A pesquisa qualitativa fenomenológica: olhos para ver a criatividade cotidiana

  • Hulda Erna Wehmann Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Paisagem cotidiana, Pesquisa qualitativa, Habitação

Resumo

Entender a paisagem como a apreensão sensível do espaço implica uma revisão de metodologias de trabalho: como indagar sobre essas percepções, e a quem? Como trabalhar imaginários diversos para espaços sempre em transformação? São estas as questões que estruturam este texto, sobre as possibilidades trazidas pela pesquisa qualitativa de inspiração fenomenológica para o tema. A partir de uma aproximação inicial ao campo, investiga-se as contribuições trazidas pelo campo às inquietações teóricas iniciais. Essa sondagem realizou-se entre outubro de 2015 e janeiro de 2016, e incluiu 14 entrevistas em profundidade nas Comunidades do Lagamar e do Serviluz, em Fortaleza-CE.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hulda Erna Wehmann, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo
Arquiteta e Urbanista, doutoranda em Arquitetura e Paisagismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, R. do Lago 876, Butantã, São Paulo, SP, CEP 03178-200, (11) 3091-4795
Publicado
2016-12-23
Como Citar
Wehmann, H. (2016). A pesquisa qualitativa fenomenológica: olhos para ver a criatividade cotidiana. Risco Revista De Pesquisa Em Arquitetura E Urbanismo (Online), 14(2), 56-66. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4506.v14i2p56-66
Seção
Artigos e Ensaios