O programa utilitarista de Hobbes a Bentham no desenho e construção de uma nova imagem do mundo e do Estado

das origens da desigualdade, da Civil Law, e dos modelos de estados de desenvolvimento

  • José Raymundo Novaes Chiappin
  • Ana Carolina Corrêa da Costa Leister
Palavras-chave: Cooperação, Estados mercantilista e do bem-estar social, Civil Law, Hobbes, Bentham

Resumo

O artigo trata da relação entre os programas contratualista e utilitarista, no desenho e construção de uma nova imagem do mundo político e social, com fundamento no indivíduo como agente racional e autointeressado. Experimento mental, com um modelo do estado de natureza onde todos os indivíduos são iguais e livres, coloca o problema da emergência da cooperação. A solução de Hobbes é pelo Estado como agente externo, uma máquina corporativa coletiva desenhada e construída pelos indivíduos, para promover a cooperação e a igualdade de oportunidades, cuja forma é um Estado mercantilista liberal vocacionado para implantar uma sociedade industrial com base na manufatura. Bentham transforma esse modelo de Estado em um Estado do bem-estar social comprometido com o desenvolvimento de uma sociedade cada vez mais igualitária. A defesa de um sistema legal codificado, a civil law, por ambos, é central.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-12-21
Como Citar
Chiappin, J. R., & Leister, A. C. C. (2018). O programa utilitarista de Hobbes a Bentham no desenho e construção de uma nova imagem do mundo e do Estado. Revista Da Faculdade De Direito, Universidade De São Paulo, 113, 151-185. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8235.v113i0p151-185
Seção
Trabalhos Acadêmicos