O Empoderamento Para a Mulher em Vulnerabilidade Social

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/rgpp.v9i1.175917

Palavras-chave:

Representações sociais, Mulher, Chefe de família, Comportamento coletivo, Empoderamento

Resumo

Com o objetivo de apresentar as representações sociais sobre empoderamento, este artigo é resultado de uma pesquisa realizada com mulheres chefes de família em situação de vulnerabilidade social, no município de São Paulo, SP, Brasil. Para coleta de dados utilizamos entrevista semiestruturada e questionário de associação livre, tendo na teoria das Representações Sociais de Serge Moscovici a sustentação teórico metodológica. Participaram 30 mulheres que vivenciam situações de vulnerabilidade social, na faixa etária entre 18 a 55 anos, mães de três filhos ou mais. O estudo identificou diferenças importantes nas representações sociais apresentadas de acordo com a faixa etária das mulheres participantes do estudo. Como resultado temos, que a representação social sobre o empoderamento se ancora na necessidade de maior informação sobre os direitos, pertencimento e igualdade social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karine Nogueira de Souza, Universidad de Ciencias Empresariales y Sociales

Diplômé en psychologie de l'Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS, Brésil ; spécialiste en gestion des politiques publiques en matière de genre et de race de l'Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, MS, Brésil ; docteur en psychologie de l'Universidad de Ciencias Empresariales y Sociales, Buenos Aires, Argentine.

Referências

Abric, Jean-Claude. (1998). A abordagem estrutural das representações sociais. Em Moreira, Antonia Silva Paredes., & Oliveira, Denize Cristina de. (Org.). Estudos interdisciplinares de representação social. Goiânia: AB.

Abric, Jean-Claude. (2003). A abordagem estrutural das representações sociais: desenvolvimentos recentes. Em Campos, Pedro Humberto F., & Loureiro, Marcos Correa da S. (Orgs.). Representações sociais e práticas educativas. Goiânia: UCG, p. 3757.

Almeida, Angela M. O., & Cunha, Gleicimar. (2003). Representações Sociais do Desenvolvimento Humano. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16(1), p. 147-55

Alvarenga, Mirela S. (2012). Risco e Vulnerabilidade: Razões e implicações para o uso na política nacional de assistência social. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Política Social - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES, Brasil.

Baquero, Rute., & Baquero, Marcello. (2005). Educação, capital social e democracia buscando pontos de convergência. Educação Unisinos, 9(2), 77-83.

Berquó, Elza., & Oliveira, Maria C. (1990). Família no Brasil: análise demográfica e tendências recentes. Ciências Sociais Hoje, São Paulo, Vértice/ANPOCS, pp. 30-64.

Freire, Paulo (1979). Educação e mudança. Tradução de Moacir Gadotti e Lilian Lopes Martin. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gohn, Maria .G. (2004). Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais. Saúde & Sociedade, 13(2), 20-31. Acessado em de de novembro de 2018, de: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-12902004000200003&script=sci_abstract&tlng=pt

Jodelet, Denise. (1985). La representación social: Fenómenos, concepto y teoría. In: Psicologia Social (S. Moscovici, org.), Barcelona: Paídos.

Moscovici, Serge. (1976) La Psicanalyse, son image et son public. Paris: Presse Universitaire de France.

Moscovici, Serge. (1978). A Representação Social da Psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar.

Moscovici, Serge. (1981). On social representation. Em Forgas, Joseph P. (ed.). Social cognition. London: Academic Press.

Nogueira-Martins, Maria., Bogus, Claudia M. Considerações sobre a metodologia qualitativa como recurso para o estudo das ações de humanização em saúde. Saúde & Sociedade. Acessado em de de novembro de 2018, de: 13(3), 44-57. Acessado em 12 de novembro de 2018, de: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902004000300006&lng=pt&tlng=pt

Putnam, Robert. (1993). Comunidade e Democracia. A Experiência da Itália Moderna. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, tradução de Making Democracy Work: Civic Traditions in Modern Italy.

Roesch, Sylvia Maria Azevedo. (1999) Projetos de estágio e de pesquisa em Administração: guia para estágios, trabalho de conclusão, dissertações e estudos de caso. 2.ed. São Paulo: Atlas.

Torossian, Sandra D., & Rivero, Nelson E. (2012). Políticas públicas e modos de viver: a produção de sentidos sobre a vulnerabilidade. In: CRUZ, L. R. da; Guarechi, N. (Org.). Políticas públicas e assistência social: diálogo com as práticas psicológicas. 3 ed. Petrópolis: Vozes.

Vitale, Maria A. F. (2002). Famílias monoparentais: indagações. In: Revista Serviço Social e Sociedade, São Paulo: Cortez

Downloads

Publicado

2019-08-16

Como Citar

Souza, K. N. de. (2019). O Empoderamento Para a Mulher em Vulnerabilidade Social. Revista Gestão & Políticas Públicas, 9(1), 141-161. https://doi.org/10.11606/rgpp.v9i1.175917