Theodoro Sampaio, o Código Sanitário do Estado de São Paulo de 1894 e as exigências da modernidade

  • Luiz Augusto Maia Costa Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Palavras-chave: Theodoro Sampaio, Modernidade, Código sanitário, São Paulo

Resumo

O presente artigo busca relacionar as questões sanitárias no mundo ocidental (a partir da antiguidade até a contemporaneidade) com o que Freud definiu como as exigências da modernidade, isto é, ordem, higiene e beleza, a fim de estabelecer subsídios para a compreensão do Código Sanitário do Estado de São Paulo de 1894 como uma manifestação da modernidade engendrada a partir da Segunda Revolução Industrial. Defende que o referido Código contou, direta ou indiretamente, com a participação do engenheiro Theodoro Sampaio. Sendo assim, entendemos que a urbanística que então era forjada estava diretamente ligada ao próprio processo civilizatório típico do Ocidente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Augusto Maia Costa, Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Arquiteto, Urbanista e Filósofo, professor titular do Programa de Pós-Graduação em Urbanismo da Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Rodovia D. Pedro I, km 136, Parque das Universidades, Campinas, SP, CEP 13086-900
Publicado
2016-12-23
Como Citar
Costa, L. A. (2016). Theodoro Sampaio, o Código Sanitário do Estado de São Paulo de 1894 e as exigências da modernidade. Risco Revista De Pesquisa Em Arquitetura E Urbanismo (Online), 14(2), 15-22. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4506.v14i2p15-22
Seção
Artigos e Ensaios