A reinvenção da Semana (1932-1942)

Autores

  • Francisco Alambert

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i94p107-118

Palavras-chave:

modernismo, Mário Pedrosa, Antonio Candido, Paulo Emílio, história da cultura, arte moderna.

Resumo

A Semana de 22 é o mais importante “fato” da história da cultura moderna no Brasil. Por isso ela possui uma existência histórica que lhe permite ser inventada e desinventada, amada e odiada, reconstituída e desconstruída em todos os momentos em que a história do Brasil moderno é colocada em questão. A Semana tornou-se efeméride ofi cial e passou a ser reinventada conforme os interesses e necessidades de cada época em que o Brasil teve que repensar sua modernidade. É o que o artigo pretende demonstrar, partindo da análise dos vinte primeiros anos da existência histórica da Semana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Alambert

Professor de História Social da Arte e História Contemporânea do Departamento de História da USP.

Downloads

Publicado

2012-08-30

Como Citar

Alambert, F. (2012). A reinvenção da Semana (1932-1942). Revista USP, (94), 107-118. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i94p107-118