“Essa dona tão perversa”

Carlos Drummond de Andrade, Nelson Rodrigues e as figurações da perversão na imprensa carioca da década de 1940

Palavras-chave: Drummond de Andrade, Nelson Rodrigues, perversão, imprensa

Resumo

Dos 55 poemas que compõem A rosa do povo, de Carlos Drummond de Andrade, 36 foram originalmente publicados na imprensa (1942-1945), e muitos deles fazem referência a esse veículo, quer ao tratá-lo como tema, quer ao estabelecer diálogos com outros textos nele reproduzidos. Propõe-se uma aproximação entre o poeta, a partir de “Caso do vestido”, e Nelson Rodrigues, com o folhetim Meu destino é pecar (sob o pseudônimo de Suzana Flag), ambos estampados nas páginas de O Jornal (1944). Para tanto, e respeitando a natureza distinta dos textos, realiza-se um close reading do poema e um exame do enredo e da retórica da prosa para observar como os escritores figuram o tema da perversão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Diego, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil)

Doutor pelo Departamento de Espanhol e Português da Universidade de Princeton e professor do Departamento de Ciência da Literatura da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Publicado
2019-04-17
Como Citar
Diego, M. (2019). “Essa dona tão perversa”. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, (72), 125-143. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i72p125-143
Seção
Artigos