Do ciberespaço à iconomia: projeções metapóricas

  • Gilson Schwartz Universidade de São Paulo; Escola de Comunicações e Artes; Programa de Pós-graduação em Meios e Processos Audiovisuais
  • Thais Helena de Camargo Barros Universidade de São Paulo; Escola de Comunicações e Artes; Programa de Pós-graduação em Meios e Processos Audiovisuais
Palavras-chave: ciberespaço, cinema, metáporo, quase-método, iconomia

Resumo

Na sociedade contemporânea o ser humano se vê inserido - ou invadido - em ambientes cada vez mais configurados por complexos recursos tecnológicos. É o ciberespaço, onde as imagens inundam o cotidiano e se traduzem em valor, o corpo adquire novo status imaterial e as noções de lugar e tempo se transformam e quase se anulam. O cinema pensa e produz também uma desterritorialização da imagem em movimento desde os seus primeiros tempos de imagem-máquina. Este trabalho reflete sobre as transformações da ordem social que implicam a emergência de uma "iconomia" a partir dos espaços simbólicos, tomando três momentos críticos na história do cinema como índices de uma convergência entre material e imaterial que se consolida a partir da emergência do ciberespaço. O quase-método metapórico é mobilizado como ferramenta de reconstrução metodológica desses ícones da história do cinema relacionados à desconstrução do Homo faber. O "outro lado" do ciberespaço, abrindo continuamente novos espaços-tempos de criação de valor, identifica-se a uma iconomia em que as projeções narrativas tornam-se fontes paradigmáticas de valor e de "mais gozar".

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2010-08-01
Como Citar
Schwartz, G., & Barros, T. (2010). Do ciberespaço à iconomia: projeções metapóricas . Revista USP, (86), 108-121. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i86p108-121
Seção
Dossiê