S. Bernardo (Graciliano Ramos, 1934) & S. Bernardo (Leon Hirszman, 1972)

  • Nelson Tomelin Jr. Universidade Federal do Amazonas (UFAM, Manaus, AM, Brasil)
Palavras-chave: S. Bernardo, literatura, cinema, ditadura

Resumo

O presente artigo busca refletir sobre literatura, história e sentimentos a partir do romance S. Bernardo (1934), de Graciliano Ramos, e da adaptação dessa obra para o cinema por Leon Hirszman (1972). Pretende-se assim discutir dimensões do livro, como reflexão sobre o momento em que ele surgiu (anos 1930, anúncio de “revolução” de 30 e Brasil moderno), e do filme (anos 1970, ditadura civil-militar de 1964 e mais um anúncio do Brasil moderno e sem comunismo). Experiência e ambiguidade, como dimensões constitutivas das narrativas traçadas nessas duas importantes obras da cultura brasileira, são evidenciadas aqui como possibilidades de compreensão do lugar da prática e das memórias em campos históricos marcados por fortes contradições sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nelson Tomelin Jr., Universidade Federal do Amazonas (UFAM, Manaus, AM, Brasil)

Professor do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Amazonas (UFAM).

Publicado
2018-12-13
Como Citar
Tomelin Jr., N. (2018). S. Bernardo (Graciliano Ramos, 1934) & S. Bernardo (Leon Hirszman, 1972). Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, (71), 212-231. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i71p212-231
Seção
Artigos