Prevalência de infecções helmínticas em gatos na cidade de São Paulo

  • Saemi Ogassawara Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, São Paulo, SP
  • Sergio Benassi Secretaria da Agricultura, Coordenadoria de Assistência Técnica Integral, Campinas, SP
  • Carlos Eduardo Larsson Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, São Paulo, SP
  • Plinio Tadeu Zenker Leme Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, São Paulo, SP
  • Mitika Kuribayashi Hagiwara Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, São Paulo, SP
Palavras-chave: Helmintos (felinos), Post-mortem (felinos), Prevalência, São Paulo, SP

Resumo

Nas necropsias de 54 gatos, realizadas na cidade de São Paulo, foram encontrados os seguintes helmintos: O. caninum, 63%; T. cati, 53,7%; A. braziliense, 37,0%,- A. caninum/A. tubaeforme, 25,9%; P. praeputialis , 18,5%; B. abstrusus, 18,5%; P. rara, 14,8%; T. taeniaeformis , 13,0%; Strongyloides sp., 5,6,S%; T. canis, O. tricuspis, P. arnaldoi, P. fastosum, 3,7% cada, e Soirometra, 1,8%. Infecção única foi observada em 20,4% e múltipla em 74,1%. T. canis, Strongyloides sp e Phagycola arnaldoi foram identificados pela primeira vez na cidade de São Paulo, entretanto, Ollulanus tricuspis, e Physaloptera rara, pela primeira vez no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
1986-09-15
Como Citar
Ogassawara, S., Benassi, S., Larsson, C. E., Leme, P. T., & Hagiwara, M. (1986). Prevalência de infecções helmínticas em gatos na cidade de São Paulo. Revista Da Faculdade De Medicina Veterinária E Zootecnia Da Universidade De São Paulo, 23(2), 145-149. https://doi.org/10.11606/issn.2318-3659.v23i2p145-149
Seção
MEDICINA VETERINÁRIA PREVENTIVA