Poesia e modernismo pré-lógica, formal, dialética e pós-lógica

  • Raul Antelo Universidade Federal de Santa Catarina UFSC
Palavras-chave: Poesia, negatividade, modernismo

Resumo

Pensar a poesia modernista hoje pressupõe retornar ao poético após a finitude do moderno e conceituá-lo não só em termos estéticos autônomos, mas como uma dimensão contingente da linguagem onde atuam, em fusão, tanto o estético quanto o estésico. Poder-se-iam reconhecer, assim, quatro momentos. O momento pré-lógico, o momento formal, o momento dialético e o momento místico. Não são etapas evolutivas, porém revelam diversos posicionamentos do sujeito perante a experiência poética. Deles se conclui que a poesia é a negatividade em que o acesso à palavra, separada de qualquer referencialidade, torna-se aquilo que deve ceder e recusar o já dado. A poesia viabiliza o absolutamente árduo e até mesmo o estritamente impossível.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raul Antelo, Universidade Federal de Santa Catarina UFSC
Professor titular do Departamento de Língua e Literatura Vernáculas da Universidade Federal de Santa Catarina UFSC
Publicado
2012-09-01
Como Citar
Antelo, R. (2012). Poesia e modernismo pré-lógica, formal, dialética e pós-lógica. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, (55), 43-57. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i55p43-57
Seção
Artigos