Tradições arqueológicas ceramistas de dois povos Jê: Kayapó meridional e Kaingang da região centro norte de São Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2018.146044

Palavras-chave:

Tradição Aratu-Sapucaí, Tradição Neobrasileira, Kayapó meridional, Kaingang, Fronteira cultural

Resumo

Este artigo aborda a questão da homogeneização cultural das tradições ceramistas Aratu-Sapucaí e da Neobrasileira relacionada à variabilidade de enterramentos, formas e de decoração incisa em vasilhames cerâmicos diante de contextos arqueológicos evidenciados por projetos acadêmicos em regiões ocupadas por povos do tronco linguístico Macro-Jê: Kayapó meridional no extremo oeste de Minas Gerais e, Kaingang, na região centro norte de São Paulo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Angelina Alves, Universidade de São Paulo. Museu de Arqueologia e Etnologia

Professora associada, doutora e livre docente em Arqueologia Brasileira do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo

Referências

Alves, M.A. 1982. Estudo do Sítio Prado: um sítio lito-cerâmico colinar. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo. São Paulo.

Alves, M.A. 1983. Estudo do Sítio Prado: um sítio lito-cerâmico. Revista do Museu Paulista 29: 169-199.

Alves, M.A. 1988. Análise cerâmica: estudo tecnotipológico. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo. São Paulo.

Alves, C. 1991. A cerâmica pré-histórica no Brasil: avaliação e proposta. Clio, Série Arqueológica 1: 11-88.

Alves, M.A. 1992. As estruturas arqueológicas do Alto Paranaíba e Triângulo Mineiro, Minas Gerais. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia 2: 27-47.

Alves, M.A. 1993. Relatório da 1ª campanha de pesquisa campo realizada no sítio Água Limpa. (Relatório final). CNA; Iphan, São Paulo.

Alves, M.A. 1994a. Relatório de salvamento arqueológico do Sítio ATM-691, 1ª campanha linha do Poliduto Replan-Brasília. (Relatório final). Petrobras,Rio de Janeiro.

Alves, M.A 1994b. Relatório da 2ª campanha de pesquisa de campo realizada no sítio Água Limpa.(Relatório final). CNA; Iphan, São Paulo.

Alves, M.A. 1995a. Relatório de salvamento arqueológico do sítio ATM-691, 2ª campanha linha do Poliduto Replan-Brasília. (Relatório final). Petrobras, Rio de Janeiro.

Alves, M.A. 1995b. Relatório de salvamento arqueológico do sítio ATM-691, 3ª campanha linha do Poliduto Replan-Brasília. (Relatório final). Petrobras, Rio de Janeiro.

Alves, M.A. 1995c. Relatório da 3ª campanha de pesquisa de campo realizada no sítio Água Limpa. (Relatório final). CNA; Iphan, São Paulo.

Alves, M.A. 1996. Relatório da 4ª campanha de pesquisa de campo realizada no sítio Água Limpa. (Relatório final). CNA; Iphan, São Paulo.

Alves, M.A. 2000. Relatório da 5ª campanha de pesquisa de campo realizada no sítio Água Limpa. (Relatório final). CNA; Iphan, São Paulo.

Alves, M.A. 2002a. O Sítio Rezende: de acampamento de caçadores-coletores a aldeia ceramista pré-histórica. Clio. Série Arqueológica 15: 189-203.

Alves, M.A. 2002b. Teorias, métodos, técnicas e avanços na arqueologia brasileira. Canindé: Revista do Museu de Arqueologia de Xingó 2: 9-51

Alves, M.A. 2003. Documentação cerâmica contextualizada e as diferenças de gêneros nos sepultamentos primários do sítio Água Limpa, Monte Alto, São Paulo. Canindé: Revista do Museu de Arqueologia de Xingó 3: 275-289

Alves, M.A. 2004. Estratigrafia, estruturas arqueológicas e cronologia do sítio Água Limpa, Monte Alto, S.P. Canindé: Revista do Museu de Arqueologia de Xingó 4: 283-324

Alves, M.A. 2006. Relatório da 6ª campanha de pesquisa de campo realizada no sítio Água Limpa.(Relatório final). CNA; Iphan, São Paulo.

Alves, M.A. 2009. Assentamentos e cultura material indígena anteriores ao contato no Sertão da Farinha Podre, MG e Monte Alto, SP. Tese de Livre Docência. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Alves, M.A. 2013a. Assentamentos e cultura material indígena anteriores ao contato. Habilis Press, Erechim:

Alves, M.A. 2013b. A Arqueologia no Extremo Oeste de Minas Gerais. Revista Espinhaço 2: 96-117.

Alves, M.A. 2014. Relatório da 7ª campanha de pesquisa de campo realizada no sítio Água Limpa.(Relatório final). CNA; Iphan, São Paulo.

Alves, M.A. 2016. Dinâmica sociocultural no Extremo Oeste de Minas Gerais, Brasil. In: Anais do 8 Congresso de Teoria Arqueológica de América do Sul,2016 La Paz.

Alves, M.A.; Girardi, V.A.V. 1989. A confecção de lâminas microscópicas e o estudo da pasta cerâmica. Revista de Pré-História 7: 150-162.

Alves, M.A.; Cheuiche Machado, L. 1995. Estruturas arqueológicas e padrões de sepultamento do sítio de Água Limpa, Monte Alto, São Paulo. In: Anais da 8 Reunião Científica da Sociedade de Arqueologia Brasileira, 1995, Porto Alegre.

Alves, M.A.; Cheuiche Machado, L. 1996. Estruturas arqueológicas e padrões de sepultamento do sítio de Água Limpa, município de Monte Alto, São Paulo. In: Anais da 8 Reunião Científica da Sociedade de Arqueologia Brasileira, 1995, Porto Alegre.

Alves, M.A.; Calleffo, M.E.V. 1996. Sítio de Água Limpa, Monte Alto, São Paulo: estruturas de combustão, restos alimentares e padrões de subsistência. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia 6: 123-140.

Alves, M.A.; Calleffo, M.E.V. 2000. Caça, coleta e pesca entre os horticultores-ceramistas de Água Limpa, Monte Alto, São Paulo. In: Anais da 9 Reunião da Sociedade de Arqueologia Brasileira, 1997, Rio de Janeiro.

Alves, M.A. et al. 2001. Horticultores-ceramistas do vale do Turvo, Monte Alto, São Paulo: padrão de assentamento, estratigrafia, cultura material e cronologia. In: Anais da 11 Reunião da Sociedade de Arqueologia Brasileira, 2001, Rio de Janeiro.

Ataídes, J.M. 1991. Sob o signo da violência: colonizadores e Kayapó do Sul no Brasil central. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Goiás, Goiânia.

Barbosa, A. 1918.Descrição dos índios Cayapós e Panarás:vocabulário e mapa da região ocupada pelos Caiapós.(Documento datado – 2 set. 1918). Arquivo Público, Uberaba.

Barros, M.P.A.A. Van de Wiel de. 2004. A cerâmica figurativa temática dos índios Karajá. Tese de doutorado. Pontifícia Universidade Católica, São Paulo.

Barros, A.S.A. 2016. Os caçadores-coletores do médio vale de Paranaíba, Minas Gerais: estudo da cadeia operatória e sistema tecnológico do sítio ATM-691 Tupaciguara/MG. e análise comparativa com o sítio Rezende, Centralina/MG. Memorial de qualificação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Bélo, T.P. 2007. Estudo tecnológico e das cadeias operatórias da cultura material lítica e cerâmica coletada nos anos de 1995, 1996 e 2000, no sítio Água Limpa, município de Monte Alto, S.P. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Borelli, S.H.S. 1983. Os Kaingang no estado de São Paulo: transfiguração e perplexidade cultural de uma etnia. Dissertação de mestrado. Pontifícia Universidade Católica, São Paulo.

Borelli, S.H.S. 1984. Os kaingang no Estado de São Paulo: constantes históricas e violência deliberada. In:Monteiro, J.M. et al. (Orgs.). Índios no estado de São Paulo:resistência e transfiguração. Yankatu; Comissão Pró-Índio, São Paulo, 45-82.

Calderón, V. 1969. A fase Aratu no recôncavo e litoral norte do estado da Bahia:resultados preliminares do terceiro ano de pesquisas: PRONAPA 3: 1967-1968. Publicações Avulsas do Museu Emílio Goeldi 13: 161-171.

Calderón, V. 1971. Breve notícia sobre a arqueologia de duas regiões do estado da Bahia. Resultados preliminares do quarto ano de pesquisas: PRONAPA 4: 1968-1969. Publicações Avulsas do Museu Emílio Goeldi 15: 163-177.

Calderón, V. 1974. Contribuição para o conhecimento da arqueologia do Recôncavo e do Sul do estado da Bahia. Resultados preliminares do quinto ano de pesquisas: PRONAPA 5: 1969-1970. Publicações Avulsas do Museu Emílio Goeldi 26: 141-156.

Calleffo, M.E.V. 1999a. Vestígios zooarqueológicos no sítio Água Limpa, Monte Alto, São Paulo. In: Anais da 10 Reunião da Sociedade de Arqueologia Brasileira, 1999, Recife.

Calleffo, M.E.V. 1999b. Vestígios hepertofaunísticos na dieta alimentar da população pré-histórica do Sítio Arqueológico de Água Limpa, Monte Alto, estado de São Paulo. In: Anais do 5 Congresso Latino-Americano de Hepertologia, 1999, Montevideo.

Calleffo, M.E.V.; Bizerra, A.F. 1996. Identificação taxonômica dos ossos, placas dérmicas e conchas coletados no sítio Água Limpa.In: Painel bilíngue: Português/Inglês. Museu Municipal de Arqueologia, Monte Alto.

Campos, S.M.C.T.L. 2007. Bonecas Karajá: modelando inovações, transmitindo tradições. Tese de doutorado. Pontifícia Universidade Católica, São Paulo.

Chmyz, I. (Ed.). 1966. Terminologia arqueológica brasileira para a cerâmica. Centro de Ensino e Pesquisas Arqueológicas, Curitiba.

Chmyz, I. (Ed.). 1969. Terminologia arqueológica brasileira para a cerâmica. 2. ed. Centro de Ensino e Pesquisas Arqueológicas, Curitiba.

Chmyz, I. (Ed.). 1976. Terminologia arqueológica brasileira para a cerâmica. 3. ed. Centro de Ensino e Pesquisas Arqueológicas, Curitiba.

Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). 1995.Programa de salvamento arqueológico – UHE – Nova Ponte (Relatório final).Cepa-UFPR, Belo Horizonte.

D’Alincourt, L. 1976. Memória sobre a viagem do Porto de Santos à cidade de Cuibá. Martins Fontes, São Paulo.

Dias Júnior, O.F. 1971a. Breves notas a respeito das pesquisas no sul de Minas Gerais. Resultados preliminares do quarto ano de pesquisas: PRONAPA 4: 1968-1969. Publicações Avulsas do Museu Emílio Goeldi 15: 133-148.

Dias Júnior, O.F. 1971b. Fase Parati: apontamentos sobre uma fase cerâmica Neo-Brasileira. Universitas: revista de cultura da Universidade Federal da Bahia 8/9: 117-133.

Dias Júnior, O.F. 1974. Nota prévia sobre as pesquisas arqueológicas em Minas Gerais. Resultados preliminares do quinto ano de pesquisas: PRONAPA 5: 1969-1970. Publicações Avulsas do Museu Emílio Goeldi 26: 105-116.

Dias Júnior, O.F. 1975. Pesquisas arqueológicas no sudeste brasileiro. Boletim do Instituto de Arqueologia Brasileira. Série Especial 1: 3-17.

Dias Júnior, O.F. 1976. Evolução da cultura em Minas Gerais e no Rio de Janeiro. Anuário de Divulgação Científica: 3/4: 110-130.

Dias Júnior, O.F. 1988. A cerâmica Neo-Brasileira.In: Arqueo-IAB (Eds.). Textos Avulsos 01.Instituto de Arqueologia Brasileira, Rio de Janeiro, 1-8.

Fagundes, M. 2004a. Sítio Rezende:das cadeias operatórias ao estilo tecnológico: um estudo de dinâmica cultural no médio vale do Paranaíba, Centralina, Minas Gerais. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Fagundes, M. 2004b. O conceito de estilo e sua aplicação em pesquisas arqueológicas. Canindé: Revista do Museu de Arqueologia de Xingó 4: 117-146.

Fagundes, M. 2005. Recorrências e mudanças no sistema tecnológico do sítio Rezende, médio vale do Paranaíba, Minas Gerais: estudo de variabilidade estilística nos horizontes líticos dos caçadores-coletores e agricultores ceramistas. Canindé: Revista do Museu de Arqueologia de Xingó 5: 163-206.

Fagundes, M. 2006. Conjuntos artefatuais cerâmicos do sítio Rezende, Centralina, Minas Gerais: as escolhas culturais na pré-história. Canindé: Revista do Museu de Arqueologia de Xingó 7: 147-185.

Fernandes, S.C.G. 2001a. Estudo tecnotipológico da cultura material das populações pré-históricas do vale do rio Turvo, Monte Alto, São Paulo e a Tradição Aratu-Sapucaí. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Fernandes, M. 2001b. Estudo tecnotipológico da cerâmica no sítio Água Limpa, Monte Alto, São Paulo e a Tradição Aratu-Sapucaí. In: Anais da 10 Reunião da Sociedade de Arqueologia Brasileira, 1999, Recife

Fernandes, M. 2001c. Contribuição para os estudos da Tradição Aratu-Sapucaí – estudo de caso: o sítio arqueológico de Água Lima, Monte Alto, São Paulo. Canindé: Revista do Museu de Arqueologia de Xingó 1: 169-210.

Fernandes, M. 2003. Captação de recursos naturais e indústria lítica de Água Limpa, Monte Alto, São Paulo. Canindé: Revista do Museu de Arqueologia de Xingó 3: 151-164.

Figueiredo, M.T. 2008. Estudo da cultura lítica e cerâmica dos sítios Silva Serrote e Menezes:análise das cadeias operatórias dos vestígios de culturas pré-coloniais do Alto Paranaíba, Minas Gerais. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Ford, J.A. 1962. Método cuantitativo para establecer cronologias culturales. (Manual técnico). Unión Panamericana, Washington.

Giraldin, O. 1997. Cayapó e Panará:luta e sobrevivência de um povo Jê no Brasil Central. Ed. da Unicamp, Campinas.

Gomes, D.M.C. 2002. Cerâmica arqueológica da Amazônia.Edusp, São Paulo.

Leroi-Gourhan, A. 1943. Evolution et technique I: l’homme et la matiére. A. Michel, Paris.

Leroi-Gourhan, A. 1945. Evolution et technique II: milieu et techniques. A. Michel, Paris.

Leroi-Gourhan, A. 1950. Sur les méthodes de fouilles: les fouilles pré-historiques: technique et méthodes. J. Picard, Paris.

Lima, G.T.N.; Mori, R. 2002. Caiapós, Araxás, Bororos, Geralistas… conflitos revelados, identidades e memórias construídas no Sertão da Farina Podre nos séculos XVIII e XIX. Cadernos de História 17: 221-242.

Lourenço, L.A.B. 2005. A oeste das Minas: escravos, índios e homens livres numa fronteira oitocentista Triângulo Mineiro (1750-1861). Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia.

Lourenço. L.A.B. 2010. O Triângulo Mineiro, do Império à República:o extremo oeste de Minas Gerais na transição para a ordem capitalista (segunda metade do século XX). Ed. UFU, Uberlândia.

Magalhães, W. 2012. Estudo arqueométrico do sítio arqueológico Água Limpa, município de Monte Alto, S.P.:um olhar pedológico sobre o solo herdado. Monografia de Especialização. Universidade de Santo Amaro, São Paulo.

Magalhães, W. 2015. Estudo arqueométrico dos sítios arqueológicos Inhazinha e Rodrigues Furtado, município de Perdizes/M.G.:da argila à cerâmica… possíveis conexões entre os vasilhames cerâmicos e as fontes argilosas. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Mano, M. 2006. Os campos de Araraquara: um estudo de história indígena no interior paulista. Tese de doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Mano, M. 2010. Metáforas históricas e realidades etnográficas: a construção de uma história do contato Kayapó no Triângilo Mineiro. Caderno de Pesquisas do CDHIS 23: 325-348.

Mano, M. 2011. Contato, guerra e paz: problemas de tempo, mito e história. Política & Trabalho 34: 193-212.

Mauss, M. 1950. Essai sur le don. Press Universitaires de France, Paris.

Medeiros, J.C. 2007. Cultura material lítica e cerâmica das populações pré-coloniais dos sítios Inhazinha e Rodrigues Furtado do município de Perdizes, M.G.:estudo das cadeias operatórias. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Meggers, B. 1987. Amazônia:a ilusão de um paraíso. Itatiaia, Belo Horizonte; Edusp, São Paulo.

Mori, R. 2015. Os aldeamentos indígenas no caminho dos Goiases: guerra, etnogênese e identidade no “Sertão do Gentio Cayapó” (Sertão da Farinha Podre), Goiás (1748-1816) e Minas Gerais (1816-1840). Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia.

Neme, M. 1968. Dados para a história dos índios caiapó. Anais do Museu Paulista 22: 101-148.

Pallestrini, L. 1975. Interpretação das estruturas arqueológicas em sítios do estado de São Paulo. Tese de livre-docência. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Perota, C. 1971. Dados parciais sobre a arqueologia norte-espírito-santense. Publicações Avulsas do Museu Emílio Goeldi 15: 149-158.

Phillips, P.; Willey, G.R. 1953. Method and theory in American Archaeology: an operational basis for culture historical integration. American Anthropologist 5: 615-633.

Rasteiro, R.P. 2015. Arqueologia Jê da bacia do rio Grande: história indígena no norte de São Paulo e Triângulo Mineiro. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Ravagnani, O.M. 1987. Aldeamentos goianos em 1750: os jesuítas e a mineração. Revista de Antropologia 30/32: 111-132.

Saint-Hilaire, A. 1975. Viagem à província de Goiás. Itatiaia, Belo Horizonte.

Scatamacchia, M.C.M. 1996. Relatório final de resgate arqueológico da área do Poliduto Replan-Brasília. (Relatório final). Petrobras, Rio de Janeiro.

Schmitz, P.I. (Ed.). [1978 a 1980]. Os cultivadores do planalto e do litoral.Universidade Católica de Goiás,Goiânia.

Shepard, A. 1968. Ceramics for the archaeology. 6. ed. Carnegie Institution of Washington, Washington.

Sousa, L.A.S. 1849. Memória sobre o descobrimento, governo, população e cousas mais notáveis da capitania de Goyaz. Revista Trimestral de História e Geographia ou Journal do Instituto Histórico e Geographico Brasileiro 12: 429-510.

Steward, J.H. (Ed.). 1946. Handbook of South American Indians.7 v. Smithsonian Institution. Bureau of American Ethnology, New York.

Turner, T. 1992. Os Mebengokre Kayapó: história e mudança social de comunidades autônomas para a coexistência interétnica. In: Cunha, M.C. História dos índios no Brasil. Campanha de Letras, São Paulo, 311-338.

Velloso, H.P.; Rangel Filho, A.L.R.; Lima. J.C.A. 1991. Classificação da vegetação brasileira adaptada a um sistema universal. IBGE, Rio de Janeiro.

Vidal, J.-J.A. 2017. Cerâmica dos Suruí de Rondônia e dos Asurini do Xingu: visões diferenciadas de dois povos indígenas da Amazônia. Tese de doutorado. Universidade Estadual Paulista, São Paulo.

Willey, G.R.; Rouse, E.I. 1949. Glossary. In: Steward, J.H. (Ed.). Handbook of South American Indians. Smithsonian Institution, Washington.

Downloads

Publicado

2018-10-30

Como Citar

Alves, M. A. (2018). Tradições arqueológicas ceramistas de dois povos Jê: Kayapó meridional e Kaingang da região centro norte de São Paulo. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (31), 1-21. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2018.146044

Edição

Seção

Artigos