[1]
S. MINISINI, “O INFINITO LEOPARDIANO: DA CONTEMPLAÇÃO IDÍLICA Á TEORIZAÇÃO TRÁGICA DA INSIGNIFICÂNCIA”, Rev. USP, nº 43, p. 156-161, nov. 1999.