O Uso de Tecnologia Social para Tratamento de Esgoto Doméstico numa Comunidade Rural de Gramado, RS, Brasil

Autores

  • Arthur Fernandes Domingos Universidade Estadual do Rio Grande do Sul
  • Marcia dos Santos Ramos Berreta Universidade Estadual do Rio Grande do Sul https://orcid.org/0000-0001-8302-091X
  • Mateus Reis Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.11606/rgpp.v8i2.175121

Palavras-chave:

Gestão pública municipal, Tecnologia social, Saneamento rural, Wetland, Sustentabilidade ambiental

Resumo

Esse artigo apresenta uma proposta de Tecnologia Social (TS) para o tratamento de esgoto doméstico na área rural de Gramado/RS, utilizando basicamente os materiais de pneus de caminhão e sistema de raízes wetland. O objetivo é demonstrar a viabilidade social, técnica e econômica do sistema proposto para um núcleo urbano de uma área rural de Gramado. Para isso foi realizado um mapeamento da situação urbanística da área com o auxílio de veículo aéreo não tripulado (drone), gerando uma planta de localização de 19 edificações unifamiliares. As residências foram agrupadas em sete células, levando em consideração a proximidade entre elas, o escoamento do efluente por gravidade e o número de pessoas. Os critérios técnicos para o dimensionamento da fossa séptica e filtro anaeróbio foram baseados nas normas brasileiras NBR7229/1993 e NBR13969/1997. Por não haver norma técnica brasileira sobre o tema, a dimensão do sistema wetland foi obtida por meio do cálculo proposto por Andrade (2012). Foi realizado também um comparativo de custos de implantação do sistema na área de estudo entre o sistema convencional e o sistema proposto com TS. Concluiu-se, ao término, que o uso do sistema proposto nesse trabalho apresenta-se como uma tecnologia social gerando uma economia aproximada de 87% em comparação com o uso do sistema convencional. Ainda, o sistema proposto contribui para uma boa prática relacionada ao reaproveitamento do resíduo pneu de borracha, resultando num sistema de tratamento mais sustentável, impedindo o escoamento de efluentes não tratados para cursos d’água.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arthur Fernandes Domingos, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

Graduado em Engenharia Civil pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil. Mestre em Ambiente e Sustentabilidade pela Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, São Francisco de Paula, RS, Brasil.

 

Marcia dos Santos Ramos Berreta, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

Professora Adjunta e líder do grupo de pesquisa Laboratório de Gestão Ambiental e Negociação de Conflitos da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, São Francisco de Paula, RS, Brasil. Graduada em Estudos Sociais pela Universidade do Sul de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil, e Bacharel em Geografia, mestre e doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Mateus Reis, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

Graduado em Gestão Ambiental e Mestrando em Ambiente e Sustentabilidade pela Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, São Francisco de Paula, RS, Brasil.

Referências

Andrade, Helisson H. B. (2012). Avaliação do Desempenho de Sistemas de Zona de Raízes (Wetlands Construídas) em Escala Piloto Aplicados ao Tratamento de Efluente Sintético. Dissertação de Mestrado, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba.

Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT. (1993). NBR 7229: construção e instalação de fossas sépticas e disposição dos efluentes finais. Rio de Janeiro: ABNT. 18p.

Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT. (1997). NBR 13969: tanques sépticos: unidades de tratamento complementar e disposição final dos efluentes líquidos. Projeto, construção e operação. São Paulo: ABNT. 60p.

Ávila, Renata O. (2005). Avaliação do desempenho de sistemas tanque séptico-filtro anaeróbio com diferentes tipos de meio suporte. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Bava, Silvio C. (2004). Tecnologia social e desenvolvimento local. Em Fundação Banco do Brasil (org.). Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. (pp.103-16). Rio de Janeiro: FBB.

Brasil. (1979). Lei Federal n.º 6.766, de 19 de dezembro de 1979. Dispõe sobre o parcelamento do solo urbano. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 20 dez. 1979.

Brasil. (2010). Decreto nº 7.217, de 21 de junho de 2010. Regulamenta a Lei nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007, que estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico, e dá outras providências. Acessado em 23 de agosto de 2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/Decreto/D7217.htm

Brasil. (2013). Plano Nacional de Saneamento Básico - PLANSAB. Acessado em 20 de dezembro de 2018 de http://www.cidades.gov.br/

Bovaird, Tony. (2007). Beyond engagement and participation: user and community coproduction of public services. Public Administration Review, 67(5), 846-860.

Dagnino, Renato, Brandão, Flávio C., & Novaes, Henrique T. (2004). Sobre o marco analítico conceitual da tecnologia social. Em Fundação Banco do Brasil (org.). Tecnologia Social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro: FBB.

Dagnino, Renato. (2012). Tecnologia social e economia solidária: construindo pontes. Campinas: Gapi/Unicamp.

Dupoldt, Carl. (2000). A Handbook of Constructed Wetlands. A guide to creating wetlands for: Agricultural Wastewater, Domestic Wastwater, Coal Mine Drainage, Stormwater. vol. 1. USA.

Eigenheer, Emílio M. (2009). A limpeza urbana através dos tempos. Porto Alegre: Gráfica Pallotti.

Esrey, Steven A. (1996). Water, waste, and well-being: a multicountry study. American journal of Epidemiology, 143(6), 608-623.

Fraga, Lais. (2011). Autogestão e tecnologia social: utopia e engajamento. Em Benini, Édi A., et al. (orgs.) Gestão pública e sociedade: fundamentos e políticas públicas de economia solidária. 2v. (pp.101-24). São Paulo: Outras Expressões.

Fundação Nacional da Saúde - FUNASA. (2016). Panorama do saneamento rural no Brasil. Acessado em 04 de novembro de 2017, de http://www.funasa.gov.br/site/wp-content/files_mf/blt_san_rural.pdf

Fundação Banco do Brasil. (2010). Tecnologia social, Fossa séptica biodigestora: Saúde e renda no campo. Brasília: FBB.

Gramado. (2014). Plano Municipal de Saneamento Básico de Gramado. Prefeitura Municipal de Gramado, Secretaria Municipal de Meio Ambiente. Acessado em 04 de novembro de 2017, de http://www.prosinos.rs.gov.br/downloads/GRAMADO_PMSB_rev_0_pdf.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. (2010). Sinopse dos resultados do censo 2010. População: urbana x rural. Acessado em 20 de agosto de 2017, de https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/contagem2007/contagem.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. (2015). Pesquisa Nacional de Atendimento a Domicílio 2013-2014. Rio de Janeiro: IBGE.

Instituto de Tecnologia Social - ITS. (2004). Reflexões sobre a construção do conceito de tecnologia social. Em Fundação Banco do Brasil (org.) Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. (pp.117-34). Rio de Janeiro: FBB.

Massoud, May A., Tarhin, Akram., & Nasr, Joumana A. (2009). Decentralized approaches to wastewater treatment and management: Applicability in developing countries. Journal of Environmental Management, 90.

Mitsch, William J. (1993). Wetlands. New York: Van Nostrand Reinhold.

Monteiro, Rodrigo C. M. (2009). Viabilidade técnica do emprego de wetlands para o tratamento de água cinza para o reuso não potável. Dissertação de Mestrado, Escola Politécnica de São Paulo, São Paulo.

Ostrom, Elinor. (1996). Crossing the great divide: coproduction, synergy, and development. World Development, 24(6), 1073-1087.

Sistema Nacional de Informações Sobre Saneamento - SNIS. (2015). Diagnóstico dos serviços de água e esgoto. Ministério das Cidades. Secretaria Nacional de Ambiental. Acessado em 03 de novembro de 2017, de http://www.snis.gov.br/diagnostico-agua-e-esgotos/diagnostico-ae-2015

Silva, Gustavo H. R., & Nour, Edson A. A. (2005). Reator compartimentado anaeróbio/aeróbio: Sistema de baixo custo para tratamento de esgotos de pequenas comunidades. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 9(2), 268-275.

Teixeira, José. B. (2010). Saneamento rural no Brasil: perspectivas. Panorama do saneamento básico no Brasil. Brasília: Ministério das Cidades.

World Health Organization – WHO. (2010). Progress on sanitation and drinkingwater: 2010 update. WHO Press. Geneva, Switzerland.

Downloads

Publicado

2018-12-31

Como Citar

Domingos, A. F., Berreta, M. dos S. R., & Reis, M. (2018). O Uso de Tecnologia Social para Tratamento de Esgoto Doméstico numa Comunidade Rural de Gramado, RS, Brasil. Revista Gestão & Políticas Públicas, 8(2), 316-336. https://doi.org/10.11606/rgpp.v8i2.175121