[1]
M. C. de Castro, “ Fantasia é o que mais tarde nós chamamos de memória ”, Rev. USP, nº 85, p. 165-170, maio 2010.