Mudando o coração, a mente e as calças. A arqueologia sensorial

Autores

  • José Roberto Pellini Griphus Consultoria

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2010.89907

Palavras-chave:

Arqueologia sensorial, Percepção, Fenomenologia, Materialidade

Resumo

Como tem apontado Classen (1993,1997) e Howes (1991, 2006), estudos etnográficos, históricos e antropológicos têm demonstrado que a percepção sensorial é uma construção cultural, ou seja, os significados que os indivíduos atribuem para os aspectos sensoriais são baseados nos modelos sensoriais adotados socialmente. Sendo assim, cada cultura concebe os sentidos de maneira diferenciada estabelecendo suas próprias hierarquias sensoriais (Howes 2006). Neste sentido, o entendimento sensorial do mundo não é apenas um aspecto fisiológico, mas é culturalmente determinado. Os grupos humanos reconhecerem o aparato sensorial de acordo com seu próprio contexto, criando e mudando sentidos, criando e alterando hierarquias sensoriais. Nós aprendemos a ver, ouvir, sentir. Nós aprendemos a observar e não observar. Neste sentido a Arqueologia Sensorial busca entender a experiência humana a partir da compreensão de como se dá a relação entre os indivíduos e o mundo material, partindo do pressuposto de que da mesma maneira que os objetos suscitam sensibilidades eles são sensíveis aos modelos senso-culturais de um grupo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2010-12-09

Como Citar

Pellini, J. R. (2010). Mudando o coração, a mente e as calças. A arqueologia sensorial. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (20), 3-16. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2010.89907

Edição

Seção

Artigos