Distribuição ultraestrutural de colágeno tipo IV em feridas experimentais após tratamento com papaína

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v53i2p147-151

Palavras-chave:

Cicatrização de Feridas, Papaína, Úlcera, Epidemiologia Experimental, Colágeno Tipo IV

Resumo

Modelo do estudo: Experimental. Objetivo: Investigar a distribuição de fibras colágeno tipo IV, por microscopia eletrônica de transmissão, em feridas experimentais tratadas com soluções de papaína. Metodologia: Ratos Wistar (n=18), machos, adultos, foram submetidos a procedimento cirúrgico para a retirada de seção quadrada de pele da região cervical, e posteriormente separados em dois grupos: Grupo I (n = 9), sem tratamento; e Grupo II (n = 9), tratado com soluções de papaína a 10% (até o 7º dia), 6% (do 8º ao 14º dia) e 4% (do 15º ao 21º dia). Todos os animais foram sacrificados com 7, 14 e 21 dias, e as áreas lesadas retiradas, lavadas em PBS e fixadas em 2,5% de glutaraldeo, 4% de formaldeio recém preparado, em solução tamponada contendo 60 mM Pipes, 20 mM Hepes, 10 mM etilenoglicol-bis- (B-aminoetiléter) - Ácido N, N, N'-tetraacético, KCl 70 mM e MgCl2 5 mM pH 7,2 por 1h; pós-fixadas em solução contendo tetróxido de ósmio a 1%, ferrocianeto a 0,8% e cloreto de cálcio a 5 mM; desidratados em acetona graduada e embebidos em Epon® para confecção de secções finas, coradas com acetato de uranilo e citrato de chumbo, e examinadas em microscópio electrônico de transmissão Zeiss LEO EM 906 (TEM). Resultados: A distribuição das fibras colágeno tipo IV das lesões tratadas com papaína (Grupo II), com 14 e 21 dias, mostraram-se mais organizadas que as fibras do Grupo I. Conclusões: A papaína mostrou-se um importante facilitador para organização de fibras colágeno tipo IV em feridas experimentais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Balbino CA, Pereira LME, Curi R. Mecanismos envolvidos na cicatrização: uma revisão. Rev Bras Ciênc Farm. 2005; 41: 27-51.

Silva TF, Penna ALB. Colágeno: Características químicas e propriedades funcionais. Rev Inst Adolfo Lutz. 2012; 71(3): 530-9.

Mandelbaum SH, Di Santis EP, Mandelbaum MHS. Cicatrização: conceitos atuais e recursos auxiliares - Parte I. An Bras Dermatol. 2003; 78: 393-408.

Mandelbaum SH, Di Santis EP, Mandelbaum MHS. Cicatrization: current concepts and auxiliary resources - Part II. An Bras Dermatol. 2003; 78: 521-2.

Mann A, Breuhahn K, Schirmacher P, Blessing M. Keratinocyte derived granulocyte macrophage colony stimulating factor accelerates wound healing: stimulation of keratinocyte proliferation, granulation tissue formation and vascularization. J Invest Dermatol. 2001; 117: 1382-90.

Clark RAF. Biology of dermal wound repair dermatological clinics. Invest Dermatol. 1993; 11: 647- 61.

Rogenski NMB, Baptista CMC, Sofia MH. O uso da papaína a 2% nas lesões provocadas pela Síndrome de Fournier: a proposito de 14 casos. Rev Paul Enferm. 1998; 17: 39-45.

Monetta L. Utilização de novos recursos em curativos num consultório de enfermagem. Rev Paul Enferm. 1992; 11: 19-26.

Lima MB, Matins Filho ES, Carvalho RG, Brito Junior LC. Estudo in vitro da ação bactericida e/ou bacteriostática da papaína. Rev Para Med. 2009; 23(2). Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/0101-5907/2009/v23n2/a2008.pdf

Udod VM, Storojuk VT. Use of papain in treating suppurative postoperative soft tissue complications and deseases. Khirurgiia. 1981; 5: 99-101.

Masini E, Calamo MA. Uma forma de tratamento de lesões cutâneas com papaína e sacarose. Rev Bras Clin Terap. 1986; 15: 245-8.

Otuka ES, Pedrazzani ES, Pioto MP. Uso da papaína na úlcera plantar. Rev Bras Enferm. 1996; 49: 207-14.

Alvarez OM, Fernandez-Obregon AC, Rogers RS, Bergamo L, Masso J, Black M. Chemical debridement of pressure ulcers: a prospective, randomized, comparative trial of collagenase and papain/urea formulations. Wounds. 2001; 12: 15-25.

Rogenski NMB, Guedes ML, Baptista CMC, Costa LDF. Uso de papaína em infecções de vísceras. Rev Bras Enferm. 1995; 48: 140-3.

Carvalho FIC, Silva JPN, Bittencourt MC, Brito Junior LC. Uso de papaina no tratamento de lesões ulcerativas de pacientes portadores de pé diabético: relato de cinco casos. Rev Para Med. 2010; 24(2): 65-70. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/0101-5907/2010/v24n2/a2126.pdf.

Leite AP, Oliveira BGRB, Soares MF, Barrocas DLR. Uso e efetividade da papaína no processo de cicatrização de feridas: uma revisão sistemática. Rev Gaúcha Enferm. 2012; 33(3): 198-207. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472012000300026

Leite AP, Oliveira BGRB, Futuro DO, Castilho SR. Effectiveness of using the gel of papain in the wound healing: clinical trial. Brazilian Journal of Nursing. 2011; 10(2): 1-3.

Ribeiro APL, Oliveira BGRB, Soares MF, Barreto BMF, Futuro DO, Castilho SR. Efetividade dos géis de papaína a 2% e 4% na cicatrização de úlceras venosas. Rev Esc Enferm USP. 2015; 49(3): 395-402. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420150000300006

Sant’Ana SMSC, Bachion MM, Santos QR, Nunes CAB, Malaquias SG, Oliveira BGRB. Úlceras venosas: caracterização clínica e tratamento em usuários atendidos em rede ambulatorial. Rev Bras Enferm. 2012; 65(4): 637-44.

Rodrigues ALS, Oliveira BGRB, Futuro DO, Secoli SR. Efetividade do gel de papaína no tratamento de úlceras venosas: ensaio clínico randomizado. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2015; 23(3): 458-65

Ferreira AM, Watanabe E, Nascimento AP, Andrade D, Ito IY. Atividade antibacteriana in vitro de géis com diferentes concentrações de papaína. Rev. Eletr. Enf. 2008; 10(4): 1035-40.

Bertassoni LE, Marshall GW. Papain-gel Degrades intact nonmineralized type I collagen fibrils. Scanning. 2009; 31(6): 253–258. doi:10.1002/sca.20171.

Sanchez Neto R, Barone B, Teves DC, Simões MJ, Novo NF, Juliano Y. Aspectos morfológicos e morfométricos da reparação tecidual de feridas cutâneas de ratos com e sem tratamento com solução de papaína a 2%. Acta Cir Bras. 1993;8:18-23.

Martins MD, Fernandes KPS, Pavesi VC, França CM, Mesquita-Ferrari RA, Bussadori SK. Healing properties of papain-based gel on oral ulcers. Braz J Oral Sci. 10(1):120-123, 2011.

Monetta L. A importância da atuação científica do enfermeiro na execução dos curativos feitos com papaína. Rev Bras Enferm. 1990;9:83-7.

Rocha RPA, Gurjão WS, Brito Junior LC. Cicatrização de úlceras teciduais não infectadas tratadas com papaína. Rev. Para. Med. 23(4), 2009.

Brito Junior LC, Ferreira PL. Cicatrização de feridas contaminadas tratadas com papaína. Medicina (Ribeirão Preto). 2015;48(2):168-74. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v48i2p168-174

Souza MCA, Franco ROM, Oliveira PSC, Souza ERP. Úlcera crônica tratada com gel de papaína 10% na Estratégia Saúde da Família: relato de experiência. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2017; 12(39):1-8.

Downloads

Publicado

2020-08-07

Como Citar

1.
Brito Junior LC de, Levy IE. Distribuição ultraestrutural de colágeno tipo IV em feridas experimentais após tratamento com papaína. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 7 de agosto de 2020 [citado 21 de janeiro de 2021];53(2):147-51. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/163953

Edição

Seção

Artigo Original
Bookmark and Share