7-62.
Schmitz, P.I.; Rogge, J.H.; Novasco, R.V.; Beber,
M.V.; Ferrasso, S.; Perondi, V.; Mergen,
N.M. 2016b. Santo Antônio dos Pinhos em
São José do Cerrito, SC: um teste para Boa
Parada. Pesquisas (Antropologia), 72: 63-98.
Souza, J.G.; Corteleti, R.; Robinson, M.; Iriarte,
J. 2016 The genesis of monuments: Resisting outsiders in the contested landscape of
Southern Brazil. Journal of Anthropological
Archaeology, 41: 196-212

Downloads

Publicado

2016-12-24

Como Citar

Novasco, R. V., & Schmitz, P. I. (2016). Estratégias de assentamento: uma análise sobre o sítio arqueológico Rincão dos Albinos, Planalto de Santa Catarina – Brasil. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (27), 213-225. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2016.137347