De modernidades periféricas

Palavras-chave: Roberto Schwarz, periferia, feudalidade, Belle Époque chilena, favor

Resumo

Neste artigo utilizo “As ideias fora do lugar”, de Roberto Schwarz, para estudar a sobrevivência da feudalidade e o favor, herdados do colonialismo ibérico, na “Belle Époque” chilena. No período, as desigualdades sociais adquiriram proporções hipertróficas pelo capital que as elites locais receberam da sua incursão na mineração do carvão e na exploração do salitre – a última como resultado da Guerra do Pacífico (1879-1883). Examino as discrepâncias da modernidade periférica chilena do fim do século XIX e começo do XX em três obras “bellepoquistas”: o conto “El rey burgués” (1888), de Rubén Darío, o filme Julio comienza en Julio (1979), com roteiro de Silvio Caiozzi e Gustavo Frías, e a coleção de contos Sub terra (1904), de Baldomero Lillo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mónica González García, Pontifícia Universidade Católica de Valparaíso (PUCV, Valparaíso, Chile)

Mónica González García é professora associada do Instituto de Literatura e Ciências da Linguagem da Pontifícia Universidade Católica de Valparaíso (PUCV), no Chile, e doutora em Linguagens e Literaturas Hispânicas da Universidade da Califórnia, Berkeley.

Publicado
2019-12-10
Como Citar
García, M. (2019). De modernidades periféricas. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, (74), 197-214. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i74p197-214
Seção
Dossiê: Leituras, leitores e lugares de Roberto Schwarz