Sobre o uso do extrato glicerinado de hipófises de peixe na reprodução dos peixes dos açudes do nordeste do Brasil

Autores

  • Rui Simões de Menezes Ministério da Viação e Obras Públicas, Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas, Comissão Técnica de Piscicultura, Fortaleza, CE
  • Osmar Fontanelle Ministério da Viação e Obras Públicas, Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas, Comissão Técnica de Piscicultura, Fortaleza, CE
  • Emílio C. Camacho Ministério da Viação e Obras Públicas, Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas, Comissão Técnica de Piscicultura, Fortaleza, CE

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2318-5066.v3i1/2p175-182

Palavras-chave:

O artigo não apresenta palavras-chave.

Resumo

Após várias pesquisas sobre o uso do extrato glicerinado de hipófises de peixe na reprodução dos peixes dos açudes do Nordeste do Brasil, os autores concluem que:
1.°) — a posologia do extrato deve ser: — 0,25; 0,50; 1,00; 1,50; 3,00 hipófises.
2.°) — esta posologia comporta, também, a seguinte variante: — 0,25; 0,50; 1,00; 2,00; 4,00 hipófises.
3.°) — há maior uniformidade no teor de hormônio gonadotrópico do extrato, pela maior quantidade de hipófises utilizadas.
4.°) — é evitado o uso de hipófises conservadas em álcool absoluto, que dá menor uniformidade no teor de hormônio gonadotropico, pela menor quantidade de hipófises utilizadas.
5.°) — é indicado fixar um intervalo de 8 horas entre as doses sucessivas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

1945-12-15

Como Citar

Menezes, R. S. de, Fontanelle, O., & Camacho, E. C. (1945). Sobre o uso do extrato glicerinado de hipófises de peixe na reprodução dos peixes dos açudes do nordeste do Brasil. Revista Da Faculdade De Medicina Veterinária, Universidade De São Paulo, 3(1/2), 175-182. https://doi.org/10.11606/issn.2318-5066.v3i1/2p175-182

Edição

Seção

NÃO DEFINIDA