[1]
C. Scolari, “ As interfaces não desaparecem, transformam-se” , Rev. USP, nº 86, p. 136-138, ago. 2010.