Modernismo de pés descalços Mário de Andrade e a cultura caipira

  • Ivan Marques Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo FFLCH/USP
Palavras-chave: Modernismo, Mário de Andrade, língua brasileira, cultura caipira

Resumo

Depois das “palavras em liberdade” de Pauliceia desvairada, Mário de Andrade inaugurou, nos anos de 1920, uma nova fase de sua obra literária, que correspondia a uma reorientação do próprio Modernismo brasileiro: a busca da “contribuição milionária de todos os erros” (Oswald de Andrade, “Manifesto Pau Brasil”). Contra as regras da gramática e do discurso letrado, procurava-se imitar a “língua errada do povo”. No caso de Mário de Andrade, o desejo de estilizar a fala popular resultou no projeto da Gramatiquinha da Língua Brasileira, que tinha no chamado dialeto caipira uma de suas inspirações. O diálogo com a cultura caipira ocorre em momentos centrais da sua produção literária: Macunaíma, Clã do jabuti, Os contos de Belazarte. Estudando a pintura de Tarsila do Amaral, Mário dirá que a sua brasilidade consiste no “caipirismo” das cores e das formas; algo que também se aplica, e mais radicalmente, à literatura cada vez mais enraizada de Mário de Andrade, na qual os “erros” de linguagem e a presença de personagens caipiras ou selvagens figuram o deslocamento do Brasil e o do próprio escritor em relação ao processo de modernização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivan Marques, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo FFLCH/USP
Professor doutor de Literatura Brasileira na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo
Publicado
2012-09-01
Como Citar
Marques, I. (2012). Modernismo de pés descalços Mário de Andrade e a cultura caipira. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, (55), 27-42. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i55p27-42
Seção
Artigos