Política: (re)composição do objeto

  • Luiz Sergio Modesto
Palavras-chave: Política, Normação, Normóide, Semioselogia, Progmática, Hominilogia, Superposição política, Família homínida, Política chimpanzé, Incivilidade, Política humana, Pré-civilidade, Política bonobo, Civilidade.

Resumo

Política: (re)composição do objeto. O autor pretende demonstrar que a "força" é um dado superestimado da política, por petição de princípio dos modelos teóricos que instrumentalizam a Sociologia, a Teoria Política, e a normação da espécie Direito (Normação latina e anglo-saxã), e em razão de tais disciplinas compartilharem do cadinho mitologico ácade, reproduzido por helenos e hebreus, e induzido na diluição religiosa dos respectivos fundamentos cognitivos. Sobre o objeto política (mando e força justificáveis), o autor superporá o método complexo físico-semiótico (1) da Semioselogia, includente da fenomenologia Física (Heisenberg, Bohr, Lao Tzy), da Signologia (Peirce), do Instrumento Operacional da Pragmática (Modesto), e (2) da Hominilogia (Modesto), para descrever comparativamente os padrões de civilidade na família hominidaæ (bonobos, humanos, chimpanzés), e quais deles dominam na ação política por mando (Normações) e por força dos humanos no mercado mundial, respectivamente, política bonobo e política chimpanzé.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2002-01-01
Como Citar
Modesto, L. S. (2002). Política: (re)composição do objeto. Revista Da Faculdade De Direito, Universidade De São Paulo, 97, 527-568. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/rfdusp/article/view/67562
Seção
Não definido