A Práxis na Psicologia Social Comunitária e nas Políticas Públicas (ou sobre seu sentido político)

Autores

  • Vinícius Furlan Universidade Metodista de Piracicaba

DOI:

https://doi.org/10.11606/rgpp.v9i2.174930

Palavras-chave:

Psicologia social, Psicologia comunitária, Práxis, Política, Crítica

Resumo

O projeto utópico da Psicologia Social Crítica, desde sua emergência, busca apontar os caminhos para a emancipação humana, bem como se sustenta em sentidos originais e premissas da forma crítica que encontra seu principal valor num conceito nodal: a práxis; que caracteriza seu duplo télos: crítico e político. Em seu telós político se insere no trabalho com grupos junto a comunidades subalternas no horizonte dos processos de conscientização, luta política e elevação das relações solidárias e de sujeitos de direitos. Não obstante a inserção da Psicologia Social no âmbito das Políticas Públicas expresse seu interesse na dinâmica dos modos de intervenção social, ainda calhe a indagação acerca do sentido desta inserção: compromisso ético-político ou demanda de mercado?T têm-se observado a predominância do trabalho da psicologia social tem se dado dentro de instituições e políticas públicas, as quais definem uma série de técnicas burocráticas para o trabalho psicossocial, que pretendem intervenções direcionadas aos interesses do Estado e da lógica capitalista, bem como tais trabalhos não partem da premissa da organização de relações grupais e conscientização das classes subalternas, mas da necessidade de atendimento de alto contingente de usuários, o que, por sua vez, torna as práticas psicossociais e comunitárias de caráter estritamente pragmático, objetivista e tecnocrático,  e o axioma das práticas enquanto práxis possível se circunscreve como significante atópico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinícius Furlan, Universidade Metodista de Piracicaba

Graduado em Psicologia pela Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, SP, Brasil, mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil, doutor em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo SP, Brasil. Atualmente é professor no curso de Psicologia da Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, SP, Brasil.

Referências

Ansara, Soraia & Dantas, Bruna Suruagy do Amaral. (2010). Intervenções psicossociais na comunidade: desafios e práticas. Psicologia & Sociedade, 22(1), 95-103.

Álvaro, José Luis& Garrido, Alicia. (2006). Psicologia social: perspectivas psicológicas e sociológicas. São Paulo, SP: McGraw-Hill.

Antunes, Mitsuko. (2012). A Psicologia no Brasil: um ensaio sobre suas contradições. Psicologia: Ciência e Profissão, 32(num. esp.), 44-65. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S1414-98932012000500005

Campos, Regina Helena Freitas. (1996). Psicologia social comunitária: da solidariedade à autonomia. Petrópolis, RJ: Vozes.

Campos, Gustavo Aguiar &Hur, DomenigoUhng. (2017). Da invisibilidade à participação política: experiências e discursos sobre a luta de travestis e transexuais. Revista de Gestão e Políticas Públicas. 7(2), 244-261.

Costa, José Fernando Andrade. (2015). “Fazer para transformar”: a psicologia política das comunidades de Maritza Montero. Psicologia Política, 15(33), 269-283.

Costa, José Fernando Andrade (2019). Contribuições da Psicologia Social Crítica para análise da relação entre atores estatais e não estatais na implementação de políticas públicas. In Mariana Prioli Cordeiro; Maria Fernanda Aguilar Lara; Henrique AraujoAragusuku& Rodolfo Luis Almeida Maia. (Org.). Pesquisas em psicologia e políticas públicas: diálogos na pós-graduação. São Paulo, SP: Instituto de Psicologia USP.

Costa, José Fernando Andrade & Galeão-Silva, Luis Guilherme. (2018). Notas sobre a noção de cidadania e seus usos e sentidos no âmbito da política de Assistência Social brasileira. In Mariana Prioli Cordeiro; Bernardo ParodiSvartman& Laura Vilela e Souza. (Org.). Psicologia na Assistência Social: um campo de saberes e práticas. São Paulo, SP: Instituto de Psicologia USP.

Costa, José Fernando Andrade & Barros, Carlos. (2020). Caminhos da psicologia latino-americana como práxis de libertação. IDEAÇÃO (UEFS), 1, 200-219.

Furlan, Vinicius &Pelissari, Mariá Aparecida. (2014). Campo psicossocial: estudo dos temas e contextos publicados pela ABRAPSO entre 2000-2010. Impulso: Revista de Ciências Sociais e Humanas, 24(60), 87-99.

Freitas, Maria Fátima Quintal. (2015). Práxis e formação em Psicologia Social Comunitária: exigências e desafios ético-políticos. Estudos de Psicologia, 32(3), 521-532.

Freitas, Maria Fátima Quintal. (2018). Psicologia Social Comunitária como Educação Política: resistência e afirmações no cotidiano. Teoría y Crítica de la Psicología, 11, 92-104.

Furlan, Vinicius; Holanda, Renata Bessa, & Castro, Emanuel Messias. (2015). Reflexões sobre as metodologias em Psicologia Social Crítica. Psicologia & Sociedade, 27(3), 712-716.

Furlan, Vinicius & Castro, Emanuel Messias. (2018). A práxis como forma crítica na Psicologia Social. In Carla Fernanda Lima. (et. al.). (Org.). Identidade, contemporaneidade e práticas psicológicas no contexto brasileiro. Parnaíba, PI: EDUFPI.

Galeão-Silva, Luis Guilherme (2017). Psicologia social crítica na periferia do capitalismo: a elaboração do sofrimento social e a luta por reconhecimento recíproco nas periferias. In: Nelson Silva Jr. & Wanderley Zangari. (Org.). A psicologia social e a questão do hífen (91-100). São Paulo, SP: Blucher.

Góis, Cézar Wagner Lima. (1993). Noções de psicologia comunitária. Fortaleza, CE: Edições UFC.

Heller, Agnes. O Cotidiano e a História (8a ed.). São Paulo, SP: Paz e Terra, 2008.

Hur, Domenico. Uhng.,& Lacerda Junior, Fernando. (2016). Apresentação. In Domenico UhngHur& Fernando Lacerda Junior .(Orgs.). Psicologia política crítica: insurgências na américa Latina. São Paulo, SP: Alínea.

Lacerda Junior, Fernando. (2013). Capitalismo dependente e a psicologia no Brasil: das alternativas à psicologia crítica. Teoria y Crítica de laPsicologia, 3, 216-263. Recuperado de http://www.teocripsi.com/documents/3LACERDA.pdf

Lane, Silvia. (1994). A psicologia social e uma nova concepção de homem para a psicologia. In Silvia Lane &WnaderleyCodo (Orgs.). Psicologia social: o homem em movimento (13a ed.). São Paulo, SP: Brasiliense.

Lane, Silvia. (1996). Históricodos Fundamentos da Psicologia Comunitária no Brasil. In Regina Helena Freitas Campos. (Org.). Psicologia Social Comunitária: da Solidariedade à Autonomia. Petrópolis, RJ: Vozes.

Lane, Silvia. (2009). Prefácio. In Ciampa, A. C. A estória de Severino e a história de Severina: um ensaio de psicologia social. São Paulo, SP: Brasiliense, 2009.

Libâneo, José. (1994). Psicologia Educacional: uma avaliação crítica. In Silvia Lane & Wanderley Codo. (Orgs.). Psicologia social: o homem em movimento (13ª ed). São Paulo, SP: Brasiliense.

Lima, Aluísio Ferreira; Ciampa, Antonio da Costa. & Almeida, Juracy Almeida. (2009). Psicologia Social como Psicologia Política? A Proposta de uma Psicologia Social Crítica de Sílvia Lane. Psicologia Política. 9(18), 223-236. Acessado em 03 de Janeiro de 2019, de: em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rpp/v9n18/v9n18a04.pdf

Lima, Aluísio Ferreira & Lara Jr, Nadir. (2014). Sobre a(s) metodologia(s) de pesquisa em Psicologia Social Crítica. In Aluísio Ferreira de Lima & Nadir Lara Jr. (Orgs.). Metodologias de Pesquisa em Psicologia Social Crítica. Porto Alegre, RS: Sulina.

Martín-baró, Ignácio. (1989). Psicología social desde Centroamérica II. San Salvador, ESA: UCA Editores.

Marx, Karl. (2010). Sobre a Questão Judaica. São Paulo, SP: Boitempo.

Molón, Susana. (2002). A Psicologia social abrapsiana: apontamentos históricos. Interações: Estudos e Pesquisas em Psicologia. 6(12), 41-68.

Montero, Maritza. (1984). La psicología comunitaria: orígenes, principios y fundamentos teóricos. Revista latinoamericana de Psicología, 16(3),387-400. Recuperado em https://www.redalyc.org/pdf/805/80516303.pdf

Montero, Maritza. (2010). Fortalecimiento de la Ciudadanía y Transformación Social: Área de Encuentro entre la Psicología Política y la Psicología Comunitaria. Psykhe, 19(2), 51-63.

Oliveira, Marcos Vinicius. (2013). Entrevista com Marcus Vinícius de Oliveira. In Conselho Federal de Psicologia – CFP. A verdade é revolucionária: testemunhos e memórias de psicólogas e psicólogos sobre a ditadura civil-militar brasileira (1964-1985) (pp. 59-77). Brasília, DF: CFP.

Ozella, Sérgio & Sanchez, Sandra. (2001). Breve histórico do desenvolvimento da pesquisa na perspectiva sócio-histórica na PUC-SP. In Ana Mercês Bock; Maria Graça Gonçalves & Odair Furtado. (Orgs.). Psicologia sócio-histórica. São Paulo, SP: Cortez.

Reboredo, Lucília Augusta. (1994). De Eu e Tu a Nós. O Grupo em Movimento como Espaço de Transformação das Relações Sociais. Piracicaba, SP: Editora UNiMEP.

Santos, Boaventura de Souza. (1995). Pela Mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. São Paulo, SP: Cortez.

Santos, Boaventura de. Souza. (2010). Um discurso sobre as ciências (7a ed.). São Paulo, SP: Cortez.

Silva, Alessandro Soares da. (2012). Psicologia Política, Políticas Públicas e Movimentos Sociais. Tese de Livre-Docência. Universidade de São Paulo.

Vásquez, Adolfo Sánchez. (1977). Filosofia da Práxis (2a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Yamamoto, Oswaldo. (2012). 50 anos de profissão: responsabilidade social ou projeto ético-político? Psicologia: Ciência e Profissão, 32(num. esp.): 6-17. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S1414-98932012000500002

Zizek, Slavoj. (2012). O Ano Em Que Sonhamos Perigosamente. São Paulo, SP: Boitempo.

Downloads

Publicado

2019-08-16

Como Citar

Furlan, V. (2019). A Práxis na Psicologia Social Comunitária e nas Políticas Públicas (ou sobre seu sentido político). Revista Gestão & Políticas Públicas, 9(1), 84-100. https://doi.org/10.11606/rgpp.v9i2.174930