Relações perigosas: os intelectuais católicos e a Igreja argentina

  • Diego Mauro
  • José Zanca
Palavras-chave: intelectuais católicos, política, religião, Argentina

Resumo

O intelectual foi uma das figuras características do século XX. A categoria foi associada, em suas origens, a uma cultura política afastada da religião –o anticlericalismo era majoritário entre os dreyfusards. Nas décadas seguintes, o termo se expandiu para outros grupos ideológicos e espirituais. Este artigo analisa ensaisticamente a formação progressiva e a transformação de um campo intelectual católico entre a Primeira e a Segunda Guerra Mundial. A partir dos debates que acompanharam o surgimento e desenvolvimento da revista Criterio, o texto visa a compreender as especificidades do intelectual católico em diferentes situações e as ligações tecidas com as autoridades da Igreja no contexto dos vários projetos de organização dos leigos que este lançou.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Mauro

é professor da Universidade Nacional de Rosário e da Universidade Autônoma de Entre Ríos (Argentina)

José Zanca

é pesquisador adjunto do Conicet, membro da Rede de Estudos de História da Secularização e da Laicidade (Redhisel)

Publicado
2019-03-11
Como Citar
Mauro, D., & Zanca, J. (2019). Relações perigosas: os intelectuais católicos e a Igreja argentina. Revista USP, (120), 77-94. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i120p77-94
Seção
Dossiê religião e modernidade